Cadeias de suprimentos ganham visibilidade compartilhada

Prova de conceito da Auburn University mostra como dados podem ser compartilhados e armazenados em um livro imutável, usando RFID e blockchain

Claire Swedberg

O laboratório de identificação por radiofrequência (RFID) da Universidade de Auburn concluiu uma POC (prova de conceito) que diz provar que blockchain pode trazer visibilidade dos dados baseados em RFID em toda a cadeia de suprimentos. A iniciativa Chain Integration Project (CHIP) ocorreu durante o ano passado, rastreando mercadorias por cinco empresas participantes: três marcas e dois varejistas. O resultado foi que a rede blockchain permitiu que essas empresas compartilhassem automaticamente dados sobre o fluxo de mercadorias através da cadeia de suprimentos compartilhada.

Com base nesses resultados, diz Justin Patton, diretor do Laboratório de RFID, o uso de blockchain com a tecnologia RFID pode acabar com as reclamações relacionadas à falta de mercadorias na cadeia de suprimentos, melhorando a eficiência da cadeia de suprimentos. Também poderia criar um histórico acessível de cada item com etiqueta RFID do fabricante para a loja. O laboratório lançou um white paper descrevendo os resultados.

Justin Patton

Os participantes da prova de conceito foram as marcas Nike, PVH Corp. e Herman Kay, além de varejistas como Kohls e Macy’s. As empresas coletaram e compartilharam fluxos de dados no nível de item das leituras de etiquetas RFID ao longo de 2019. Usaram suporte de software e hardware da Avery Dennison, IBM, Mojix e SML.

A organização de padrões GS1 e a empresa de consultoria de gestão Collaboration LLC ajudaram a gerenciar o projeto. A CHIP POC consistia em três canais de blockchain entre o ponto de origem e a loja. A POC do RFID Lab segue o Project Zipper, seu piloto de 12 meses criado para testar o valor que a RFID agrega à cadeia de suprimentos de varejo. O Project Zipper considera que a precisão do pedido aumenta para quase 100% com a RFID. Isso torna a CHIP POC a segunda em um processo de três etapas que Patton chama de “rastejar, andar, correr”, no qual o gerenciamento de RFID das cadeias de suprimentos poderia melhorar a eficiência e eliminar o desperdício. A terceira etapa, a partir de agora, testará os dados da blockchain em ambientes da cadeia de suprimentos do mundo real.

Nos últimos 15 anos, o uso da tecnologia RFID aumentou no varejo, assim como seus benefícios relacionados. O rastreamento no nível do item está ocorrendo em muitas lojas para fornecer disponibilidade na loja e permitir vendas omnichannel. Onde a RFID teve menos tração, explica Patton, está no gerenciamento da cadeia de suprimentos, e isso se deve parcialmente ao desafio do gerenciamento de dados e do compartilhamento de dados entre os parceiros. Os fornecedores não estão pré-compartilhando dados para as etiquetas RFID, acrescenta ele, como uma indústria: “Estamos colocando as etiquetas nas fábricas e as digitalizamos no final da cadeia de suprimentos, na loja, mas nós não os utilizamos em muitos pontos de troca em toda a cadeia de suprimentos”.

Como resultado, diz Patton, embora as lojas possam conhecer a localização e o status de um produto, elas não conhecem seu histórico. Essa falta de visibilidade na cadeia de suprimentos apresenta problemas como bens perdidos, além de reclamações relacionadas a mercadorias encomendadas que desaparecem entre a fábrica e a loja. Da mesma forma, ele acrescenta, a precisão avançada das notificações de remessa geralmente é baixa e a tecnologia para troca de dados está desatualizada ou insuficiente para as cadeias e tecnologias atuais.

“Esse meio de troca de dados compartilhado é uma enorme necessidade”, afirma Patton. “Sentimos que o blockchain era um bom ajuste potencial” para resolver o problema. “Mojix e Microsoft sugeriram o teste do blockchain. O grupo realizou uma pesquisa para aprender as prioridades para as pessoas do setor de varejo, que descobriu visibilidade da cadeia de suprimentos, sustentabilidade, envolvimento do consumidor e autenticação do produto.

O grupo de trabalho lançou a iniciativa CHIP. Os membros organizaram a prova de conceito, com o emparelhamento da PHV Corp. e Kohl para fornecer uma única cadeia de suprimentos, e a Herman Kay e Macy’s fornecendo outra – ambas localizando mercadorias através dos canais tradicionais de atacado. A Nike forneceu o terceiro canal em toda a sua cadeia de suprimentos em circuito fechado, com as tags sendo rastreadas no ponto de fabricação por meio de seu próprio centro de distribuição. A PVH e a Kohl’s começaram a capturar dados de leitura de etiquetas RFID em dois CDs (um para cada empresa). O PVH forneceu dois pontos de leitura de saída em um único CD, enquanto a Kohl contribuiu com dados de entrada do seu próprio CD.

A Mojix contribuiu com a tecnologia para capturar e gerenciar os fluxos de dados. A Herman Kay forneceu dados de um ponto de leitura de RFID de saída em seu CD, enquanto a Macy’s forneceu dados de recebimento de entrada de um único CD para produtos destinados a seis lojas. A Herman Kay empregou a solução da SML para capturar e gerenciar dados de RFID, e a Macy fez parceria com Avery Dennison no centro de distribuição e Tyco na loja. A Nike capturou dados RFID no ponto de codificação de etiquetas RFID na fábrica, depois novamente em um centro de distribuição e aproveitou sua própria equipe de tecnologia para gerenciar os dados RFID.

Para padronizar os dados capturados dos leitores nos três canais, os participantes da CHIP POC usaram o EPCIS (Electronic Product Cole Information Services), que fornece o formato para os dados de todos os participantes da blockchain. As empresas empregaram a estrutura de blockchain Hyperledge Fabric da cadeia de blocos em que os dados compatíveis com EPCIS foram carregados.

Kohl, Herman Kay e Nike enviaram seus dados RFID para um aplicativo da Web conhecido como Translator Tool, desenvolvido pela equipe CHIP, que identificou os principais dados e os transformou em dados compatíveis com EPCIS. A PVH Corp e a Macy’s geraram seus próprios dados compatíveis com EPCIS usando suas próprias equipes ou fornecedores de soluções, a fim de permitir esse processo, depois encaminharam as informações diretamente para o blockchain.

A equipe CHIP utilizou três camadas na pilha da tecnologia blockchain. A primeira interface principal e ponto de ingestão foi o aplicativo CHIP Translator Tool. O segundo foi o Blockchain Client, também desenvolvido pela CHIP, que conectou o aplicativo Web à terceira camada, a Blockchain Platform. Cada canal tem sua própria cadeia lateral independente dentro da plataforma, exclusiva para os participantes desse canal.

Para usar o sistema, uma empresa pode fazer uma consulta, como um pedido de mercadorias. Isso seria capturado pelo Serviço de pedidos da plataforma Blockchain, que organiza os pedidos e os distribui nos canais apropriados, onde eles podem ser visualizados pelos membros desse canal. Enquanto isso, cada evento de leitura gerava dados que eram então encaminhados para a plataforma, também por meio do Serviço de pedidos. Assim, cada vez que um produto marcado sai do centro de distribuição da marca, esses dados são compartilhados com o varejista. Quando o CD do varejista recebeu as informações, elas foram compartilhadas novamente com a marca e também puderam ser compartilhadas no canal com as lojas do varejista.

Depois que todos os participantes emparelharam seus fluxos de dados em uma única solução blockchain, a equipe CHIP ativou o processo de blockchain e os dados começaram a fluir pela rede. Alguns participantes já haviam implantado totalmente a tecnologia RFID em suas instalações, enquanto outros haviam estabelecido novos sistemas para o POC. Por esse motivo, afirma Patton, os dados de leitura não foram feitos para analisar a precisão das cadeias de suprimentos, mas os dados que poderiam ser capturados. O POC também teve como objetivo rastrear o ciclo de vida de itens individuais para que os usuários pudessem visualizar o histórico de um item simplesmente lendo sua tag RFID e acessando seu histórico na rede blockchain.

O primeiro produto a passar por toda a cadeia de suprimentos foi um casaco – uma jaqueta Michael Kors da Herman Kay. Foi um grande momento, diz Patton, que ele se compara à primeira leitura de um código de barras em 1974 em um pacote de chiclete de Wrigley. A data e o local de partida da parka no centro de distribuição da Herman Kay, sua chegada ao armazém da Macy’s e sua chegada à loja eram todos visíveis no blockchain e também estavam disponíveis para os parceiros de canal. “A primeira vez que vimos a transferência de dados automatizada foi incrível”, afirma. “Isso provou que os dados estavam ganhando vida própria”.

De acordo com Patton, os resultados do POC, que o laboratório descreve em seu white paper, demonstram que a rede blockchain forneceu troca automatizada de dados para itens marcados com RFID em toda a cadeia de suprimentos. O próximo passo para o laboratório RFID é conduzir pilotos com os participantes existentes, além de outros membros da marca e do varejista da equipe CHIP. No caso de um piloto, ele diz, os dados serão comparados com os canais da cadeia de suprimentos que não usam blockchain para visualizar o impacto que um sistema pode realmente ter em reivindicações ou outro valor comercial que ele possa fornecer.

“Um meio de troca de dados compartilhado é uma enorme necessidade”, diz Patton. A partir daqui, ele acrescenta, as empresas precisam considerar como garantir que os dados corretos sejam inseridos no blockchain em primeiro lugar. Como haverá exponencialmente mais dados, observa Patton, as empresas devem examinar os dados em suas origens. “A primeira coisa que aprendemos é que isso enfatiza nossa capacidade de codificar adequadamente cada item. Somos realmente bons em capturar dados na loja”. Onde o desenvolvimento ainda é necessário é na captura de dados nos armazéns, diz Patton. “Não somos tão bons nisso, porque muitos não o fazem”.

“O ponto principal do POC é, ele funciona”, diz Patton. Ele vê em breve um cenário em que “Estaremos vivendo no futuro com itens serializados na cadeia de suprimentos e ninguém no meio que possua todos os dados”. Mas bons dados, ele observa, são apenas o começo. “É preciso um pouco de trabalho para chegar lá, mas esse futuro todo mundo está imaginando e se perguntando como chegar lá – estamos aqui. É viável e esse é o caminho para chegar lá”.

O próximo objetivo do laboratório é ter dados do piloto, que está começando agora, até o final deste ano. Nem todos os participantes foram identificados e nomeados, relata Patton. “Há um grande interesse de pessoas novas” que gostariam de participar, diz.

- PUBLICIDADE -

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui