Players apontam crescimento da RFID no Brasil

Painel com autoridades, empresários, executivos e empreendedores mostra expansão do mercado no RFID Journal Virtually LIVE!

Edson Perin

Boas novas! O mercado brasileiro de RFID está maduro, tem espaço para as empresas fornecedoras crescerem e está se expandindo em velocidade acelerada. Na liderança do mercado estão empresas que sabem melhorar os negócios de seus clientes e que colecionam casos de sucesso importantes e divulgados pelo IoP Journal.

As conclusões resultaram de um painel que coordenei nesta quinta-feira, 01/10/2020, com autoridades, empresários, executivos e empreendedores brasileiros, no RFID Journal Virtually LIVE! O painel recebeu mais de 50 interessados no mercado brasileiro de identificação por radiofrequência (RFID), incluindo usuários finais. As impressões e contribuições foram bastante positivas, revelando, inclusive, que a RFID está indo bem no Brasil apesar dos temidos impactos negativos da pandemia. Aliás, a pandemia fez muito bem para a RFID, especialmente por estimular o e-commerce.

Edson Perin, editor
Edson Perin

Tive a honra de organizar os trabalhos previamente e, também, na apresentação do evento, para o qual convidei profissionais de peso como Vanderlei Ferreira, presidente da Zebra Brasil, com quem tive a oportunidade de conversar antecipada e longamente sobre o mercado brasileiro de RFID (Presidente da Zebra revela crescimento da RFID no Brasil).

Em seguida, abri os microfones para outra convidada de grande relevância no mercado de RFID e também de novas tecnologias que estão em desenvolvimento no mundo de Internet of Packaging (IoP): Paula Valério, diretora-executiva do Sincpress, que trouxe ideias arejadas e uma visão privilegiada sobre como as embalagens inteligentes estão saindo das cadeias de suprimentos identificadas e rastreáveis para acrescentar garantia de autenticidade aos produtos, segurança de origem, melhores serviços e informações para os consumidores, e sustentabilidade (saiba mais Equipe Sincpress lança e-book sobre Smart Packaging).

Fabiana Wu e Alexander Modro, da Avery Dennison, apresentaram as expectativas da companhia que está em sintonia com o mercado de RFID no Brasil e no mundo, inclusive com iniciativas em Smart Packaging. A companhia tem ampliado investimentos no país, graças a uma visão também positiva do crescimento do mercado de RFID no Brasil.

Outro convidado presente e ativo foi o ilustre Henrique Miguel, do MCTIC, que falou sobre as iniciativas pós-pandemia que estão em andamento no ministério e que envolvem RFID como ferramenta para viabilizar melhorias em verticais como Saúde, Indústria 4.0, Cidades Inteligentes e Agronegócio, pioridades do Plano Nacional de IoT. Segundo Miguel, estamos em um momento de grandes oportunidades para a tecnologia de RFID que é a base para todas as iniciativas que precisam ser adotadas para garantir o combate à pandemia e muito mais.

Outra colaboração importante para o bate-papo foi a de uma importante de peso do mercado, Fernando Claro, diretor-executivo da Seal, empresa que junto com a Ernest Young, teve dois casos de sucesso premiados no evento internacional: Volkswagen do Brasil e Grupo Boticário. Claro destacou que sua empresa trabalha para otimizar soluções para simplificar a adoção pelos usuários finais, ajudando a expandir a penetração da tecnologia.

Edson Yano, da HID, lembrou que o mercado brasileiro tem de atuar dentro dos conceitos da globalização, reduzindo impostos e taxas inclusive para os insumos importados, o que trará benefícios para todo o setor. Sua visão tem base na expansão dos benefícios para os usuários da tecnologia RFID e no aumento de oportunidades de negócios para todas as empresas do setor. A criação de uma plataforma de negócios com NFC pela companhia, isto em 2018, abre espaço para uma atuação mais intensiva em Smart Packaging.

Odarci Maia Jr., dos Correios, também participou, falando sobre a evolução do projeto que tem como apoiadora a UPU (Universal Postal Union), e que está testando o uso de RFID no Brasil para expandir a tecnologia pelo negócio global de correspondências e encomendas.

Mark Timms, da MobiZcan/Impinj, pontou sua percepção de que a RFID no Brasil ainda levará 15 anos para atingir os níveis de Estados Unidos, mas concorda que está em crescimento e que há espaço para novos players. Houve ainda participações de Pedro Moreira, presidente da associação RFID; e Rogério Davanso, da CCRR, diretor da mesma entidade.

Edson Perin é editor do IoP Journal Brasil e fundador da Netpress Editora.

- PUBLICIDADE -

LEAVE A REPLY

Please enter your comment!
Please enter your name here