Flores e plantas são rastreadas em carrinhos

A Container Centralen está compartilhando seu sistema com os clientes por uma loja online onde podem comprar leitores Lyngsoe e um aplicativo para identificar carrinhos

Claire Swedberg

A Container Centralen (CC), uma empresa europeia de logística de horticultura, possui uma frota de mais de 3,5 milhões de carrinhos de metal reutilizáveis que transportam flores e plantas dos locais de colheita aos varejistas em todo o continente. A empresa tem aproximadamente 20.000 clientes – que, por sua vez, têm cerca de 80.000 clientes próprios – e agora está oferecendo uma solução para qualquer pessoa que use seus carrinhos. O sistema tem como objetivo comprovar a autenticidade dos carrinhos e contá-los via RFID.

A solução inclui o aplicativo CC4Scanner da Container Centralen e leitores portáteis baseados em Android. Os dispositivos interrogam etiquetas RFID anexadas à base de cada carrinho e fornecem confirmação visual de que as etiquetas e carrinhos não são falsificados. A tecnologia foi fornecida pela Lyngsoe Systems e inclui leitores da Nordic ID e Newland.

A CC tem empregado a tecnologia RFID UHF por mais de uma década para rastrear os carrinhos – que ela chama de contêineres – enquanto eles viajam para os locais dos clientes da empresa, incluindo produtores, atacadistas, leiloeiras e varejistas. A empresa fornece os carrinhos como serviço logístico; as plantas são empilhadas nas prateleiras dos carrinhos, em seguida, os carrinhos passam pela cadeia de abastecimento, diretamente para as lojas, onde flores e plantas são expostas e vendidas. Os carrinhos vazios são desmontados e empilhados para serem enviados de volta para reutilização na cadeia de suprimentos ou para o depósito mais próximo da Container Centralen para manutenção ou reparo, antes de retornarem à cadeia de suprimentos.

Esses carrinhos de rolamento medem 120 centímetros por 45 centímetros (47,3 polegadas por 17,7 polegadas) de largura e chegam a 2 metros (6,6 pés) de altura. São modulares, incluem três componentes (base, postes de apoio e prateleiras) e são empilháveis ​​quando vazios para limitar o espaço durante o transporte. “Assim, transportamos menos ar”, explica Barto Cleton, diretor de vendas da Container Centralen. Ao ler as etiquetas anexadas a cada base de carrinho, usando um leitor portátil no depósito, a CC mantém a visibilidade do status de seu conjunto de ativos, enquanto garante que as taxas de serviço sejam aplicadas de forma adequada aos seus clientes, com base nos carrinhos enviados e recebidos de volta .

Tradicionalmente, a empresa usava os dados de leitura RFID coletados apenas internamente. Agora, no entanto, está oferecendo uma solução que visa tornar possível o rastreamento RFID para seus clientes, e também para eles. Dessa forma, CC diz que eles podem se beneficiar de contagens automatizadas de carrinhos, bem como detalhes de localização ou rastreamento, e compartilhar essas informações com a empresa de logística para aprimorar seu entendimento da cadeia de suprimentos e melhorar a eficiência do transporte.

Um desafio que o sistema RFID está enfrentando, de acordo com a Container Centralen, envolve a crescente incidência de carrinhos e etiquetas falsificados sendo aplicados, para serem passados ​​como produtos CC. As empresas estavam aplicando etiquetas fraudulentas que pareciam etiquetas RFID da CC, mas não continham chips RFID. Além disso, diz Anja van der Broek, gerente de projetos europeus da Container Centralen, a CC substitui as etiquetas a cada cinco a oito anos para garantir que apenas etiquetas autênticas sejam usadas por clientes pagantes, enquanto o desenvolvimento resultou no que ela chama de “uma etiqueta de melhor desempenho”.

Com isso, a empresa lançou uma nova marca, a CC Tag 5, que desenvolveu em parceria com a Omni-ID. A etiqueta apresenta recursos de autenticação e comprovação de violação, bem como desempenho aprimorado, diz Christian Meinhardt, diretor de vendas de varejo da Lyngsoe. A Container Centralenhas aplicou as tags RFID UHF nas bases de todos os seus 3,5 milhões de carrinhos de metal. Cada etiqueta é presa em um gancho à base de um carrinho. O CC Tag 5 é à prova de violação, informa a empresa, portanto, se alguém tentar removê-lo de um carrinho, o CI quebrará e não funcionará mais.

Para sobreviver ao ambiente acidentado da horticultura, as etiquetas são feitas do mesmo plástico usado para cobrir os faróis dos veículos, relata Meinhardt. As tags podem ser autenticadas sem a necessidade de conexão com a Internet; com os novos tags e leitor, uma empresa poderia estabelecer uma conexão uma vez por dia para baixar a memória de um dispositivo e, assim, gerenciar os dados de inventário em um servidor, enquanto a authemicação já ocorria. Ao garantir a autenticidade de cada carrinho, a empresa diz que pode ter certeza de que pode creditar com precisão os clientes pela devolução de todos os carrinhos que eles estiveram usando. “As tags nos ajudam a garantir que as taxas de associação correspondam à quantidade de contêineres no sistema”, afirma Cleton.

Para verificar a autenticidade dos contêineres, as empresas devem acessar a loja online da Container Centralen e comprar um ou mais leitores portáteis adequados para seus propósitos. Então, depois de baixar o aplicativo no leitor, eles podem manter o dispositivo dentro do alcance dos carrinhos etiquetados que estão sendo identificados, e os tags responderão com seu próprio número de ID original, junto com um ID de marca retroespalhado. Se uma tag foi adulterada, ela não responderá, diz Meinhardt, e se não for autêntica, os dados lidos perderão o autenticador da marca. Porém, se a identificação da tag for lida e autenticada, um logotipo CC aparecerá na tela do handheld, indicando que a tag é autêntica, caso em que o carrinho será identificado e autenticado.

Nem todas as partes irão adotar a tecnologia, observa CC, mas aqueles que o fizerem poderão capturar dados para seus próprios fins, economizando trabalho com base na contagem manual, enquanto reduz o risco de perder carrinhos. Se os clientes optarem por compartilhar seus próprios dados de leitura de etiquetas RFID, diz Cleton, a Container Centralen pode usar as informações coletadas para analisar melhor o fluxo de carrinhos em toda a Europa. “Estimamos que os carrinhos giram na cadeia de abastecimento cerca de sete vezes por ano”, afirma.

A cada rotação, os carrinhos normalmente passam pela posse de cinco partes distintas, incluindo um agricultor, uma empresa de transporte, uma casa de leilões, um atacadista e um varejista. “O contêiner passa de uma parte para outra”, diz Cleton, “e nem todas as partes fazem a varredura”, embora todos os carrinhos sejam examinados quando chegam ao depósito.

No futuro, a Container Centralen planeja usar as novas etiquetas e leitores internamente, não apenas para confirmar se os carrinhos são recebidos e enviados nos depósitos, mas também para rastrear aqueles que são danificados durante o processo de reparo. No futuro, os remetentes podem vincular códigos de barras em vasos de plantas ou notas de entrega impressas aos carrinhos nos quais são empilhados, permitindo que os remetentes rastreiem os produtos eles próprios. Nesse ínterim, diz van der Broek, a Container Centralen lançou aplicativos internos e voltados para o cliente para facilitar o processo de coleta de dados sobre os carrinhos.

O aplicativo do cliente pode fornecer capacidade de digitalização fácil para os clientes do CC, diz Cleton, e os dados podem então ser compartilhados com os CC ou com o banco de dados de um cliente para ajudar a organizar os fluxos logísticos gerais. Apenas dados não confidenciais são compartilhados, como logística ou informações de rastreamento e rastreamento sobre os carrinhos. Com o novo sistema, ele relata, “Podemos prestar um melhor atendimento ao cliente. Sabemos onde os contêineres são esvaziados”, podendo assim coletá-los e redirecioná-los localmente, o que reduz o transporte de carrinhos vazios. “O objetivo é reduzir os quilômetros vazios”.

Para os clientes da CC, os dados automatizados devem ajudar a garantir que eles tenham carrinhos disponíveis no local quando necessário. Isso os livrará do trabalho desnecessário, explica van der Broek, bem como da distração de rastrear os carrinhos. “Essas empresas estão se concentrando no transporte de flores”, diz ele, “não no gerenciamento de contêineres”. Além disso, os dados fornecem análises ao CC para que ele possa determinar os movimentos dos carrinhos ao longo do tempo e, assim, atender melhor os clientes em temporadas futuras, com base na atividade anterior.

Os novos scanners foram introduzidos em março de 2021. “Temos muitos clientes testando-os”, diz van der Broek, acrescentando: “Tivemos muitas reações positivas.” A CC utiliza uma versão interna do aplicativo em seus próprios depósitos para capturar dados sobre os carrinhos recebidos, que podem ser vinculados à devolução dos carrinhos específicos do cliente, automatizando assim o processo de crédito.

De acordo com a Container Centralen, a demanda por carrinhos reutilizáveis ​​está aumentando, pois eles se mostram mais sustentáveis ​​do que embalagens descartáveis. O uso e a autenticação da captura de dados dos carrinhos, diz Meinhardt, faz parte de uma tendência mundial em direção à logística baseada em serviços. “Chamamos isso de ‘produto como serviço’”, afirma Cleton. No futuro, a CC espera que mais clientes e usuários implantem portais de leitores fixos à medida que as leituras de tags RFID se tornam mais confiáveis ​​no metal.

- PUBLICIDADE -

LEAVE A REPLY

Please enter your comment!
Please enter your name here