Empresa de pavimentação coleta dados com exatidão

A Much Asphalt eliminou erros e melhorou a eficiência ao utilizar etiquetas RFID nos veículos de seus clientes para leitura na pesagem para capturar tara e peso bruto

Claire Swedberg

A empresa da África do Sul Much Asphalt relata que reduziu erros e tempo de trabalho em seus locais de coleta, graças a uma solução RFID que identifica automaticamente os caminhões que retiram produto de sua sede e os relaciona com o volume de asfalto coletado. A solução, fornecida pelo integrador sul-africano Milestone Integrated Systems, captura a identidade de cada caminhão que entra à medida que é pesado vazio e novamente conforme sai depois de carregado, criando um registro automatizado de qual empresa recebeu cada produto, bem como quanto e quando isso ocorreu.

Leitores Keonn AdvanReader UHF RFID e antenas Advantenna SP12 são previstos em dois locais, com a tecnologia programada para ser implantada em todos os 16 locais da Much Asphalt ainda este ano. Cada caminhão que se reporta aos locais de asfalto recebeu uma etiqueta RFID UHF passiva, fixada em seu para-brisa, que transmite dados aos leitores na entrada e na ponte de pesagem de embarque. Com a tecnologia em vigor, a Much Asphalt afirma ter sido capaz de eliminar erros humanos relacionados à inserção manual de dados relativos aos veículos e suas cargas conforme eles trafegam pelas instalações da empresa.

A Much Asphalt é o maior produtor comercial de asfalto na África Austral. É propriedade da AECI, fornecedora de soluções para mineração, tratamento de água, agricultura e outros usos industriais. A empresa opera 16 fábricas em toda a África do Sul, onde fabrica produtos de asfalto quente e frio, de acordo com Brad Straiton, analista de negócios da Much Asphalt.

Construtoras e outros clientes entram nas instalações da empresa para coletar asfalto, o qual é cobrado de acordo com o peso. Cada local vê uma quantidade variável de tráfego, diz Straiton, embora a tecnologia RFID tenha sido implantada inicialmente em um local na Cidade do Cabo, onde aproximadamente 30 caminhões fazem relatórios diariamente. O segundo local de teste, também localizado na Cidade do Cabo, recebe até 170 caminhões por dia.

Antes de implantar a tecnologia RFID, a empresa utilizava um processo manual de coleta de dados que exigia trabalho humano. Um operador de ponte de pesagem identificaria cada veículo entrando e saindo da instalação e registraria os detalhes do caminhão, junto com as informações sobre a carga sendo comprada. Os trabalhadores então inseriam os dados no sistema de computador, diz Straiton. Esse processo, no entanto, era vulnerável a erros manuais do operador na entrada dos dados, o que poderia levar ao faturamento incorreto, resultando em prejuízos para a empresa.

Além disso, o Much Asphalt precisava aumentar a eficiência na ponte de pesagem. Com um grande volume de tráfego em cada local, explica Straiton, a velocidade é importante para evitar filas na entrada. Para isso, a empresa começou a trabalhar com a Milestone em 2019 para criar uma solução. Os testes começaram no ano passado no primeiro local, onde as etiquetas foram aplicadas aos pára-brisas do caminhão e os detalhes da empresa do caminhão foram vinculados ao número de identificação exclusivo da etiqueta no software, usando um leitor RFID portátil para comissionar cada etiqueta antes de ser aplicada a um determinado veículo.

A empresa possui dois prédios de pontes de pesagem, um na entrada e outro na saída. Há um leitor fixo e antenas em cada local de ponte de pesagem, e a Milestone usou as estruturas existentes para montar as antenas RFID. Jim Haantjes, executivo de vendas da Milestone Integrated Systems, diz que a distância de leitura das antenas foi considerada suficiente. Conforme os caminhões entram na entrada, os motoristas param na ponte de pesagem, onde as antenas capturam a identificação da etiqueta do pára-brisa. O leitor então encaminha esses dados para o software da Much Asphalt, indicando que um veículo específico chegou. O ID da etiqueta está vinculado ao peso do caminhão conforme é medido na balança e o motorista prossegue para dentro.

Depois que o caminhão é carregado, o motorista leva o veículo para a próxima ponte de pesagem, perto da saída, onde a etiqueta RFID será novamente interrogada. Esse número de identificação, juntamente com o novo peso do veículo, é encaminhado para o software, onde é calculado o peso total da carga. Essa ação solicita que o sistema crie uma fatura contendo todos os dados relevantes. Normalmente, diz Straiton, as cargas pesam entre 7 e 10 toneladas no primeiro local de teste.

De acordo com Haantjes, o software do Much Asphalt foi modificado para receber automaticamente os dados de pesagem e de identificação do caminhão quando o veículo se dirige para a ponte de pesagem de entrada. O software calcula automaticamente todas as outras informações sobre a carga coletada, a empresa, o endereço de cobrança, a propriedade do caminhão e assim por diante. Isso representou um desafio para Milestone, lembra Haantjes. O software precisava ser configurado para acomodar os dados fornecidos pelas leituras de tag RFID usando o software da Keonn e, em seguida, vincular esses dados ao resto do processo de software interno, criando uma fatura para a empresa de caminhões. “Isso foi feito pelos especialistas em software da Much Asphalt”, diz ele.

O processo de codificação da etiqueta RFID aplicada a cada veículo representou outro desafio, diz Haantjes. Por isso, a empresa construiu o sistema de captura de números de placas de veículos e o leitor portátil foi utilizado para interrogar a nova etiqueta aplicada, vinculando os dados da placa com o número de identificação para criar um registro no software. Keonn ajudou criando um aplicativo no leitor portátil para codificar a etiqueta RFID do caminhão, de acordo com o número da placa do veículo. O departamento de TI da maior parte da Asphalt usou a interface de programação de aplicativos da Keonn.

Após extensos testes no primeiro local, o sistema foi expandido para uma segunda instalação para identificar como a tecnologia funcionava em uma grande variedade de cenários. No segundo local de teste, as cargas normalmente pesavam entre 10 e 14 toneladas por caminhão. Ambos os locais estavam localizados perto da sede da empresa na Cidade do Cabo, onde o pessoal ajudou no monitoramento dos testes de RFID. Desde que a solução foi lançada, relata a Much Asphalt, os benefícios têm sido a precisão de quase 100% dos dados relativos aos produtos adquiridos no local.

Straiton diz que o sistema garantiu que as informações corretas sejam capturadas automaticamente quando um caminhão chega a uma ponte de pesagem e que os erros de entrada humana sejam eliminados, evitando perdas financeiras. A solução está funcionando bem até agora, relata ele, e deve ser implementada em mais 14 locais em toda a África do Sul. “Também estamos procurando outras maneiras de utilizar RFID nos negócios para obter mais vantagens”, afirma Straiton.

- PUBLICIDADE -

LEAVE A REPLY

Please enter your comment!
Please enter your name here