Varejistas preveem desafios para contar estoques pós-pandemia

Pesquisa do SML Group constata que a maior preocupação está na visibilidade do estoque ocioso, o que pode ser solucionado com uma solução de RFID

Claire Swedberg

Em circunstâncias normais, uma cadeia de suprimentos do mercado de vestuário e calçados da Europa e da América do Norte transporta aproximadamente três bilhões de itens entre fornecedores e lojas a cada mês. Essa é a estimativa da empresa de tecnologia de cadeia de suprimentos de identificação por radiofrequência (RFID) SML Group, que concluiu uma pesquisa com 20 varejistas e marcas sobre seus planos de reabertura, à medida que as quarentenas de pandemia aumentam na Ásia, Europa e América do Norte. A pesquisa da SML indica que trazer visibilidade de volta à cadeia de suprimentos é a principal prioridade das empresas.

Quando a Covid-19 atingiu a China e depois a Europa e a América do Norte, esse “duto” de três bilhões de itens esvaziou-se, de acordo com Dean Frew, CTO da SML e vice-presidente sênior de soluções de RFID. Devido à natureza apressada pela qual a quarentena começou, os bens coletados em lojas e armazéns simplesmente acabaram e precisam ser reordenados. Portanto, ao retornar aos negócios após dois meses de quarentena, muitos varejistas enfrentam uma tarefa sem precedentes de classificar, redirecionar ou marcar o estoque que havia sido destinado à venda meses antes.

A SML entrevistou cerca de dez empresas da América do Norte e da Europa, algumas das quais são clientes de SML e outras, para entender o que a indústria do vestuário está mais preocupada enquanto se prepara para reabrir. A visibilidade do inventário não é a única preocupação, pois as lojas e as fábricas também precisam identificar maneiras de fornecer segurança ao cliente e ao trabalhador ao reabrir seus negócios.

No entanto, entender o estoque nas frentes das lojas e as caixas abertas ou fechadas nos depósitos ou centros de distribuição parece inacessível para a maioria das empresas, indicou a pesquisa. A SML descobriu que, independentemente de as lojas terem implantado ou não a tecnologia RFID, todas elas enfrentavam a tarefa de entender os níveis de estoque. De fato, diz Frew, pelo menos uma empresa informou que tinha centenas de contêineres carregados com mercadorias que ainda não havia aberto.

Além disso, o modelo de vendas está mudando à medida que os consumidores estão cada vez mais comprando em casa. Isso geralmente significa fazer pedidos on-line e pegar produtos nas lojas ou enviá-los diretamente para as residências. Sem visibilidade do inventário, essas compras podem ser difíceis de garantir. Portanto, agora, com as quarentenas aumentando por região, existe uma pressão para que varejistas e marcas analisem o inventário que possuem no local e decidam colocá-lo na loja para venda, marcá-lo ou enviá-lo de volta.

A SML classificou os respondentes da pesquisa em três categorias: aqueles que já usam RFID em suas lojas ou cadeia de suprimentos, aqueles que possuem etiquetas RFID em seus produtos, mas não usam a tecnologia, e uma terceira categoria na qual as empresas não têm tecnologia RFID em uso. . O sistema necessário varia, diz Frew, e a SML está oferecendo soluções e conselhos para cada uma dessas três categorias.

A empresa de tecnologia experimentou a mesma desaceleração da produção que o mercado de vestuário enfrentou, diz Frew, porque suas próprias fábricas na China deixaram de fabricar suas etiquetas passivas de RFID UHF quando as fábricas de vestuário sofreram. A produção de etiquetas da SML foi reiniciada nas últimas semanas, ele relata, e a empresa começou a examinar os desafios futuros do mercado de vestuário. Com isso em mente, lançou a pesquisa para entender o que seus clientes existentes e potenciais estavam enfrentando. “Estávamos tentando entender algo sem precedentes”, afirma. “Isso me levou a conversar com esses varejistas”.

Os varejistas com a tecnologia RFID já operacional em suas lojas têm uma vantagem, argumenta Frew, já que já estão começando a realizar contagens de estoque. Como as mercadorias são etiquetadas, os funcionários podem transportar um leitor de RFID de mão em torno de uma loja, depósito ou armazém e capturar uma visualização em tempo real do que está disponível. As lojas podem configurar as remarcações apropriadas para mercadorias que podem estar fora de temporada, redirecionando produtos que não venderão e solicitando itens não disponíveis para venda. Com a RFID, observa, as lojas estarão prontas para oferecer vendas rapidamente através dos modelos “compre on-line, pegue na loja” (BOPIS) ou “envie da loja”.

Para a segunda categoria, na qual as tags estão no lugar, mas não estão sendo utilizadas, a SML oferece uma versão do software como serviço (SaaS) do seu software Clarity, juntamente com o aluguel de leitores de RFID de mão, para ajudar essas empresas a obter seu inventário contado e gerenciado. A SML está em parceria com a Zebra Technologies e a Microsoft para fornecer os leitores e o software de RFID de mão necessários.

A terceira categoria de empresas de varejo e manufatura – aquelas que ainda não implementaram a RFID – ainda pode se beneficiar do emprego da tecnologia agora, observa Frew. Para empresas que não possuem tags ou leitores no site, ele acrescenta: “Estamos dizendo: ‘Vá em frente e comece a etiquetar’.” O SML pode fornecer tecnologia no local para que um retentor possa aplicá-las ou produzi-las. em seus departamentos de serviços e entregá-los às fábricas. Os usuários podem tirar proveito da solução temporária da SML, diz, para alavancar mais rapidamente os produtos etiquetados em seu software de inventário.

Depois de concluir a pesquisa, lembra Frew, a equipe da SML ficou surpresa com a “profundidade do desafio” que os entrevistados disseram ter enfrentado. Por exemplo, os centros de distribuição relataram que 70% dos itens recebidos em seus locais, em contêineres fechados, ainda precisavam ser processados ​​e desviados do plano original. Uma empresa indicou que seu pátio de armazenamento continha centenas de contêineres lacrados que agora precisará processar.

O desafio também está sendo sentido nas lojas. Muitos dos varejistas pesquisados, segundo a SML, acreditam que a precisão de seu inventário é inferior a 50%. Isso, em parte, deve-se ao envio de mercadorias, mas nunca recebido na loja. Além disso, menos de 10% dos varejistas responderam que estavam preparados para fornecer efetivamente as vendas do BOPIS aos clientes.

No futuro, vários varejistas relataram que menos de cinco por cento de seus pedidos pré-quarentena são reflexos precisos da demanda atual do consumidor. “A demanda será menor ou diferente”, no futuro próximo, prevê Frew. Por exemplo, enquanto marcam os preços dos produtos que estavam aguardando no armazenamento, os varejistas ainda não estão claros qual será a demanda por novos produtos. Sem um sistema automatizado para rastrear os movimentos do estoque, a compreensão de tais tendências será limitada para muitas marcas e varejistas, prevê ele.

Além disso, menos de 10% dos entrevistados acham que possuem tecnologia em vigor que os ajudará na marcação dos preços dos estoques. A SML oferece uma solução de redução de preço com seu software Clarity nos últimos seis anos, diz Frew, que permite que os funcionários da loja leiam ou digitalizem uma etiqueta de produto e atualizem automaticamente as informações de preço para essa unidade de manutenção de estoque (SKU).

Segundo Frew, a SML planeja oferecer o máximo de flexibilidade possível em suas soluções para atender às necessidades daqueles com e sem soluções de RFID existentes. “O sentimento que tive com esse processo de entrevista”, afirma ele, “foi o quão trabalhosa a tarefa eles têm pela frente em contar fisicamente tudo e decidir ‘O que você espera?’ e ‘O que você envia de volta para o armazém?’ É uma tarefa assustadora, especialmente quando você adiciona esses problemas à segurança. “

Para aqueles que já usam RFID, prevê Frew, a transição para a abertura de negócios será muito mais rápida do que a contagem manual de seus estoques. “Estamos entusiasmados por eles”, afirma, “Seus investimentos foram sábios. Esperamos que também haja grandes histórias de sucesso para outras empresas”. Atualmente, o SML está em discussões com algumas dessas empresas. Enquanto isso, ele diz, a empresa viu o lançamento de sua solução RFID continuar durante a pandemia, com mais de 400 novas lojas entrando em operação desde o início de 2020.

- PUBLICIDADE -

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui