Tecnologia aumenta transparência para entregadores de dinheiro

A Texas A&M concluiu um projeto para uma empresa de entrega de dinheiro que dá visibilidade à movimentação de dinheiro entre bancos e empresas, com classificação e contagem

Claire Swedberg

Quando se trata de gerenciamento de ativos, poucos ativos são tão importantes e sensíveis quanto o dinheiro – antes, durante e depois de ser transportado entre empresas e bancos em veículos blindados de correio. Pesquisadores do The Texas A&M University System desenvolveram uma solução baseada em RFID que automatiza a captura de dados para dinheiro – onde está e sob custódia de quem – que permite a classificação robótica, diminui as horas de trabalho e reduz a duração das rotas de caminhões.

Na verdade, de acordo com Lance Decker, pesquisador do Texas A&M’s College of Engineering, o uso de RFID para rastrear dinheiro pode reduzir as horas de trabalho do caixa em 79% e o tempo de trânsito de cada saco de dinheiro em 43%. Decker liderou o projeto de gerenciamento de caixa e projetou a solução como parte de sua dissertação.

Os benefícios baseados em tecnologia equivalem a uma economia anual média de aproximadamente US$ 2,2 milhões após um retorno de um ano, diz Decker, para transportadores de caminhões blindados (ATCs). A solução consiste em uma API que permite o compartilhamento de dados baseados em RFID entre todas as partes do ecossistema de gerenciamento de caixa, bem como leitores fixos de RFID em locais de triagem, em caminhões e leitores portáteis transportados por motoristas. Uma impressora RFID pode imprimir etiquetas habilitadas para IoT em empresas de origem das sacolas de dinheiro, e essas etiquetas podem ser anexadas a cada sacola.

Antes do projeto de gerenciamento de caixa, Decker planejava pesquisar a rastreabilidade geral da carga implantando leitores RFID em reboques de caminhões em vez de nas portas das docas. “Dessa forma, você pode ver a carga entrando e saindo do trailer em qualquer lugar”, em vez de apenas no local onde os leitores da porta da doca estão instalados. Quando um grande mensageiro de dinheiro blindado abordou a universidade para examinar como o RFID poderia ajudá-los a gerenciar sua movimentação de dinheiro, Decker aceitou o desafio, modificando seu plano inicial especificamente para o transporte de dinheiro.

Tradicionalmente, os mensageiros blindados demoram a adotar novas tecnologias, e as transferências de dinheiro ainda dependem de recibos em papel. A transição para algo mais automatizado, portanto, requer alguma fé de que os dados capturados por RFID seriam tão precisos quanto os métodos manuais.

O mensageiro que abordou a Texas A&M e Decker (que Decker não quis revelar) queria tornar a movimentação de dinheiro mais eficiente e precisa, diminuir os custos de seguro e atender os clientes mais rapidamente. Eles também estavam interessados em implantar um sistema de classificação robótica para separar as sacolas de dinheiro de acordo com o destino delas. Uma solução de RFID pode permitir isso.

blank
Lance Decker, Pesquisador da Divisão de Tecnologia da FMCSA, no Texas A&M College of Engineering

A movimentação de dinheiro ainda é uma grande indústria. De fato, embora transações sem dinheiro e criptomoedas sejam comuns, de acordo com o Federal Reserve, US$ 2,1 trilhões em dinheiro ainda circulam hoje.

Para movimentar dinheiro entre bancos e empresas, um mensageiro realiza um ciclo diário – sacolas com dinheiro em papel, cheques e moedas são retiradas de varejistas e bancos e, em seguida, transportadas para uma instalação de gerenciamento de dinheiro de correio ou para um banco ou empresa. Os sacos de dinheiro são separados e seu conteúdo contado. Se um serviço de courier tiver cerca de 50 caminhões fazendo de 50 a 60 paradas por dia, eles podem transportar até 5.000 sacolas – algumas com grandes quantias; outros com um único cheque.

Grandes quadros de caixas que trabalham para as empresas de serviços de correio são encarregados de contar e confirmar o conteúdo de cada sacola. Isso inclui abrir uma sacola, retirar um tíquete de depósito e verificar se ele está alinhado com o depósito. No processo manual, os caixas escrevem na sacola para confirmar a triagem com os valores integrais em dinheiro. O processo é lento, trabalhoso e sujeito a erros.

A Decker desenvolveu uma solução que foi simulada quanto à eficácia e acessibilidade. Quando uma sacola está cheia de dinheiro, uma etiqueta RFID é impressa e os usuários utilizam uma API para vincular o ID exclusivo da etiqueta aos dados que indicam o conteúdo da sacola. Isso pode ser feito pelo serviço de correio, um banco ou um varejista depositando dinheiro no banco. Os dados podem então ser acessíveis a partes relacionadas por meio de um servidor dedicado ou baseado em nuvem. Depois que a etiqueta é impressa e inserida no sistema, um motorista é designado para retirar a sacola.

As etiquetas incluiriam não apenas a etiqueta RFID UHF, mas também um identificador impresso legível por humanos e um código de barras. Não importa como os dados são capturados, eles precisam estar prontamente disponíveis, ressalta Decker. “A resiliência é muito importante para eles. Eles precisam ser capazes de operar se todos os equipamentos pararem de funcionar; eles ainda precisam ser capazes de operar em modo manual.”

Os motoristas podem visualizar os dados de coleta e entrega em um aplicativo para tornar seu trânsito mais eficiente. Por exemplo, eles podem ver quais empresas em sua rota têm sacos de dinheiro para pegar e quais não. Eles podem então pular as empresas que não têm nada para pegar. Na verdade, sem RFID, diz Decker, um motorista pode parar rotineiramente em lugares onde não há sacola para pegar, perdendo potencialmente 10 minutos em cada local – o motorista precisa sair do caminhão, entrar e esperar que um gerente diga não há nada para pegar.

O aplicativo RFID também pode ser usado para acionar avisos para as empresas quando um mensageiro estiver se aproximando de seu local, com base nos dados de GPS do motorista. O gerente pode começar a preparar a chegada do motorista.

O lançamento incluiria leitores RFID fixos montados dentro do caminhão. A maioria dos veículos blindados tem dois pontos de acesso: uma porta atrás e outra na frente. Leitores seriam montados em cada ponto de acesso para capturar a etiqueta de identificação de cada bolsa de dinheiro que entra e sai do veículo, que também pode ser casada com os dados de GPS relacionados ao local onde o caminhão parou. Com mais uma antena montada dentro do caminhão, o sistema também pode capturar dados em tempo real lendo todas as etiquetas nas sacolas de dinheiro do veículo.

Depois que o caminhão entrega as malas à instalação do correio, um leitor de RFID montado na entrada do sistema robótico de classificação analisa as etiquetas das malas. Com esses dados de identificação da etiqueta, o sistema pode comparar os dados da etiqueta com o manifesto digital do caminhão no aplicativo (para que cada etiqueta de sacola seja lida). Se o ID da etiqueta corresponder aos detalhes esperados, uma luz verde acenderá e a sacola entrará no sistema de classificação. A classificação é feita por robô, o que eliminaria o processo manual. A equipe de pesquisa da Texas A&M estima que haveria uma taxa de erro de cerca de 3% na classificação, como uma etiqueta não sendo lida, e a discrepância poderia fazer com que o sistema automatizado filtrasse a sacola para verificação manual.

Decker diz que sua pesquisa descobriu que a rota de um motorista – com cerca de 70 paradas – pode levar de 12 a 14 horas. Com o RFID, isso pode ser reduzido para apenas seis horas. Outras economias incluiriam cortar o custo do combustível devido a menos condução e marcha lenta nas instalações dos clientes. Os benefícios além da eficiência e redução de erros podem ser a transparência entre os membros da cadeia de suprimento de dinheiro.

Se o serviço de correio usar a solução RFID, eles poderão compartilhar os dados com bancos e empresas cujo dinheiro está sendo administrado. A pesquisa também incluiu a captura de dados RTLS com uma etiqueta RFID aplicada às caixas nas quais as sacolas são transportadas em um armazém ou centro de distribuição. A etiqueta ativa fornece dados de localização em tempo real da caixa, que podem ser vinculados aos dados marcados com RFID da etiqueta de cada sacola.

O sistema também auxilia potencialmente no gerenciamento do lixo do caixa, diz Decker. As malas que foram esvaziadas de dinheiro são normalmente armazenadas por dias para que possam ser acessadas novamente se um erro for descoberto (como um cheque perdido que pode ter sido extraviado em uma bolsa). Com a etiqueta RFID em cada saco, os indivíduos podem usar um leitor portátil para localizar facilmente o saco certo dentro de uma área de armazenamento cheia de tal lixo.

A solução pode alavancar os leitores RFID disponíveis no mercado, diz Decker, incluindo os da Zebra e da Impinj. Em geral, diz Decker, a simulação centrou-se no hardware de preço mais alto, incluindo o preço das etiquetas RFID de 10 centavos cada. Dessa forma, “ao aplicarmos a matemática, poderíamos dar a visão mais conservadora de quanto custaria”.

“A hipótese fundamental da pesquisa é que adicionar a tecnologia IoT ao ecossistema de movimentação de dinheiro reduz custos, melhora a capacidade e fornece visibilidade a todas as partes envolvidas na movimentação de dinheiro”, diz Decker. Ele discutiu a pesquisa e a integração da API que foi desenvolvida com a tecnologia RFID em conferências nos Estados Unidos nesta primavera e verão. Ele diz que espera que as empresas possam se esforçar para levar o estudo à prova de conceito e construir uma solução.

- PUBLICIDADE - blank