Tecnologia traz eficiência para laboratórios farmacêuticos

Os laboratórios de teste e pesquisa estão rastreando produtos químicos e amostras, etiquetando recipientes e capturando dados sobre uso e armazenamento de cada item

Claire Swedberg

A empresa de ciências biológicas MilliporeSigma lançou uma solução para laboratórios de pesquisa e teste, com o objetivo de melhorar a eficiência e segurança do laboratório e precisão na captura de dados. A etiqueta de dupla frequência funciona com NFC (Near Field Communication), mas também será transmitida em UHF no futuro.

A solução rastreia cada produto químico ou consumível individual usado em um laboratório, detecta quando foi aberto e fornece dados sobre as datas de vencimento pendentes. Também se destina a coletar e gerenciar automaticamente dados sobre como os produtos são usados, reduzindo assim a necessidade de inserção manual de informações por técnicos de laboratório ocupados.

O Lanexo (Sistema de Gerenciamento de Inventário, Segurança e Conformidade do Laboratório) foi desenvolvido pela MilliporeSigma com o apoio de vários clientes-chave do laboratório, diz Christian Kuechenthal, chefe de consumíveis inteligentes da empresa. A MilliporeSigma, um Centro de Ciências da Vida em Burlington, Massachusetts, fornece aos cientistas e engenheiros tecnologias e soluções de laboratório, explica Kuechenthal. O grupo fornece tecnologia para ajudar os laboratórios a levar produtos farmacêuticos aos clientes mais rapidamente.

Os laboratórios de teste e pesquisa empregam um grande número de produtos químicos e consumíveis no processo de desenvolvimento e teste de novos medicamentos. Alguns desses compostos são altamente sensíveis e podem ter um prazo de validade curto, afetado pela abertura de um recipiente ou embalagem, enquanto alguns produtos químicos devem ser armazenados separadamente de outros por motivos de segurança.

Tradicionalmente, os técnicos de laboratório rastreiam esses itens manualmente, lendo as etiquetas impressas e registrando dados em listas e planilhas indicando onde os itens estão sendo armazenados e quando são usados. Durante o trabalho de teste ou desenvolvimento, os médicos também devem registrar manualmente o que foi usado durante um experimento. De acordo com Kuechenthal, aproximadamente 85% dos laboratórios pesquisados ​​pela empresa indicaram que usavam caneta e papel e dados manuais para rastrear seus produtos e atividades em laboratório.

Esse é um grande desafio para grandes laboratórios, que podem ter centenas ou milhares de produtos químicos diferentes no local a qualquer momento, cada um dos quais precisa ser gerenciado de perto. Essas informações são críticas para garantir que o laboratório atenda às diretrizes rigorosas dos órgãos governamentais, diz Kuechenthal, e para garantir a qualidade do medicamento que será usado pelos pacientes. Portanto, a MilliporeSigma buscou um método melhor para os laboratórios gerenciarem seus produtos químicos e outros compostos.

A empresa tem como objetivo resolver problemas de tecnologia em laboratórios. “Trabalhamos em estreita colaboração com nossas contas estratégicas”, diz Kuechenthal, para identificar os tipos de soluções que ajudariam os laboratórios a gerenciar o inventário. “Dissemos aos nossos clientes ‘Vamos pensar no fluxo de trabalho de um consumível ou produto químico em laboratório'”, acrescenta, a fim de rastrear os movimentos desses itens de alto valor, além de criar registros históricos sobre como eles são usados, “onde você tem pontos de contato que não são suficientemente eficientes”.

Muitos laboratórios usam um sistema de software conhecido como LIMS (Laboratory Information Management System). Em alguns casos, em vez de inserir dados manualmente, eles utilizam códigos de barras em produtos para poder digitalizá-los para acessar informações sobre esses itens. A falta de códigos de barras, no entanto, é a necessidade de uma linha de visão limpa, segundo Kuechenthal.

O ambiente pode incluir produtos químicos derramados, gelo ou outros materiais que possam impedir a digitalização correta de uma etiqueta de código de barras. Os compostos também podem ser armazenados em frascos que geralmente têm o tamanho de meio dedo mindinho, o que significa que grandes quantidades de dados não podem ser impressas neles, como datas de vencimento e números de lote. Às vezes, notas específicas também são anexadas aos produtos, mas elas podem ser descartadas durante o armazenamento ou uso. A MilliporeSigma diz que sua solução RFID se destina a enfrentar esses desafios.

A empresa desenvolveu uma etiqueta NFC passiva de 13,56 MHz, compatível com os padrões ISO 14443 e UHF 18000, que também pode ser lida através de um telefone celular ou tablet habilitado para NFC. A etiqueta também pode detectar se o recipiente ao qual está conectado foi aberto. Cada etiqueta está presa à tampa de um frasco e o selo deve ser quebrado para abrir a amostra. O ID exclusivo codificado na tag transmite quando interrogado, com um indicador de status mostrando que foi aberto.

- PUBLICIDADE -

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui