Agricultura australiana usa IoT para controlar solo

Solução de Internet das Coisas (IoT) visa a reduzir o desperdício de água em até 30% com sondas e um aplicativo que fornece dados e análises em tempo real

Claire Swedberg

A operadora de telecomunicações australiana National Narrowband Network (NNNCo) está oferecendo aos seus clientes da Ásia e Pacífico uma solução de monitoramento de umidade do solo baseada na Internet das Coisas (IoT), empregando as sondas sensor LoRaWAN da Sensoterra que transmitem dados pela rede da NNNCo. A solução inclui o aplicativo móvel da Sensoterra e o software baseado em nuvem do NNNCo, no qual os dados de umidade do solo podem ser acessados ​​em tempo real ou para fins históricos. Como alternativa, os dados podem ser roteados para a plataforma existente de um cliente, como o Microsoft IoT Hub.

A plataforma de dados da empresa de telecomunicações, conhecida como N2N-DL, é fornecida com conectividade para os clientes, permitindo que eles agregem dados selecionados das sondas de sensores, bem como de outros dispositivos e fontes, como serviços meteorológicos, em uma única plataforma, de acordo com a Rob Zagarella, CEO da NNNCo. A solução foi testada ou implantada pela Cane Growers Mackay e pela cidade de Newcastle, em Nova Gales do Sul, entre outras organizações.

Lavoura da Cane Growers Mackay, na Austrália

O NNNCo é um operador de rede LoRaWAN que oferece cobertura metropolitana e regional para dispositivos IoT. Suas redes são usadas por empresas de energia, cidades inteligentes e outros sistemas baseados em IoT em toda a Austrália. A Sensoterra é uma empresa de dois anos e meio que se concentra na inteligência da umidade do solo, diz Bas van der Velden, diretor de vendas da Sensoterra. Com o lançamento deste ano de sua solução sem fio de monitoramento de umidade do solo com a tecnologia Sensoterra, a NNNCo espera reduzir o consumo de água de seus clientes em até 30% e fornecer informações que os ajudem a tomar melhores decisões de gestão da terra.

Aqueles que usam a tecnologia provavelmente serão “conselhos” do município (órgãos governamentais locais) e operações agrícolas. Esses clientes podem variar de comunidades ou fazendas muito pequenas a implantações em larga escala nas cidades ou por produtores ou organizações de pecuária. “Isso realmente varia”, diz Zagarella, de um pequeno município monitorando o uso da água em alguns parques ou campos de futebol a vastas operações de cana-de-açúcar, monitorando a umidade do solo em diferentes locais de cultivo em uma região para otimizar a entrada de água onde é mais necessário.

O Conselho da Cidade de Newcastle, o maior conselho regional de Nova Gales do Sul, pode representar uma implantação em larga escala. A cidade pilotou o sistema para visualizar medições de umidade do solo nos locais que rega regularmente. Cada sensor sem fio Sensoterra é depositado no solo. O sensor coleta dados do solo e um rádio LoRaWAN interno envia leituras de níveis de umidade para um gateway NNNCo e depois para o servidor baseado em nuvem, através da rede LoRaWAN da NNNCo.

O software da empresa gerencia esses dados e pode fornecer alertas em tempo real, além de dados históricos para fins de análise. A cidade pode utilizar as informações para agendar melhor sua irrigação, a fim de evitar o excesso de água, mas também para entender melhor quando é necessária uma rega adicional.

O Cane Growers Mackay também está testando as sondas. Os agricultores da associação vêm inserindo os sensores dentro e ao redor das plantações de cana-de-açúcar. Eles podem visualizar as condições desde os estágios de plantio até a colheita e, assim, evitar a superaquecimento, o que poderia levar a custos adicionais desnecessários e desperdício de água.

Segundo Zagarella, normalmente, um cliente instala as sondas automaticamente, usando o suporte técnico da NNNCo por telefone e e-mail. Na maioria dos casos, ele acrescenta: “Fornecemos a conectividade e a plataforma de dados para permitir que os provedores de aplicativos forneçam mais facilmente a visualização e as ferramentas para o cliente final”. No entanto, a plataforma N2N-Vis também permite que os usuários capturem e visualizem dados das leituras de umidade do solo, integradas às informações coletadas de outros sensores ou dados climáticos, por exemplo. Atualmente, as empresas não estão integrando os dados aos seus sistemas de irrigação, observa van der Velden, embora essa funcionalidade esteja presente em algumas implantações.

Normalmente, o Sensoterra fornece de seis a dez sensores por 120 acres, além de um gateway para receber as transmissões LoRaWAN dos dispositivos. Os sensores podem ser usados ​​de forma mais ou menos densa, dependendo da sensibilidade e valor das colheitas sendo monitoradas. A maior densidade de instalações está atualmente na Holanda, onde está sediada a Sensoterra. Aproximadamente 60% dessas implantações são baseadas na agricultura, enquanto as outras são sistemas de irrigação da cidade.

O aplicativo Sensoterra pode fornecer inteligência, como recomendações de rega, ou as empresas podem fornecer dados e análises em seu próprio software usando a interface de programação de aplicativos (API) Sensoterra. A tecnologia poderia não apenas salvar os agricultores e as cidades do custo da água em excesso, mas também melhorar os rendimentos com base nas condições ideais do solo.

“Na agricultura, você tem de 20 a 25 vezes por colheita para estragar tudo”, diz van der Velden, “e apenas algumas vezes para compensar uma perda”. Por esse motivo, observa ele, os produtores estão sob pressão para garantir que todas as decisões, como quando regar ou não regar, sejam as corretas. “Os riscos são tão altos”, afirma, “é muito importante tomar decisões educadas e bem informadas”.

As implantações do NNNCo são algumas das primeiras instalações do Sensoterra naquela parte do mundo, relata van der Velden. “Começamos no mercado holandês com bolbos de flores e batatas”, lembra ele, “mas agora estamos nos mudando para os mercados internacionais”. Até o momento, o Sensoterra realizou implantações em 35 países. A empresa está passando por um rápido crescimento e expansão nos Estados Unidos, diz ele, assim como na Europa e Ásia.

- PUBLICIDADE -

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui