Nova etiqueta RFID flexível tem baixo custo

A tag da Smartrac se destina ao rastreamento de mercadorias reutilizáveis, após lavagem ou outros ambientes potencialmente desafiadores, sem o custo de uma etiqueta rígida

Claire Swedberg

A Smartrac, empresa adquirida pela Avery Dennison no ano passado, lançou sua nova etiqueta passiva UGB RFID UHF DOGBONE DURA para aplicações industriais, cadeia de suprimentos e logística. Segundo a empresa, a etiqueta foi projetada para manter a imersão em água e limpeza de água pressurizada, além de outras condições ambientais desafiadoras, mas ainda tem preço semelhante ao de uma etiqueta RFID UHF padrão. A etiqueta é flexível o suficiente para passar por uma impressora e ser armazenada em rolos, relata o Smartrac.

Várias empresas dos setores industrial e de logística estão pilotando a nova etiqueta, indica a empresa de tecnologia, a fim de determinar sua eficácia no rastreamento de bens ou equipamentos que possam estar expostos à água ou a outras condições que possam danificar as etiquetas RFID UHF padrão. O fabricante holandês de chips RFID vendeu sua linha de produtos RFID no ano passado para a Avery Dennison, mas continua a projetar e desenvolver etiquetas RFID sob a marca Smartrac. A etiqueta DURA foi projetada para atender às necessidades de empresas em vários setores. Um aplicativo importante é rastrear itens reutilizáveis ​​pela cadeia de suprimentos.

UGB RFID UHF DOGBONE DURA

Por exemplo, diz Juha Virtanen, vice-presidente de desenvolvimento de hardware da Smartrac, aqueles que gerenciam os movimentos de itens de transporte retornáveis ​​(RTIs), paletes, sacolas e lixeiras exigem visibilidade dos movimentos de tais itens, mas podem achar que as etiquetas RFID padrão não funcionarão. bem em seu ambiente. Eles podem precisar de uma etiqueta que possa sobreviver aos processos de lavagem, tensões mecânicas e uso ao ar livre, diz Virtanen, mas a um custo relativamente baixo. Um aplicativo também pode se beneficiar de uma etiqueta que pode ser impressa com uma impressora padrão. “É exatamente aí que os produtos DURA se encaixam na conta”, afirma Virtanen.

Uma alternativa às etiquetas UHF padrão foram as etiquetas de plástico altamente duráveis. No entanto, diz Virtanen, estes tendem a ser construídos para ambientes extremamente resistentes que podem exigir impermeabilidade a produtos químicos, calor extremo ou impactos pesados. Isso pode incluir implantações baseadas em petróleo e gás ou serviços públicos. Tais soluções de etiqueta rígida podem ser comparativamente caras quando usadas em vez de etiquetas flexíveis padrão, observa Virtanen. Como resultado, ele diz: “Há uma alta demanda por tags extra-duráveis ​​que custam menos do que as tags rígidas completas”.

Outro benefício da etiqueta DOGBONE DURA, de acordo com a Smartrac, é seu design para fácil codificação e impressão. A DURA pode ser impressa com uma impressora usada para etiquetas flexíveis padrão, diz Antti Valtonen, gerente sênior de produtos técnicos da Smartrac para etiquetas e materiais DURA e FLEX. Em alguns casos, a empresa explica, as impressoras padrão podem exigir ajustes, pois o DOGBONE DURA é um pouco mais grosso que um embutimento padrão. A espessura varia de 460 a 520 micrômetros (microns), dependendo do formato de entrega (seco ou úmido).

A Smartrac testou a impressão e a codificação do DOGBONE DURA com a impressora CL4NX da SATO. Um acessório de suporte pode ser adicionado para aumentar a folga do cilindro para melhorar ainda mais o processo de impressão, se necessário, diz Valtonen. A Zebra Technologies oferece impressoras RFID específicas projetadas para imprimir “mais espessas em etiquetas de metal”, que podem ser ainda mais espessas que a DOGBONE DURA. O DURA vem com duas camadas semi-rígidas de termostato, com o IC e a antena encaixados entre eles para proteger esses componentes eletrônicos. O encapsulamento eleva o nível de proteção do produto a uma classificação IP68. Ao mesmo tempo, observa a empresa, as camadas são flexíveis.

Embora a etiqueta seja menos dispendiosa do que uma etiqueta rígida, relata o Smartrac, ela terá um preço mais alto do que uma etiqueta RFID padrão. “É óbvio que as despesas de material e fabricação do DOGBONE DURA são mais altas do que as tags DOGBONE padrão”, diz Valtonen. O preço do DOGBONE DURA reflete isso. No entanto, “também reflete seu valor extra em aplicativos para clientes”.

A empresa prevê que esse valor extra para uso em ambientes desafiadores justificará o preço. Por exemplo, uma etiqueta RFID padrão pode ser destruída a cada ciclo de lavagem ou higienização de um equipamento. Quando isso ocorre, as empresas devem anexar uma nova etiqueta RFID impressa e codificada a esse item e inserir seu número de identificação no software – um processo que custa mão de obra e materiais.

O DURA vem com um chip Impinj Monza R6-P integrado com funcionalidade Autotune. A etiqueta pode ser fornecida nos formatos molhado ou seco e é entregue em bobinas. Com um embutimento úmido, a etiqueta é fornecida com um adesivo de nível industrial projetado para ser resistente a produtos químicos e à água. A versão seca da etiqueta vem com uma extensão para os usuários fazerem furos e prenderem com parafusos ou presilhas.

Além do rastreamento de mercadorias como RTIs, pode haver outros casos de uso para RFID em setores como construção, diz Virtanen. “As etiquetas DURA também podem ser incorporadas ao concreto”, observa ele, o que possibilitaria aos inspetores, funcionários do governo ou outros identificar o trabalho realizado no subsolo de uma determinada estrada ou calçada, por exemplo, empregando um leitor portátil para interrogar os tag.

O encapsulamento permite, assim, o uso dessas tags em ambientes para os quais as tags rígidas são muito caras. “Devido às vantagens de custo dos produtos DURA sobre as etiquetas rígidas, suspeitamos de um aumento no uso da tecnologia RFID” por algumas empresas, afirma Valtonen, em áreas em que etiquetas rígidas não eram consideradas economicamente viáveis.

- PUBLICIDADE -

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui