Aprendendo com a Marks & Spencer

A varejista que utiliza RFID em suas operações há 15 anos compartilhará alguns de seus aprendizados no RFID Journal LIVE! Europa

Mark Roberti

O RFID Journal publicou seu primeiro artigo sobre o uso da tecnologia passiva de identificação por radiofrequência (RFID) UHF da Marks & Spencer em 2004. Naquela época, a M&S estava apenas identificando os artigos masculinos. A RFID UHF estava em sua infância, mas a varejista já havia rastreado bandejas de alimentos com a tecnologia passiva HF e viu benefícios em potencial ao implantar UHF passivo para gerenciar trajes e roupas casuais.

Com 15 anos de experiência, a empresa claramente aprendeu muito sobre as maneiras certas e erradas de utilizar RFID no varejo. É por isso que estou satisfeito que Richard Jenkins, chefe de prevenção de perdas, segurança e RFID da M&S, e Zara Adato, gerente de projetos do varejista para desenvolvimento estratégico de RFID, concordaram em falar no RFID Journal LIVE! Europa 2019, que ocorrerá em 13 de novembro em Londres, com treinamento para certificação do RFID Professional Institute, em 12 de novembro.

Richard falou em vários eventos do RFID Journal no passado. Ele é extremamente eloquente e está sempre disposto a compartilhar ideias importantes. Em um evento, ele mostrou um slide com uma representação visual da cadeia de suprimentos da M&S e revelou que sua equipe havia identificado cerca de 23 pontos em suas operações nas quais a RFID traria benefícios.

Mais importante, Richard recomendou não construir o business case para financiamento de um projeto de RFID. O retorno do investimento provavelmente seria enorme, explicou, e o conselho ficaria cético e provavelmente rejeitaria o financiamento. Ele recomendou desenvolver o business case para melhorar a disponibilidade das prateleiras nas lojas, o que leva a mais vendas pelo preço total ou quase total. Esse foi um excelente conselho, na minha opinião.

Uma vez perguntei a Richard por que ele compartilha suas ideias em eventos, e sua resposta mostra a sofisticação que a M&S traz para sua implantação de RFID. Ir aos eventos, disse, permite que ele compartilhe os problemas que vê com a comunidade de provedores de soluções, para que possam desenvolver produtos para resolver esses problemas. Richard também compartilha suas ideias, porque está aprendendo com o que os outros estão fazendo, faz sentido para ele falar sobre suas experiências também.

A varejista que utiliza RFID em suas operações há 15 anos compartilhará alguns de seus aprendizados no RFID Journal LIVE! Europa
Fachada de loja da Marks & Spencer

É claro que não está compartilhando as coisas mais importantes que a M&S está fazendo – coisas que geram vantagem competitiva -, mas o que pode compartilhar é extremamente valioso para quem inicia projetos de RFID, incluindo outros setores.

Algumas empresas estão cortando seus orçamentos de viagens, mas participar de um evento e aprender algo que pode economizar o dinheiro da empresa, evitando erros dispendiosos, é um negócio inteligente. Espero vê-lo no LIVE Europa e tenho certeza de que achará valiosas as palestras de Richard Jenkins e de outros.

Mark Roberti é o fundador e editor do RFID Journal.

- PUBLICIDADE -

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui