Tageos lança etiquetas de alta memória com foco industrial

Com maior memória e sensibilidade, as mais recentes etiquetas da empresa têm como objetivo oferecer uma solução de baixo custo para diversos mercados de alta demanda

Claire Swedberg

A empresa de etiquetas RFID Tageos lançou dois novos produtos voltados para as indústrias aeronáutica, automotiva e de logística, que dizem fornecer mais memória do que as etiquetas RFID EPC padrão, bem como maior sensibilidade e maior alcance de leitura do que outras etiquetas de alta memória. Tanto o EOS-400 U7xm quanto o EOS-500 U7xm aproveitam o chip UCODE 7xm da NXP Semiconductors para permitir que os usuários armazenem dados, como registros de fabricação e manutenção de um produto, e leiam essas informações a uma distância de até 12 metros.

Ambos os produtos RFID UHF passivos vêm com uma memória de usuário estendida de 2 kilobits para armazenar um número de Código de Produto Eletrônico (EPC), junto com dados adicionais. A EOS-400 U7xm foi projetada para rastreamento de ativos e aplicações de cadeia de suprimentos, relata a empresa, com uma antena compacta de 70 por 10 milímetros. A maior EOS-500 U7xm, que mede 94 milímetros por 24 milímetros, oferece maior sensibilidade para quando um maior alcance de leitura é necessário e pode ser aplicada a materiais como vidro e superfícies antiaderentes.

Tageos EOS-500 (esq) e EOS-400

Com antenas de alumínio, plástico transparente ou substratos de papel e adesivos acrílicos, ambas as etiquetas estão disponíveis em grandes volumes como inlays secos, úmidos ou de papel, de acordo com Jeremy Wade, diretor de desenvolvimento de negócios da Tageos para as Américas. Nos mercados industriais, ele explica, o lançamento deste produto significa novas etiquetas UHF de alta memória para usuários famintos por tecnologia RFID, para os quais a espera por alguns produtos pode ser longa

A empresa de etiquetas RFID, com sede na França, tem tradicionalmente projetado e fabricado etiquetas RFID de baixo preço e baseadas em papel, usadas no varejo para gerenciamento de estoque e cadeia de suprimentos. Desde 2020, no entanto, a empresa tem se expandido para outros materiais e mercados nos quais o crescimento do uso de RFID está em andamento. Como parte desse esforço, os dois novos produtos são os primeiros em uma família de etiquetas RFID destinadas a casos de uso além de lojas e cadeias de suprimentos, como manufatura, logística e saúde.

“Antes, nosso portfólio era voltado principalmente para o varejo”, afirma Chris Reese, chefe de gerenciamento de produtos da Tageos. “Com o lançamento desses dois produtos, estamos formando uma família com foco industrial”. Mais duas dessas marcas serão lançadas durante o segundo trimestre deste ano, observa ele. Nesse ínterim, diz Wade, a disponibilidade de etiquetas RFID de alta memória diminuiu. Muitos tags de alta memória disponíveis atualmente oferecem maior memória a um custo mais alto, explica ele, acrescentando que, embora os tags passivos existentes possam armazenar até 8 kilobytes de dados, muitas dessas opções oferecem desempenho inferior.

A empresa espera que suas novas etiquetas ofereçam uma alternativa às etiquetas existentes de 8 kilobytes usadas em aplicações aeroespaciais e de manufatura. Com apenas 2 kilobits de memória, as novas tags podem realizar um alcance de leitura mais longo, diz Wade – aproximadamente 20% a 40% a mais do que as tags EPC padrão – e podem ser adquiridas por um custo menor. As empresas de aviação agora estão testando as tags para armazenar e transmitir dados sobre itens usados ​​na fabricação e manutenção.

A necessidade de tags de alta memória na aviação aumentou desde o lançamento dos requisitos ATA Spec 2000 no setor de aviação, que ditam uma abordagem de toda a indústria para a numeração do sistema da aeronave, bem como os padrões de formatação e conteúdo de dados para a saída de documentação. Embora as soluções atuais tenham sido usadas na indústria aeroespacial, Reese diz: “A sensibilidade é tão baixa que há um grande número de reclamações”. Isso significa que quem está na aviação, por exemplo, deve trazer um leitor portátil para perto de uma etiqueta para interrogá-la e receber uma resposta. Essa ação, disseram os usuários à Tageos, pode ser tão demorada e trabalhosa quanto ler um código de barras.

Como a distância de leitura das novas tags é maior, relata Reese, elas podem ter um desempenho semelhante a uma tag EPC padrão, enquanto armazenam consideravelmente mais informações. Há uma variedade de casos de uso para os quais as tags podem ser empregadas, indica a empresa. Por exemplo, eles podem ser aplicados a equipamentos de emergência em aviões para permitir contagens regulares, ou mesmo diárias, de inventário e inspeções na fuselagem. As etiquetas podem ser aplicadas a coletes salva-vidas ou recipientes de oxigênio, por exemplo, e os usuários podem simplesmente caminhar pelo corredor e capturar os números de identificação das etiquetas em toda a fuselagem, sem percorrer todo o comprimento do corredor. Com os sistemas atuais, Reese diz, os compartimentos devem ser abertos ou as almofadas dos assentos levantadas para que todas as etiquetas sejam interrogadas.

As etiquetas estão atualmente sendo testadas por empresas automotivas europeias para rastrear dados sobre peças construídas em veículos novos, incluindo o histórico de cada componente. Para logística, as tags estão sendo aplicadas em containers reutilizáveis ​​e outros itens. Dos dois novos produtos, a EOS-500 tem maior alcance de leitura devido ao seu tamanho maior. Tageos diz que a etiqueta maior oferece desempenho robusto em materiais como vidro, bem como politetrafluoretileno (PTFE) e outras superfícies antiaderentes. Ambas as tags contêm até 448 bits de memória EPC e 2.048 bits adicionais de memória do usuário, e podem operar em uma faixa de temperatura de -40 graus a +85 graus Celsius (-40 graus a +185 graus Fahrenheit). O alcance teórico de leitura da EOS-400 é de 6 a 12 metros, enquanto a EOS-500 tem um alcance de leitura de 8 a 12 metros.

O impacto dessas tags nos mercados que as usam, prevê Wade, será uma melhor disponibilidade de embutimentos de alta memória. “A indústria, como um todo, já enfrenta escassez de alguns produtos”, afirma, “seja por falta de capacidade ou aumento da demanda”. Com a adição de dois novos produtos no mercado, ele observa: “Isso vai permitir mais opções de embutidos, e ter a disponibilidade desse produto vai ser um grande benefício para o mercado não varejista”.

De acordo com Reese, “[para empresas] que dependem de dados de RF originais, a qualidade tem que estar lá”, e a Tageos projetou os produtos para fornecer essa qualidade. O custo da etiqueta é consideravelmente menor que o de muitas etiquetas existentes de alta memória que oferecem kilobytes de memória, diz ele, e a empresa está oferecendo atualmente os produtos em amostras e em grandes volumes.

- PUBLICIDADE -

LEAVE A REPLY

Please enter your comment!
Please enter your name here