Varejistas testam soluções contra furtos

Sistema da Sensormatic inclui gerenciamento de perdas como parte de sua oferta de software como serviço, permitindo identificar itens removidos

Claire Swedberg

Seis varejistas em todo o mundo começarão a testar um novo recurso da Sensormatic no início do próximo ano, usando RFID UHF passivo para gerenciamento de perdas. A solução faz parte da plataforma da empresa projetada para trazer inteligência à vigilância eletrônica de artigos (EAS).

Esta solução de análise de varejo, conhecida como TrueVUE, funciona em plataforma de software como serviço (SaaS) do Google Cloud Platform (GCP). As empresas podem pagar um preço de assinatura por várias soluções, variando de EAS a gerenciamento de inventário e provadores inteligentes ou outras tecnologias de Internet das Coisas (IoT). Os pilotos estão programados para começar durante o primeiro trimestre de 2020.

A Sensormatic projetou o TrueVUE para fornecer uma solução acessível para as lojas automatizarem o gerenciamento de mercadorias, possibilitarem vendas unificadas e precisas, e modelos de “comprar on-line, buscar na loja” (BOPIS), para melhorar a experiência do cliente. A empresa lançou o sistema há oito anos como uma solução local para ajudar a rastrear o inventário e forneceu análises sobre a detecção de roubo usando a tecnologia acústico-magnética ou RF do EAS.

No início deste ano, a Sensormatic lançou uma versão baseada em nuvem da solução que fornece a pilha de recursos SaaS baseada no Google para reduzir a visibilidade, além de outros recursos e funções à medida que os clientes avançam para outros recursos. A versão SaaS oferece um recurso dedicado à captura de leituras de etiquetas RFID nas saídas das lojas, seja na frente da loja (quando os clientes removem mercadorias) ou na porta dos fundos (onde o encolhimento também pode ocorrer). O recurso pode ser adicionado a uma implantação TrueVUE existente ou pode ser operado como um novo serviço para o qual outras funcionalidades podem ser adicionadas conforme necessário.

Esse recurso sinaliza a maturidade da tecnologia RFID para EAS como tags UHF, diz Brent Brown, vice-presidente de inteligência global de inventário e gerente geral da Sensormatic, e os leitores estão alcançando maior precisão e confiabilidade de leitura do que nos anos anteriores. Paralelamente, diz, há uma presença crescente de etiquetas RFID em roupas e outros produtos nas lojas. Muitos varejistas estão encontrando etiquetas RFID anexadas às suas mercadorias por marcas e fornecedores, relata Brown, e muitas estão aplicando ou usando etiquetas RFID existentes para seus próprios fins de gerenciamento de inventário. O uso dessas tags para o EAS, no entanto, colocou um desafio. Sem o software adequado para gerenciar esse sistema, ele observa, alarmes falsos ou incômodos podem ser comuns, e os dados provenientes dos leitores costumam ser difíceis de gerenciar.

Para enfrentar esses desafios, afirma Brown, os recursos de RFID para prevenção de perdas trazem inteligência ao processo. O software foi projetado para identificar e capturar apenas tags relevantes – aquelas que se movem pela saída que representam itens não comprados – enquanto filtram outras leituras de tags. O software gerencia os dados coletados para fornecer aos usuários informações sobre o que foi removido e o que precisa ser reabastecido.

O sistema permite que os usuários vinculem os dados RFID a outras tecnologias, como câmeras de vídeo. Dessa forma, as lojas poderiam coletar dados baseados em RFID indicando o que está sendo removido, juntamente com um link para imagens de vídeo mostrando o que está acontecendo. Brown explica que esse tipo de recurso serve como uma ferramenta para combater o crime organizado no varejo (pelo qual ladrões retiram um grande número de mercadorias) ou para identificar membros da equipe.

Ao usar a RFID para prevenção de perdas, ele acrescenta, os varejistas podem obter maior valor com o custo de uma implantação de RFID que, de outra forma, poderia ser usada apenas para o gerenciamento de inventário. “Movemos a solução rio abaixo”, afirma ele, “para ajudar os varejistas a bordo e entrar no mundo da prevenção de perdas”.

A Sensormatic desenvolveu o TruVUE e redesenhou a solução como uma oferta SaaS. Como alternativa ao que antes era um software monolítico, diz Brown, os clientes podem comprar uma pilha de recursos baseados em RFID ou EAS, de acordo com suas necessidades particulares. “Essa nova arquitetura é capaz de fornecer a funcionalidade principal para abordar os recursos básicos que um varejista pode precisar”, afirma ele, mas os usuários podem expandir as maneiras pelas quais utilizam a tecnologia ativando ou desativando os recursos da pilha.

Muitos usuários TrueVUE existentes estão utilizando a RFID apenas para fins de gerenciamento de inventário, diz Brown. No entanto, cada varejista tem seus próprios requisitos e objetivos exclusivos e, à medida que eles evoluem, a pilha TrueVUE pode ser implantada de várias maneiras. Por exemplo, algumas empresas gostam do impedimento visual de uma etiqueta EAS rígida presa a peças de vestuário que podem ser removidas no ponto de venda. Tal etiqueta poderia desencorajar alguns esforços de furto em lojas. No entanto, se as etiquetas RFID já estiverem aplicadas aos produtos, as duas tecnologias poderão ser usadas juntas.

Com um leitor de RFID embutido no portão do EAS, Brown diz que os dados de leitura de etiquetas RFID podem fornecer uma visão melhor na saída. Algumas empresas estão testando o uso de RFID para capturar dados sobre itens removidos por trás, mesmo enquanto tags EAS rígidas também estão anexadas aos produtos. “Não existe um cliente que se pareça com todos os outros”, afirma.

O layout físico das lojas também varia. Portanto, ele acrescenta: “Temos uma variedade de soluções de saída que acomodam sistemas diferentes”, com base no ambiente de varejo. Isso pode incluir leitores instalados no chão, nas portas, no teto ou nos pedestais – e à medida que as entradas das lojas se tornam mais amplas, observa, a taxa de leitura continua a ser eficaz.

A Sensormatic pode fornecer portas EAS habilitadas para RFID, empregando os próprios leitores UHF RFID da empresa ou modernizar sistemas EAS existentes com um leitor RFID.

- PUBLICIDADE -

LEAVE A REPLY

Please enter your comment!
Please enter your name here