Under Armour decreta RFID como necessária

Durante sessão com outros dois varejistas no Big Show 2020 da NRF, a empresa de roupas esportivas enfatizou que a identificação por radiofrequência é fundamental

Mark Roberti

A identificação por radiofrequência (RFID) é uma tecnologia essencial para o avanço da Under Armour. Essa foi a mensagem de Kathleen Joyce, líder para controle global de estoque da companhia, durante um painel de discussão patrocinado pela Nedap Retail, no Big Show da Federação Nacional do Varejo dos Estados Unidos (NRF).

“Realmente não vemos isso como um prazer em ter”, afirmou Joyce durante o painel. “É realmente uma necessidade levar a RFID ao próximo nível. Sabemos que está chegando e estamos a bordo. Queremos garantir que façamos da maneira certa. Nossos parceiros globais estão entusiasmados com isso. Todo mundo vê o valor. É apenas uma questão de estabelecer as bases certas”.

Joyce disse que os executivos da cadeia de suprimentos da empresa lideraram o esforço de RFID. A Under Armour começou a etiquetar todas as roupas para a temporada de outono-inverno, observou ela, e a função de varejo da empresa assumiu o controle e está liderando o projeto.

De acordo com Joyce, esse gerenciamento de mudanças é fundamental para o sucesso de uma implantação de RFID. “A RFID não é um projeto. É um pilar para as operações avançarem. Sua liderança de cima para baixo – seus gerentes de distrito, gerentes de loja, vice-presidente de operações – precisa detalhar isso para que os gerentes de loja compartilhem esse ponto de vista com os funcionários da loja, dia após dia”.

A Under Armour está focada nos aplicativos de RFID no varejo, explicou Joyce, a fim de melhorar a precisão e a visibilidade do estoque. “Estamos garantindo que estamos configurando nossos sistemas e pessoas para o sucesso”, afirmou. “É uma discussão de transformação operacional em nossa organização. Quando você pensa em todos os dados que o RIFD entrega, podemos ver se há algo no chão ou na parte de trás da casa. Podemos ver quanto tempo os itens ficam nos fundos da casa. Muitas ideias estão surgindo da madeira. Estamos analisando o que podemos fazer com esse novo nível de visibilidade. Como facilitamos o trabalho dos funcionários da loja – e como melhoramos a experiência do cliente?”

Também estava no painel Nate Petersen, vice-presidente de cadeia de suprimentos da Outdoor Voices, varejista de roupas que opera 11 lojas. “Somos uma marca menor”, disse ele aos participantes. “Estamos usando RFID como uma vantagem competitiva. Estamos focados na aquisição e retenção de clientes”.

Petersen disse que a empresa implantou a solução em todas as suas lojas no ano passado. “Estávamos lutando para ter alto grau de precisão de inventário”, explicou. “Nós a abordamos como uma solução para aumentar a confiança em nossas contagens de estoque. Sabíamos que não estávamos fazendo o melhor que podíamos, e sabíamos que essa era a solução”.

Sophie Ecobichon, vice-presidente de finanças da varejista francesa Celio, disse que sua empresa adotou originalmente RFID em 2018 para melhorar precisão do inventário, e que a tecnologia proporcionou uma “grande melhoria”. A empresa agora quer usar os dados de inventário de RFID para melhorar o “clique e coleta” (também conhecido como “compre online, colete na loja” ou BOPIS). “A dificuldade”, explicou Ecobichon, “é que não temos inventário em tempo real em nosso site. Nosso objetivo é disponibilizá-lo em qualquer lugar da empresa e disponível no site. Será mais fácil para a equipe atender aos pedidos”.

O moderador da sessão foi Jeroen Struycken, vice-presidente de desenvolvimento de negócios da Nedap Retail. Struycken pediu aos membros do painel que dessem conselhos aos varejistas na plateia, e Ecobichon respondeu: “Você não precisa perder tempo com ROI [retorno sobre o investimento]. Deve ser uma convicção”. Peterson acrescentou: “Seja grande, vá cedo e vá rápido – esse é o nosso lema”.

- PUBLICIDADE -

LEAVE A REPLY

Please enter your comment!
Please enter your name here