Empresa classifica cebolas e armazenamento com sistema de rastreamento

A empresa de produtos Gourmet monitora suas cebolas e alhos à medida que são separados, armazenados e depois embalados, usando um sistema RFID implantado em empilhadeiras

Claire Swedberg

A empresa holandesa de alimentos Gourmet implantou uma solução de identificação por radiofrequência (RFID) para garantir a visibilidade de seus produtos vegetais, rastreando as caixas nas quais eles são secos em salas de armazenamento e, em seguida, acessados para atendimento de pedidos. A empresa está usando a solução de empilhadeira ATLAS, empregando a tecnologia UHF RFID passiva da Aucxis. A solução foi lançada em janeiro de 2023 nas instalações da empresa em Grootebroek (Noord Holland).

A Gourmet foi lançada pela família Broersen na Holanda para cultivar produtos à base de plantas de allium. A empresa faz o cultivo, seleção, embalagem e distribuição de cebolas, chalotas e alhos, que são posteriormente vendidos a empresas de sementes. Também fornece variedades de chalotas destinadas ao mercado consumidor.

Após a colheita, os produtos Gourmet’s são separados em categorias e armazenados em grandes silos de madeira onde são secos. A empresa embala as mercadorias de acordo com as necessidades dos varejistas e distribui esses produtos embalados a eles conforme necessário. Ele classifica os produtos colocando vegetais específicos em caixas de armazenamento de madeira com base em sua qualidade, tamanho e peso. As caixas são então transportadas por empilhadeiras até os armazéns, onde os produtos secam antes de serem vendidos. Posteriormente, são acessados e embalados para envio aos clientes.

Tradicionalmente, a empresa gerenciava a localização e o status dessas mercadorias escaneando os códigos de barras aplicados às etiquetas das caixas, de acordo com Lauran D’hanis, gerente de contas e consultor de negócios da Aucxis. “Um número de lote foi atribuído a cada caixa de armazenamento por meio de uma etiqueta de código de barras”, diz ele, “e as caixas foram rastreadas em diferentes localizações de depósito usando leitores de código de barras”. No entanto, a Gourmet procurou uma maneira de identificar e gerenciar melhor seus produtos.

“O registro manual foi o maior problema”, diz Jerry Posthumus, gerente de operações da Gourmet. “Se alguém esqueceu de digitalizar, houve um erro no sistema.” A digitalização manual de cada código de barras consumia muito tempo, explica Posthumus, e a empresa precisava de um sistema que permitisse realizar a mesma função automaticamente. Ele diz que a Gourmet investigou o RFID para obter “controle total e rastrear e rastrear o estoque e o manuseio do produto” e “eliminar o erro humano o máximo possível”. A empresa então abordou a empresa de tecnologia Aucxis.

blank
Empresa classifica cebolas e armazenamento com sistema de rastreamento

Como as caixas eram transportadas para diferentes locais dentro da instalação de armazenamento ou área de classificação por empilhadeira, a Aucxis optou por implantar um sistema móvel centrado nesses veículos. “Esta é uma solução muito flexível”, diz D’hanis, acrescentando que, para Gourmet, “era importante escanear as caixas quando elas são recolhidas por uma empilhadeira e deixadas”. Portões de leitor RFID padrão instalados em uma instalação podem detectar quando as caixas entraram ou saíram de uma zona, mas não podem identificar detalhes como o corredor em que foram empilhadas.

Portanto, a Aucxis trabalhou com a Gourmet para desenvolver um sistema que aproveitasse os leitores de empilhadeiras, que foi testado pela primeira vez em 2020. Com base nos resultados, relata D’hanis, a Gourmet começou a etiquetar suas caixas de armazenamento em 2021. A solução consiste em duas etiquetas RFID em cada caixa . As tags UHF robustas são aparafusadas no lugar, uma de cada lado da caixa, de forma que não haja probabilidade de serem soltas. Cada tag é codificada com um número de identificação exclusivo.

As etiquetas também são instaladas em cada fila de armazenamento dentro do armazém, cortadas em espaços no chão. Os leitores de RFID da Impinj são incorporados às empilhadeiras para ler as etiquetas enquanto os trabalhadores realizam suas tarefas de transferência de itens em caixas. Até o momento, a empresa afirma ter etiquetado aproximadamente 38.000 caixas. Até o momento, 22 empilhadeiras possuem um leitor RFID instalado, cada um com quatro antenas para garantir a leitura em 360 graus.

Cada vez que as caixas são movidas, os leitores capturam os números de identificação das tags e transmitem esses dados para um servidor, onde o middleware Hertz da Aucxis filtra e processa os dados e os transmite para o software de gerenciamento de depósito gourmet. As caixas são reutilizáveis. Normalmente, quando uma caixa é esvaziada, ela pode ser entregue na área de recebimento, onde pode ser enchida com um tipo de produto, tamanho e qualidade específicos, como cebolas grandes. Esses dados são então vinculados no software ao ID exclusivo da etiqueta da caixa.

Uma vez que a caixa é preenchida, uma empilhadeira a entrega na área de armazenamento designada. Quando o veículo pega a caixa, o leitor captura a identificação da etiqueta. À medida que transporta a caixa pelos corredores do armazém, as etiquetas do piso são lidas e seus dados são transmitidos de volta ao software de gerenciamento via Wi-Fi, ligando essa empilhadeira a cada local específico. Depois que a caixa é colocada no depósito, o veículo sai da área. O software detecta que a etiqueta da caixa não está mais sendo lida e, portanto, foi depositada. Sua localização é atualizada no software, com base na localização mais recente do identificador de piso.

Quando as mercadorias são necessárias para atender a um pedido do cliente, os motoristas de empilhadeira usam os dados do software para localizar a caixa de madeira apropriada, dirigir até esse local e recolhê-la. O veículo lê a identificação da etiqueta e o software confirma que o produto correto está sendo acessado. A caixa é então entregue na área de embalagem, onde a mercadoria é retirada para embalagem. Se a caixa estiver totalmente vazia de seu conteúdo, o driver usa o software para inserir um prompt indicando que a caixa está vazia e pode ser reutilizada para novos produtos.

Com os dados lidos da etiqueta RFID, o Gourmet não só tem uma atualização automática do status e localização de seu estoque, como também conhece o histórico de encaminhamentos de cada caixa, quando e com que frequência os produtos foram acessados e embalados para envio. “Esses dados confiáveis e informações sobre o ciclo interno dos produtos”, diz D’hanis, “levam à otimização do processo e melhoria da qualidade”, garantindo que o produto certo seja enviado para atender a cada pedido e que as mercadorias sejam usadas enquanto estão fresco. No futuro, indica a empresa, o sistema RFID poderá ser expandido para incluir também mercadorias embaladas.

- PUBLICIDADE - blank