A jornada da Internet das Coisas

A IoT percorreu um longo caminho nas últimas duas décadas, assim como a cobertura das tecnologias que abrange

Rich Handley

É sempre fascinante olhar para o passado e perceber o quanto as coisas mudaram nesse meio tempo. Por acaso, a Internet das Coisas (IoT, do inglês, Internet of Things) também mudou. Quando entrei para a equipe editorial do RFID Journal em maio de 2005, eu não sabia o que era a tecnologia de identificação por radiofrequência (RFID) e nunca havia ouvido a frase “Internet das Coisas”. Minha formação era em edição business-to-business (B2B) em outra revista de tecnologia, e também escrevi para várias outras publicações (principalmente baseadas em B2B e entretenimento), mas a RFID não era uma tecnologia com a qual eu estava familiarizado, além de conhecer o sistema de cobrança de pedágio E-ZPass de Nova York. Isso também mudou rapidamente.

Na época, embora Kevin Ashton já tivesse cunhado a frase “Internet das Coisas” em 1999 não era um termo utilizado nos artigos do RFID Journal, nem perto da frequência com que agora aparece. Uma pesquisa rápida em nosso sistema de back-end mostra que mencionamos a IoT pela primeira vez em um artigo de dezembro de 2005, de Bob Violino, intitulado “Aproveitando a Internet das Coisas”.

Rich Handley

Veja o parágrafo de abertura do artigo: “Quando o Auto-ID Center, uma organização de pesquisa sem fins lucrativos, estava desenvolvendo tecnologias de Código Eletrônico de Produtos (EPC), imaginava usar a identificação por radiofrequência para criar uma ‘Internet das Coisas’ – uma rede que permitiria às empresas rastrear mercadorias através da cadeia de suprimentos global e executar muitos aplicativos de negócios simultaneamente”.

Claramente, o conceito ainda era emergente e o apresentávamos como algo novo e interessante que nossos leitores deveriam prestar atenção. De fato, de 2006 a 2011, o termo “Internet das Coisas” apareceu em apenas quatro de nossos artigos num ano. Em 2012, as coisas começaram a mudar, com a nossa cobertura da Internet das Coisas começando a se estabelecer quando ficou claro que o termo estava ganhando uso mais amplo na descrição do conceito de interconectar objetos do cotidiano para que pudessem enviar e receber dados. A RFID, como uma tecnologia da Internet das Coisas, é uma parte importante dessa imagem e, portanto, nossa cobertura da IoT começou a se expandir.

USS Enterprise: nave da série “Jornada nas Estrelas”

Avançando para 2020, uma pesquisa em nosso site gera 2.633 artigos que mencionam a Internet das Coisas. Para fornecer uma perspectiva de quão significativo isso é, nosso último artigo publicado, “Via Onda anuncia novo leitor e etiqueta no Brasil”, é a história número 19.232, o que significa que a IoT deixou de ser algo que mencionamos uma vez em 2005, depois apenas mais quatro vezes por ano nos próximos seis anos, passando a abranger agora quase 14% de todos os artigos que publicamos até hoje.

Mesmo esse número não reflete totalmente a extensão da IoT, porque o RFID Journal foi fundado há 18 anos, em 2002, e o termo “Internet das Coisas” não estava sendo amplamente usado em nosso site até dez anos depois, em 2012. Em outras palavras, quase todas essas 2.633 histórias relacionadas à IoT apareceram nos últimos oito anos, para uma média de 330 artigos por ano. Kevin Ashton não cunhou apenas uma frase interessante: ele previu o futuro da cobertura do RFID Journal.

Quando entrei para a equipe em 2005, a empresa já estava funcionando bem havia três anos, com Paul Prince liderando a programação diária de notícias do site. Andrea Linne lidou com a revista impressa (antes de passarmos para uma publicação totalmente on-line), enquanto Claire Swedberg, Mary Catherine O’Connor, Beth Bacheldor e outras contribuíram com conteúdo para nossa cobertura impressa e digital.

Edson Perin se juntaria a nós anos mais tarde, em 2011, como editor do RFID Journal Brasil, enquanto isso, Mark Roberti estava supervisionando o crescimento da empresa que ele havia construído de uma só vez: operação de um homem para um recurso vital para a indústria de RFID. Mas em 2002, quando Mark criou a empresa fora de sua casa, ele tinha de escrever todos os artigos.

Então, o curioso sobre o que foi o primeiro artigo que publicamos, lancei o “19232” do artigo mais recente e o substitui por simplesmente “1”. O que eu achei? Um artigo de Mark intitulado “Cartão de inspeção de veículo se introduz no Reino Unido”. Na época, ao que parece, o Ministério dos Transportes do Reino Unido estava planejando usar cartões inteligentes para reduzir a incidência de fraudes nas emissões de escapamentos relacionadas à inspeção de veículos comerciais. Interessante e bem diferente do tipo de cobertura que a nossa equipe editorial busca hoje.

Trocar o “1” por “2”, “3” e “4” traz artigos sobre um novo algoritmo de criptografia sem fio (“Segurança para Java sem fio”), uma unidade de negócios da Assa Abloy dedicada a cartões inteligentes (“Nova unidade de cartão inteligente da Assa Abloy”) e uma demonstração SAP da tecnologia RFID (“SAP para demonstração do reabastecimento de RFID”). O último contém uma intrigante declaração de abertura: “A maioria das pessoas diz que rastrear itens individuais usando RFID está a anos de distância”.

Pense nisso por um momento – a ideia de rastreamento a nível de item, com software capaz de monitorar os níveis de inventário via RFID e responder automaticamente, ainda era uma meta não alcançada do setor. Atualmente, a tecnologia pode fazer isso facilmente. O RFID Journal publicou mais de 1.200 artigos sobre rastreamento em nível de item nos últimos anos, e as empresas que utilizam RFID para esse fim estão obtendo uma ampla gama de benefícios. Aqueles que participam de nossos RFID Journal LIVE! e seguem a premiação RFID Journal Awards viram repetidamente isso ser demonstrado.

A RFID e outras tecnologias da Internet das Coisas percorreram um longo caminho nas últimas duas décadas, trazendo muitas mudanças, quando os cartões inteligentes estavam sendo considerados como um novo meio de impedir a fraude de inspeção, enquanto a grande mídia – e até mesmo o RFID Journal – mal mencionava a IoT pelo nome. Atualmente, as tecnologias de IoT estão em todos os lugares: em nossas casas, em nossos locais de trabalho, nos dispositivos que carregamos e vestimos e nas manchetes das notícias.

Como o setor cresceu exponencialmente, o mesmo ocorreu com a profundidade de nossa cobertura. Além do RFID e de tecnologias relacionadas, como Near Field Communication (NFC), Bluetooth Low Energy (BLE) e ultra-wideband (UWB), vimos a crescente adoção de análises de vídeo, blockchain, inteligência artificial (AI) e outros tipos de sistemas por empresas que buscam melhorar seus processos de negócios e aumentar sua visibilidade e eficiência. A inovação está em constante evolução e, em 2020 e além, continuaremos a mostrar as novidades da Internet das Coisas, em constante mudança.

Rich Handley é editor executive do RFID Journal. Rich escreveu, editou ou contribuiu para dezenas de livros sobre cultura pop e, também, é o editor da longa coleção de romances da Eaglemoss, Star Trek Graphic.

- PUBLICIDADE -

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui