RAIN Alliance aponta crescimento da RFID apesar da pandemia

As vendas de circuitos integrados atingiram 21 bilhões em 2020, enquanto os produtos UHF RFID devem dobrar o volume de vendas de 2019 em 2024

Claire Swedberg

As vendas de tags RAIN RFID e tecnologias de leitoras cresceram em 2020, de acordo com uma pesquisa global conduzida pela RAIN Alliance, com circuitos integrados (ICs) atingindo 21 bilhões de unidades vendidas em todo o mundo, ante cerca de 18 bilhões no ano anterior. Enquanto isso, um estudo divulgado em dezembro de 2020, realizado com a VDC Research, previu que o mercado para todos os produtos UHF RFID crescerá de US$ 2,2 bilhões em 2019 para US$ 5,1 bilhões em 2024, de acordo com Steve Halliday, presidente da RAIN Alliance.

A Alliance é uma organização sem fins lucrativos dedicada a promover a tecnologia RFID em todo o mundo (RAIN é uma marca registrada de RFID UHF passivo). Seu projeto, conhecido como RAIN RFID Market Research Report, identifica o crescimento no mercado de UHF RFID. O relatório se concentrou apenas na tecnologia UHF RFID, que é marcada como uma tecnologia RAIN. De acordo com o relatório, que estudou as vendas de ICs de tag, inlays, tags, ICs de leitura, módulos, leitores e codificadores de impressora, os produtos RFID representaram US$ 2,2 bilhões em 2019 e devem ultrapassar US$ 5,1 bilhões em 2024.

O volume de tags deve crescer a uma taxa composta de crescimento anual de 26%, indica o relatório, de 17,7 bilhões em 2019 para uma projeção conservadora de 56,1 bilhões em 2024. Em 2020, o estudo descobriu que as remessas de leitores somavam mais de 262.000 unidades.

A RAIN Alliance tem rastreado as vendas de IC de tag RFID anualmente nos últimos cinco anos, explica Halliday, mas este ano marcou a primeira vez em seu relatório patrocinado, que cobre todas as vendas de tecnologia RFID UHF, incluindo leitores e impressoras. A VDC conduziu a pesquisa por meio de entrevistas com membros da Aliança entre a primavera e o outono de 2020. Halliday diz que o crescimento constante em ICs medido anualmente fornece parte do panorama das tendências da tecnologia RFID. No entanto, ele observa, a coleta de dados sobre todo o hardware ofereceria uma imagem mais detalhada.

Portanto, a organização começou a trabalhar com o VDC para conduzir as pesquisas necessárias. Foi dividido em cenários de melhor e pior caso, em parte devido à incerteza econômica apresentada pela pandemia COVID-19. O estudo descobriu que as vendas de produtos RFID durante o ano passado chegaram perto dos melhores cenários que os parceiros previram para 2020. Além de entrevistas, a pesquisa incluiu uma análise detalhada de modelos de mercado, categorizados por tipo de produto, incluindo tags acabados ou transponders, leitores fixos, leitores portáteis e codificadores de impressora.

Steve Halliday

O estudo também examinou o uso de RFID em vários setores e aplicações, diz Halliday, juntamente com as tendências por setor, aplicação e mercado regional. Quando se trata de vendas de etiquetas RFID, o volume de ICs ou chips que alimentam essas etiquetas vem crescendo continuamente. De aproximadamente cinco bilhões de CIs vendidos em 2015, os números de vendas para 2020 foram quatro vezes maiores, em mais de 20 bilhões. No futuro, indica o estudo, o crescimento deve acelerar, com o cenário mais favorável prevendo vendas de 30 bilhões de CIs este ano e 83,7 bilhões em 2024, e com 58 bilhões de CIs a previsão mais conservadora.

“Uma das coisas que vimos”, afirma Halliday, “é que algumas empresas estão relatando que 2020 foi um ótimo ano para elas”, apesar da recessão econômica. Isso, em parte, se deve ao crescimento do rastreamento de estoque por RFID no setor de varejo, bem como a uma variedade de novas aplicações que estão diversificando o uso da tecnologia RFID. Por exemplo, o volume anual potencial de itens marcados em alimentos foi de dois trilhões no ano passado, apenas 0,03% dos quais foram marcados até agora. Outras áreas potenciais de crescimento incluem o setor de vestuário e calçados, com 80 bilhões de itens, 16% dos quais já estão etiquetados. As peças automotivas, com 603 bilhões, são marcadas com apenas 0,02%, enquanto o rastreamento de pacotes exigiu 90 bilhões de etiquetas e, até agora, apenas 0,02% foram etiquetadas.

Como o estudo estava ocorrendo durante uma das piores recessões dos Estados Unidos, lembra Halliday, havia algumas dúvidas sobre o desempenho da tecnologia RFID. “Eu não tinha certeza do que aconteceria por causa do ano passado”, diz ele. “Quando obtivemos a verificação do volume de etiquetas, que estávamos rastreando no melhor cenário possível, foi uma verdadeira surpresa.” Os resultados indicam que as empresas estão implantando RFID apesar da pandemia e, em alguns casos, para gerenciar melhor suas operações durante o surto.

Por exemplo, os varejistas podem fornecer produtos aos consumidores com base em compras online com mais agilidade, sabendo onde estão seus produtos e rastreando seus movimentos por meio de leituras de etiqueta RFID. No entanto, algumas indústrias foram paralisadas em suas implantações de RFID no ano passado devido à pandemia, incluindo o setor de aviação civil. Embora o rastreamento de bagagem fosse considerado uma área de grande crescimento durante esse período, devido aos requisitos anunciados pela Associação Internacional de Transporte Aéreo, esses esforços na verdade foram interrompidos à medida que as viagens aéreas diminuíam.

Essas perdas foram compensadas não apenas pelo varejo, mas pela diversificação da tecnologia em outros setores. As indústrias de saúde e farmacêutica, por exemplo, têm vários pilotos ou implantações em andamento, diz David Krebs, analista da VDC Research. “As pessoas estão procurando maneiras de rastrear produtos farmacêuticos”, explica ele, incluindo não apenas as vacinas COVID-19, mas outras vacinas e medicamentos.

“Podemos ver as tendências e todas são muito positivas”, acrescenta Halliday. “É um bom setor para se estar agora. Estamos em um estágio de crescimento muito forte.” RFID é amplamente utilizado, relata ele, enquanto outras tecnologias competem por localização e coleta automatizada de identidade. “A tecnologia é muito confiável agora”.

“Um dos temas subjacentes que certamente vimos em nossa pesquisa foram os benefícios que o RFID oferece quando feito da maneira certa”, disse Krebs, acrescentando que o COVID-19 teve um grande impacto no varejo. RFID, ele explica, serviu como uma ferramenta para atender às necessidades de mudança dos consumidores. “A RFID estava intimamente ligada à capacidade dos varejistas de se articularem rapidamente” com o comércio eletrônico e outras tendências de varejo. Além do mais, a pesquisa encontrou uma proliferação de aplicativos e casos de uso no ano passado para RFID UHF passivo.

Por exemplo, o uso de RFID para logística e manuseio de pacotes cresceu. Também há testes em andamento para rastrear fast food em caixas ou bandejas para gerenciar o frescor dos alimentos entregues aos restaurantes. Embora as aplicações RFID já existam há anos, diz Krebs, algumas implantações foram frustradas pelo custo relativamente alto da tecnologia e pela limitação técnica. As tecnologias atuais oferecem maior desempenho a um custo menor, acrescenta ele, o que ajudou a impulsionar a trajetória de adoção, pois tem um público mais educado que sabe onde o RFID está e onde não é o mais adequado. “Às vezes, é tão simples quanto dizer ‘Faz sentido para mim colocar uma etiqueta neste item?'”

Além disso, o estudo mostra que a RFID está ajudando a impulsionar a automação na fabricação e logística, na qual a presença da tecnologia pode reduzir a necessidade de um grande número de funcionários de depósito em um momento em que o distanciamento social é uma exigência. Krebs também disse que viu mudanças no uso da infraestrutura do leitor. Embora as lojas tenham se equipado com dispositivos portáteis, relata: “Estamos vendo uma mudança em direção ao investimento em leitores fixos que permite às organizações obter mais flexibilidade de seus sistemas”. Esses leitores incluem portais, modelos montados no teto e dispositivos embaixo da mesa para uso no ponto de venda, bem como leitores de túnel para centros de distribuição.

O objetivo da pesquisa era oferecer uma alternativa confiável ao grande número de artigos de pesquisa de mercado vendidos, que, segundo Halliday, podem não ser todos confiáveis. A Aliança, ele observa, foi motivada em parte pela necessidade de fornecer um estudo imparcial e bem pesquisado. “Foi bom ter uma verificação dos números [de crescimento] que pensávamos ser o caso”, afirma ele, e não foi necessariamente o que foi refletido em algumas pesquisas de mercado. “Algumas técnicas de pesquisa não são exatamente o que gostaríamos. Achamos que é bom que [a RAIN Alliance] avance e forneça números em que todos podemos acreditar”.

De acordo com Halliday, a organização pode atualizar os resultados no final deste ano ou no início de 2022. “Certamente, haverá outro importante em algum momento no futuro”, diz ele, e ele observará duas áreas de crescimento de RFID em andamento frente. Um são os ambientes de varejo de alimentos (principalmente fast food), nos quais já existem vários pilotos para gerenciar dados sobre produtos alimentícios frescos. A segunda área de crescimento é a saúde, para fins de rastreamento de produtos farmacêuticos e de consumo.

O relatório está disponível no site da RAIN Alliance a um custo de US$ 2.750 para membros, mais uma versão de uso único de US$ 5.500 para não membros. A Aliança compreende 160 membros de todo o mundo, com membros divididos de forma relativamente igualitária entre Ásia, Europa e Américas.

- PUBLICIDADE -

LEAVE A REPLY

Please enter your comment!
Please enter your name here