Flórida premia tecnologia para segurança escolar

Solução permite que funcionários de uma escola pressionem um botão em dispositivo vestível pedindo ajuda em caso de emergência, como no caso de um atirador

Claire Swedberg

O Florida Department of Education (DOE) selecionou fornecedores de soluções de gerenciamento de emergência sem fio para suas escolas públicas e privadas de ensino fundamental e médio. Entre estes está Centegix, que oferece uma solução conhecida como CrisisAlert que aproveita as tecnologias Zigbee e Bluetooth Low Energy (BLE). O emblema CrisisAlert é projetado para permitir que professores e membros da equipe identifiquem silenciosamente uma emergência e sejam localizados automaticamente. A solução já está em uso em 1.200 instalações em 13 estados, incluindo escolas, hospitais, hotéis e dependências governamentais. Até o momento, informa a empresa, o sistema já protegeu cerca de 1,1 milhão de pessoas.

O DOE da Flórida recomendou os sistemas como uma forma de os distritos escolares públicos do estado cumprirem a Lei de Alyssa, em homenagem à vítima de tiro na escola de Parkland, Alyssa Alhadeff. A lei, aprovada pelo Senado da Flórida, exige que todas as escolas públicas estaduais e licenciadas implementem um sistema móvel de alarme de pânico que inclui um dispositivo móvel que permite aos funcionários da escola disparar alarmes sem a necessidade de um telefone ou de um dispositivo de alerta com fio. O DOE reservou US $ 8 milhões para a implantação de tecnologia dos fornecedores recomendados.

Crisis Alert

A Centegix foi lançada como um revendedor de soluções de comunicação de emergência e sala de aula para escolas. Depois do tiroteio na Stoneman Douglas High School de Parkland em fevereiro de 2018, durante o qual 17 pessoas morreram, a empresa começou a procurar soluções de alerta de atiradores ativos que permitiriam um alerta mais rápido por qualquer funcionário para que os indivíduos pudessem ser localizados e identificados durante uma emergência. No entanto, a empresa não conseguiu encontrar um sistema que proporcionasse os benefícios que buscava: emblemas que capacitavam cada funcionário a disparar um alerta com seu próprio dispositivo vestível, junto com comunicação em todo o campus e cobertura local.

“Isso é o que nos colocou no caminho para desenvolver nossa própria solução, diz Matthew Stevens, CEO da Centegix.” Não havia soluções viáveis ​​no mercado. “A plataforma CrisisAlert, explica ele, visa não apenas atiradores em escolas ativos, mas toda a violência em locais públicos. Desde o seu lançamento para a educação, o sistema tem sido comercializado também para os setores da saúde, hotelaria e governo.

A empresa fornece o que chama de rede mesh segura privada, com funcionalidade de localização sem fio para que qualquer pessoa que pressione o botão de alerta em seu crachá possa ser identificada e localizada. “O verdadeiro núcleo do sistema”, afirma Stevens, “é que capacitamos cada membro da equipe com um botão de dispositivo de pânico vestível para pedir ajuda.” O objetivo da Centegix é fornecer cobertura em qualquer local do campus escolar ou nas instalações da empresa. Isso, diz ele, está em contraste com muitos sistemas existentes que utilizam wi-fi ou dados de celular, que podem ter lacunas na cobertura entre edifícios ou em algumas partes de um edifício. Além disso, os sinais de GPS são limitados quando se trata de fornecer dados de localização precisos em ambientes fechados.

A solução consiste em transceptores e repetidores Zigbee 802.15.4 instalados em toda a instalação para fornecer cobertura para todo o campus, incluindo áreas internas, estacionamentos e áreas externas. Os dispositivos capturam as transmissões dos crachás e encaminham os dados coletados para um servidor. Além disso, beacons BLE são instalados para identificar a localização específica de um determinado crachá, como em uma sala específica ou parte de uma sala. O crachá alimentado por bateria, que contém um número de identificação exclusivo vinculado ao indivíduo atribuído, requer apenas habilidades motoras grosseiras para operar, com um botão grande que deve ser simples de pressionar.

O software da Centegix no local e baseado em nuvem gerencia dados de localização, captura alertas e encaminha esses alertas para as partes apropriadas, enquanto integra os dados conforme necessário com as tecnologias existentes, como sistemas de PA e câmeras. A empresa fornece dispositivos de notificação visual conhecidos como “strobes” que podem acender em caso de emergência para mensagens multissensor. O gateway de integração SIG da empresa, que funciona como uma API segura, se integra a uma série de outros sistemas, como tecnologias de gerenciamento de visitantes, consoles de vídeo, sistema PA ou soluções para leitura de placas de veículos.

Normalmente, se os professores precisarem de assistência de emergência, eles podem pressionar o crachá, que pode ser carregado no bolso ou preso a uma jaqueta ou calça. Esse alerta é encaminhado com dados de localização específicos para o software Centegix por meio da tecnologia Zigbee, bem como uma transmissão de RF de protocolo proprietário dedicado. Aqueles que recebem o alerta podem visualizar um mapa da instalação, com um ponto representando a localização e identidade de um trabalhador especificado.

Aproveitando as tecnologias Zigbee e BLE, diz Stevens, a solução oferece não apenas uma localização mais precisa do que o Wi-Fi, mas também uma rede mais segura. O sistema está em uso para proteção do trabalhador em escolas e instalações como prédios de saúde, hospitais psiquiátricos e hotéis. Por exemplo, os funcionários da limpeza de um hotel podem usar os crachás para pedir ajuda rapidamente se estiverem em perigo ou caso precisem de ajuda de emergência. Os enfermeiros de uma unidade de hospital psiquiátrico podem fazer o mesmo em caso de coação ou se o paciente necessitar de assistência imediata.

A tecnologia foi projetada para ser rápida e fácil de implantar e usar, diz Stevens, e fornecer análises e relatórios para ajudar a administração a tomar decisões. Por exemplo, os dados permitem que os gerentes rastreiem a continuidade do atendimento em um ambiente de saúde. Os hospitais psiquiátricos são obrigados por lei a disponibilizar um determinado número de horas, em frequência pré-determinada, para atendimento de pacientes e fornecimento de medicamentos. A solução poderia rastrear esses dados automaticamente e fornecer prova de que um determinado paciente estava recebendo os cuidados apropriados.

Todo o hardware é projetado e fabricado pela Centegix nos Estados Unidos. Embora as primeiras implantações tenham sido configuradas individualmente, diz Stevens, agora elas devem ser implementadas rapidamente com otimização limitada. “O que percebemos [é que] há uma certa física nos edifícios”, explica ele, o que torna as implantações repetíveis. A tecnologia foi desenvolvida para enviar dados de forma eficaz em uma variedade de instalações e campi, acrescenta Stevens. “Podemos implantar, em média à noite, dois sites por noite”, dependendo do tamanho de um determinado site. “O que importa é o número de pessoas que protegemos e, para proteger mais pessoas, precisamos ser implantados rapidamente”.

Desde que o DOE da Flórida emitiu sua recomendação, diz Stevens, a Centegix tem recebido um número crescente de solicitações de escolas na Flórida, bem como de outros estados. A Fairhope High School do Alabama implantou o sistema para garantir que seus professores e funcionários não precisem procurar ajuda ou um botão de chamada de emergência, como o diretor da escola, Jon Cardwell, explicou durante uma entrevista ao noticiário da NBC 15. “Percebemos que nosso sistema salva vidas”, afirma Stevens. A tecnologia tem sido usada durante incidentes com arma de fogo em escolas, bem como para ajudar pessoas que sofrem convulsões ou outras crises de saúde. “Nosso objetivo é proteger mais pessoas”.

- PUBLICIDADE -

LEAVE A REPLY

Please enter your comment!
Please enter your name here