Produção de embalagens em 2023: conservando recursos sempre que possível

O papel feito de grama utiliza menos água, menos energia, não requer produtos químicos e libera quase cinco vezes menos CO₂ do que a produção de papel convencional

interpack

As matérias-primas são o ponto de partida do processo produtivo, o que torna a sua disponibilidade extremamente importante para a indústria de embalagens. Mas em 2023, a economia global continuou a enfrentar estrangulamentos de abastecimento e escassez de materiais. Isto colocou a utilização eficiente das matérias-primas e a utilização sustentável dos recursos que temos disponíveis num foco mais acentuado do que nunca – uma realidade que ficou muito em evidência na interpack.

Um grande número de expositores, sejam fabricantes de máquinas ou de embalagens, trouxeram para a feira soluções dessa natureza, incluindo máquinas e processos mais eficientes, novos materiais e soluções de embalagens otimizadas.

Consumimos demasiados recursos naturais, como o Dia da Sobrecarga da Terra nos lembra drasticamente todos os anos. O dia simbólico de ação é calculado anualmente pela Global Footprint Network, um grupo de reflexão internacional. Daquele dia em diante, todos os recursos naturais do mundo que o planeta pode regenerar num ano foram esgotados. Em 2023, o Dia da Sobrecarga da Terra ocorreu em 2 de agosto.

Há vinte e cinco anos, a data limite global era posterior, caindo em Outubro. Os países industrializados do mundo vivem de uma forma particularmente esbanjadora. A Alemanha já tinha esgotado os seus recursos em 4 de Maio. Para os seus cálculos, a Global Footprint Network utiliza uma vasta gama de dados e números científicos e económicos provenientes de fontes como as Nações Unidas e universidades. Na Alemanha, os ambientalistas apelam agora ao governo federal do país para que aprove uma lei de conservação de recursos com metas de proteção vinculativas até 2026.

blank
Produção de embalagens em 2023: conservando recursos sempre que possível

A Comissão Europeia também se comprometeu com a conservação dos recursos. Ao prosseguir o seu planeado regulamento sobre embalagens, por exemplo, a Comissão pretende garantir que todas as embalagens sejam totalmente recicláveis até 2030. Está também a estabelecer critérios básicos em torno da “concepção para reciclagem” em embalagens para este mesmo fim. Muitas empresas do setor já seguem esses princípios e muitas vezes obtêm uma vantagem competitiva.

Para Markus Rustler, presidente da interpack e CEO da Theegarten-Pactec, a eficiência de recursos e a fabricação com eficiência energética têm sido considerações importantes há muito tempo. Theegarten-Pactec é neutro em carbono desde o início de 2023. “Nossos clientes primeiro esfregaram os olhos e depois abriram os ouvidos. Enquanto isso, eles estão muito entusiasmados com o fato de estarmos tomando essas medidas”, disse Rustler em entrevista à Interpack.

Fazer negócios de forma sustentável e eficiente em termos de recursos faz parte da filosofia organizacional da empresa. Embora as máquinas Theegarten-Pactec já sejam altamente eficientes em termos energéticos, ainda há potencial para fazer mais pelo meio ambiente. “Embora sejamos neutros em carbono como organização, isto ainda não se aplica ao ciclo de vida dos nossos produtos.

Por exemplo, usamos aço fundido em muitas das carcaças básicas de nossas máquinas. Isso consome muita energia na produção, bem como nas modificações subsequentes. Mas, naturalmente, isto também pode ser feito num processo neutro em carbono, por isso esse é o próximo passo que queremos dar.”

O fabricante de máquinas de embalagem Hugo Beck também conta com tecnologia de máquinas eficientes em termos de recursos. Na interpack, por exemplo, a empresa apresentou uma nova máquina de embalagem de papel para aplicações de comércio eletrônico, que economiza recursos ao adaptar automaticamente o tamanho da sacola postal a uma variedade de dimensões do produto. Além disso, as máquinas flowpacker do fabricante proporcionam economia de material de 60 a 70% através do uso mínimo de filme e podem lidar com todos os tipos de filme comumente processados em máquinas, como filmes monomateriais, filmes reciclados, biofilmes e até mesmo embalagens ultrafinas e filmes retráteis de 7µm.

Uma nova solução da KHS reduz o uso de materiais em até 90%, eliminando as embalagens secundárias convencionais. Isso envolve colar latas de bebidas ou garrafas PET com alguns pontos de adesivo para criar embalagens resistentes e não requer qualquer embalagem plástica. A nova tecnologia já é utilizada por numerosos produtores de bebidas e ilustra quão abrangentes podem ser os efeitos da conservação de recursos. Por exemplo, depois de uma cadeia retalhista francesa ter mudado a embalagem da sua água de marca própria de embalagem retráctil para a solução KHS, poupou mais de 250.000 toneladas de plástico por ano, a uma taxa de até 25.000 garrafas por hora.

A tecnologia Nature MultiPack da KHS também é adequada para produção em massa de até 108.000 contêineres por hora e oferece uma variedade de soluções de embalagens secundárias que economizam recursos. Um exemplo é a Loop Lite, uma garrafa PET reciclável para bebidas fortemente carbonatadas. A garrafa mais leve é feita 100% de rPET e consome até 25% menos material do que as garrafas convencionais de refrigerantes de marca.

O rótulo consegue uma redução no uso de material de até 30%, com a geometria especial da base da garrafa rPET recém-projetada, permitindo uma pressão ainda mais baixa durante a moldagem por estiramento e sopro e, por sua vez, reduzindo o consumo de energia em até 15% – reduzindo custos em o processo. Isto faz com que a pegada de carbono da embalagem seja até 60% menor do que as soluções PET padrão no mercado.

Uma das consequências de usar menos material é liberar menos CO₂ durante a produção. O fabricante austríaco de filmes CCL Label adicionou recentemente uma versão mais fina de suas mangas elásticas à sua linha. Destinam-se a garrafas PET reutilizáveis de um litro, a maior parte das quais são utilizadas no mercado alemão de água mineral. A capa recém-desenvolvida tem apenas 30 micrômetros (0,030 milímetros) de espessura, o que a torna a capa mais fina do tipo disponível no mercado, segundo a empresa. É feito de polietileno monomaterial (PE), cujas propriedades elásticas significam que não requer calor ou adesivo para ser fixado à garrafa – outra área em que as emissões podem ser evitadas.

Evitar o consumo de recursos fósseis na fabricação de embalagens plásticas é um dos principais objetivos de muitos fabricantes. Uma alternativa potencial são os bioplásticos produzidos a partir de recursos renováveis – ou melhor ainda, a partir de sobras agrícolas e alimentares. Por exemplo, a empresa de biotecnologia NatureWorks utiliza amido de plantas como o milho ou a cana-de-açúcar, divide-o em ácido láctico utilizando microrganismos e depois polimeriza-o no biopolímero polilactídeo (PLA).

A empresa comercializa a linha PLA sob a marca Ingeo, utilizando o material para fabricar cápsulas de café, saquinhos de chá, talheres ou filamentos compostáveis para impressão 3D. O biomaterial de base vegetal supostamente tem uma pegada de carbono 70% menor do que os plásticos de base petroquímica. Toda a linha de biopolímeros Ingeo é fabricada em uma unidade de produção com capacidade de 150 mil toneladas por ano em Blair, Nebraska. Um novo complexo de produção totalmente integrado, capaz de fabricar 75.000 toneladas por ano, está sendo construído na Tailândia e tem inauguração prevista para o segundo semestre de 2024.

O papel está atualmente a desfrutar de uma popularidade significativa e a tomar o lugar do plástico numa multiplicidade de soluções de embalagem. Geralmente é feito de madeira, um recurso de crescimento lento. Mas esta é outra área em que materiais valiosos podem ser poupados – por exemplo, através da utilização de fibras de relva. A grama é uma alternativa de rápido crescimento com uma avaliação positiva do ciclo de vida. A fabricação de papel de grama utiliza significativamente menos água, menos energia, não requer produtos químicos e libera quase cinco vezes menos CO₂ do que a produção de papel convencional.

Uma vez que está disponível localmente em quase qualquer lugar e em qualquer lugar, não há necessidade de transporte de longa distância – o que também é bom para a pegada de carbono do material. Atualmente, o papel de grama consiste em até 50% de fibras de grama, sendo o restante proveniente de papel reciclado. Ainda não existe papel feito exclusivamente de fibras de grama.

O material sustentável já está sendo utilizado em uma ampla variedade de aplicações de embalagens. O expositor da interpack, Körber MediPharm, também deseja usar papel de grama com seu cheiro agradável e textura especial, e a empresa iniciou projetos de testes e desenvolvimento junto com diversas empresas farmacêuticas conhecidas para embalagens secundárias seguras feitas de papelão de grama. Os resultados têm sido consistentemente positivos. O custo do novo material de embalagem é semelhante ao do papelão tradicional, e o material oferece o mesmo alto nível de proteção do produto.

- PUBLICIDADE - blank