FSA abre oportunidade para rótulos inteligentes

Porta-voz da AIPIA diz que esta poderia ser uma oportunidade real para lançar rótulos de monitoramento de condição mais inteligentes para o mercado de embalagens de proteínas

Andrew Manly, AIPIA

As novas orientações de prazo de validade para carne bovina, cordeiro e porco resfriadas embaladas a vácuo e em atmosfera modificada foram atualizadas pela Food Standards Agency (FSA), a agência britânica de alimentos. De acordo com um porta-voz da Active & Intelligent Packaging Industry Association (AIPIA), esta poderia ser uma oportunidade real para lançar rótulos de monitoramento de condição mais inteligentes para o mercado de embalagens de proteínas.

Pela nova determinação, os operadores de empresas de alimentos podem escolher um prazo de validade seguro para esses produtos específicos, de acordo com seus sistemas de gestão de segurança alimentar existentes. Afastar-se de uma abordagem de “tamanho único” beneficiará os consumidores e a indústria e continuará a garantir altos padrões de segurança alimentar e a redução do desperdício. A decisão foi tomada com base em uma combinação de evidências que inclui aconselhamento microbiológico especializado, informações epidemiológicas sobre a ocorrência de botulismo e dados internacionais de muitos anos sobre produtos de carne.

Comentando, um porta-voz da AIPIA disse: “esta é uma oportunidade real para varejistas e produtores de carne fresca e embaladores considerarem o uso de rótulos de monitoramento de condições para dar aos consumidores um método real e baseado em evidências de saber que sua carne é segura e adequada para consumo”.

Uma consulta pública sobre as opções para alterar as orientações anteriores de melhores práticas de validade máxima de 10 dias para esses produtos já foi concluída. Rebecca Sudworth, diretora de política da FSA, explicou: “As empresas de alimentos serão capazes de seguir as orientações existentes da indústria para garantir que um prazo de validade adequado seja aplicado a esses produtos, enquanto o suporte será fornecido para empresas menores, que podem não ter essa capacidade, definindo um limite modificado de 13 dias”.

“Estamos confiantes de que as empresas de alimentos no Reino Unido continuarão a colocar os padrões e a segurança no centro de tudo o que fazem, para que os consumidores possam ter certeza de que seus interesses estão em primeiro lugar”, acrescentou ela.

Os representantes da indústria em um grupo de trabalho conjunto da FSA e da indústria saudaram a decisão da FSA. David Lindars, co-presidente do grupo de trabalho e diretor de operações técnicas da British Meat Processors Association (BMPA), disse: “Congratulo-me com esta decisão, que representa uma regulamentação moderna baseada em evidências e foi alcançada graças ao excelente trabalho conjunto entre a indústria e o regulador. Estamos confiantes de que este é um resultado proporcional que irá beneficiar os consumidores e as empresas alimentares e ajudar a reduzir o desperdício de alimentos, sem comprometer a segurança alimentar”.

Embora se espere que as empresas maiores possam colocar em prática suas próprias orientações imediatamente para esses produtos, a FSA reconhece que as pequenas e médias empresas do setor alimentício podem não ter os recursos ou experiência adequados. Portanto, eles poderão usar a nova recomendação da ACMSF para esses produtos e podem aplicar um prazo de validade de no máximo 13 dias sem atividades adicionais.

“Esperamos que a BMPA e as organizações de varejo, como a BRC, agora entrem em contato conosco ou com nossos membros para discutir a implementação de tecnologia que possa agregar valor aos seus produtos, bem como confirmar que os mais altos padrões de segurança alimentar sejam mantidos. Estamos prontos para conversar a qualquer momento”, disse a AIPIA.

Esta revisão se aplica apenas a carne bovina, cordeiro e porco resfriados VP / MAP sem ingredientes adicionados ou processamento adicional além de corte, embalagem, resfriamento, congelamento e congelamento rápido. Não se aplica a nenhuma carne de vaca, cordeiro ou porco que seja submetida a processamento posterior, como picagem, cozimento ou mistura com quaisquer outros ingredientes, como ervas, especiarias ou sais de cura.

IoP Journal é media partner da AIPIA

- PUBLICIDADE -

LEAVE A REPLY

Please enter your comment!
Please enter your name here