Empresa comercializa seu menor inlay verde

A etiqueta EAGLE Green, da Smartrac, inclui substrato de papel e antena de alumínio cortada a laser para garantir que o revestimento seja reciclável

Claire Swedberg

Como parte do seu programa Green Tag, para oferecer alternativas recicláveis ​​e sustentáveis ​​aos inlays RFID plásticos, a Smartrac  lançou uma etiqueta RFID ecológica, de custo mais baixo. A etiqueta EAGLE Green atenderá ao mercado varejista e de marca, com um produto em papel que pode ser reciclado ou compostado. A etiqueta é fabricada de maneira mais sustentável, em parte pela eliminação do processo de gravação a base de produtos químicos.

A etiqueta EAGLE Green foi projetada como uma alternativa à etiqueta EAGLE existente da Smartrac. Os clientes que usam a versão padrão podem trocá-la sem exigir alterações no sistema RFID geral do usuário, diz Matti Tavilampi, diretor de gerenciamento de produtos da Smartrac. “Queremos tornar o mais fácil possível para o cliente começar a usar produtos ecológicos”, explica. Espera-se que a nova tag seja disponibilizada comercialmente durante o primeiro trimestre de 2020.

A tag EAGLE Green é o segundo novo produto lançado no programa Green Tag, lançado em janeiro deste ano. A primeira foi a etiqueta WEB Green. A Smartrac apresentou a WEB Green no RFID Journal LIVE!, realizada em abril deste ano, em Phoenix, Arizona.

Tag EAGLE Green, da Smartrac

As tags foram projetadas para a identificação exclusiva de mercadorias, como vestuário e eletrônicos, informa a empresa e são adequadas para aplicações de varejo no nível do item. A produção em volume do inlay WEB Green começou em junho de 2019. As tags EAGLE Green e WEB Green são compatíveis com outros inlays comparáveis ​​em termos de desempenho e aplicações, de acordo com a Smartrac.

A Smartrac diz que lançou o programa Green Tag para oferecer os melhores processos de fabricação possíveis e verdadeiramente sustentáveis, oferecendo redução de dióxido de carbono e uso de materiais de menor impacto. De acordo com o modelo Green Tag, todas as tags serão isentas de plástico. Isso significa que o material do substrato (papel) é reciclável ou compostável, enquanto há menos material no geral. As tags normalmente podem ser feitas com apenas duas camadas, em vez de três ou mais com uma tag de plástico.

“O papel que usamos é livre de microplásticos”, diz Tavilampi. A Smartrac compra o papel que utiliza de florestas sustentáveis, onde novas árvores são plantadas, observa ele, em um esforço para produzir produtos sustentáveis. Um adesivo é usado para anexar o CI ao substrato – mas com menos camadas, ele acrescenta, as etiquetas em geral terão significativamente menos adesivo.

Quando se trata da antena, nenhum metal pesado é usado e a gravação a laser substitui o processo de gravação química. A empresa firmou parceria com a 4E Antenna AB, que forneceu as antenas de alumínio que estão sendo cortadas a laser para os dois novos produtos verdes. Ao cortar a laser as antenas de alumínio, explica Tavilampi, a empresa elimina a necessidade de produtos químicos e, assim, mantém os resíduos metálicos prontos para reciclagem.

Além disso, o processo de gravação química consome mais energia em oposição à gravação a laser, o que requer menos calor. A Smartrac também está estudando o desenvolvimento de antenas que podem ser impressas diretamente no papelão com tinta de grafeno, eliminando assim totalmente a necessidade de alumínio. Para a linha de produtos Green Tag, diz Tavilampi, a empresa realiza avaliações do ciclo de vida. As tags empregam um circuito integrado NXP UCODE 8.

A EAGLE Green e a WEB Green estão entre os menores inlays voltados para o varejo, com desempenho global disponível no mercado, informa Tavilampi. As etiquetas EAGLE, de fato, estão entre as menores etiquetas RFID UHF para aplicações de varejo, diz, e estão disponíveis em formatos de entrega de etiquetas secas e de papel, com tamanhos de 44 milímetros por 28 milímetros. A WEB, por outro lado, é um tamanho tradicional e é usada em etiquetas e rótulos. A EAGLE Green Tag passou recentemente nas categorias de teste ARC da Universidade de Auburn, A, B, C, D, F, G, I, K, M, Q, W2 e W5.

Os materiais do inlay permitem que as etiquetas sejam recicladas ou eventualmente se decomponham quando jogadas fora. Normalmente, as etiquetas de preço são descartadas pelos consumidores após uma compra e, portanto, acabam em um aterro sanitário. Se a etiqueta RFID embutida em uma etiqueta for baseada em papel com antenas leves de alumínio, explica Tavilampi, ela será quebrada mais rapidamente se acabar em aterro sanitário do que uma versão em plástico. Se os consumidores residem em locais onde as etiquetas de preços podem ser recicladas, ele acrescenta, a etiqueta possibilita que a etiqueta do produto seja reciclada da mesma forma que uma etiqueta de papel comum.

Empresas da Europa, Oriente Médio, África, Américas e região da Ásia-Pacífico estão se preparando para usar os novos rótulos, informa a empresa, incluindo grandes marcas de roupas e varejistas. Espera-se que as compras sejam em grandes volumes. Os produtos Green visam atender uma crescente necessidade de sustentabilidade que varejistas e marcas estão tentando alcançar para seus próprios clientes. “Há um grande interesse por produtos sustentáveis ​​na APAC e na Europa”, afirma Tavilampi. “Está se espalhando globalmente”.

No futuro, a Smartrac poderá continuar fornecendo versões verdes de seus produtos existentes, além de vender tags dedicadas como produtos sustentáveis. Tavilampi vê o programa Green Tag como uma solução para uma necessidade de tendência no mercado de varejo e além. “O RFID está crescendo”, diz ele, “enquanto ao mesmo tempo as empresas buscam opções sustentáveis”.

- PUBLICIDADE -

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui