Rastreamento traz segurança para bagagem aérea

Com um sistema de esterilização implantado no Aeroporto de Chubu, o grupo de pesquisa japonês ARTA pretende oferecer segurança e notificações aos passageiros

Claire Swedberg

Empresas de tecnologia, sob a liderança do japonês NPO Airport RFID Technology Alliance (ARTA), desenvolveram um sistema de esterilização por luz ultravioleta C (UVC), junto com um sistema de notificação de chegada de bagagem para passageiros, para reduzir o risco de transmissão de Covid-19. O objetivo da solução é duplo: esterilizar as malas e os carrinhos que as transportam e rastrear os dados de localização à medida que avançam em esteiras. Isso permite que os aeroportos garantam melhor distanciamento social nos carrosséis, segundo a empresa.

A tecnologia de identificação por radiofrequência (RFID) também cria um registro automático de quando os carrinhos de bagagem são esterilizados, a fim de fornecer informações aos passageiros e à administração do aeroporto. O sistema está sendo demonstrado no Chubu Airport, usando software SICK, e tags RFID UHF da Toppan Forms, Sankei, Naxis e Avery Dennison. A Denso Wave forneceu leitores. Um aplicativo usado pelos passageiros em seus telefones celulares para receber informações de chegada de bagagens foi desenvolvido pela Saitama University, enquanto a Iwasaki Electric entregou a tecnologia UVC.

A demonstração começou em 14 de outubro e deve continuar até 6 de novembro. Os resultados serão analisados ​​pelos participantes até o final do mês, após o qual a ARTA espera ver um modelo comercializado implantado nos principais aeroportos japoneses. ARTA, uma associação sem fins lucrativos, foi lançada em 2008 e se dedica a fornecer e promover a tecnologia RFID para operadores e usuários de aeroportos. O objetivo era levar dados RFID para o processo de esterilização de bagagens para que os passageiros e aeroportos tivessem um melhor entendimento da localização e do status das bagagens e carrinhos de bagagem.

Com a solução, diz Keisuke Hatano, diretor executivo da ARTA, as infecções por Covid-10 podem ser impedidas de entrar em um aeroporto se a triagem adequada for empregada. “Vimos passageiros chegando com Covid-19-positivo no teste de chegada”, diz ele, então o risco para a saúde pública não é apenas de um indivíduo com teste positivo, mas também de sua bagagem. Embora não haja casos conhecidos de Covid -19 sendo espalhado em sacos contaminados, Hatano diz, o sistema oferece uma salvaguarda para evitar que tal incidente ocorra. “Devemos lidar com todas as possibilidades para que os passageiros, funcionários do aeroporto e residentes locais se sintam seguros”.

Alguns aeroportos aplicam desinfetantes nas bagagens que chegam, embora raramente haja como os aeroportos ou companhias aéreas provarem que as bagagens foram desinfetadas. Quando um vôo chega ao aeroporto, a bagagem é descarregada. Para a demonstração, uma etiqueta RFID UHF é aplicada a cada bolsa que ainda não tem uma etiqueta RFID embutida em sua etiqueta de roteamento. Os aeroportos da Delta e de Hong Kong usam etiquetas RFID universalmente, enquanto outras companhias aéreas e aeroportos costumam usar códigos de barras.

Cada mala é movimentada por um sistema de esterilização, durante o qual a bagagem é colocada em uma esteira que as transporta por um túnel de 2,5 metros. Antes de entrar nesse túnel, um leitor RFID e um scanner óptico capturam dados de cada etiqueta de bagagem lendo seu número de identificação exclusivo e digitalizando o código de barras na frente da etiqueta. Se o sistema for implantado em outros aeroportos, a inclusão da tecnologia de código de barras pode garantir que uma etiqueta seja identificada automaticamente, tenha ou não uma etiqueta RFID.

O software SICK captura os dados do leitor de etiquetas e do leitor de código de barras e, a seguir, vincula a ID aos detalhes da bagagem e do passageiro associado à sua etiqueta. Os raios ultravioleta irradiados para a bagagem irradiam bactérias e vírus, e um registro de data e hora é atualizado para indicar que a bagagem foi desinfetada. Ao mesmo tempo, uma mensagem pode ser enviada para o telefone do passageiro indicando que a bagagem foi descarregada e está sendo desinfetada, além de fornecer um tempo estimado de chegada em um carrossel específico.

O aplicativo, desenvolvido pela Universidade Saitama, utiliza o servidor da faculdade para entregar os dados coletados pelo software SICK. Os passageiros que desejam usar o aplicativo são convidados a ler um código QR em uma tela na seção de desembarque e adicionar sua identificação de etiqueta de bagagem. Os passageiros que visualizarem essas informações podem planejar uma visita a um carrossel específico, com base no ETA da bagagem. Os mesmos dados também são exibidos em uma tela na área do carrossel de bagagens de passageiros, para uso por viajantes que não utilizam seu smartphone para acessar os dados.

Em seguida, a etiqueta passa por um segundo leitor – um leitor SICK RFU630 com três antenas, instalado no ponto de entrada das malas na área do carrossel. Mais uma vez, um carimbo de data / hora está vinculado ao número de ID transmitido pela etiqueta RFID de cada bolsa. O software encaminha os dados coletados para o celular do passageiro, avisando-o de que a bagagem está pronta para ser retirada. Como os passageiros sabem aproximadamente quando se apresentar a um carrossel específico, espera-se que haja menos necessidade de as pessoas esperarem entre as multidões na área de recebimento de bagagem.

Um terceiro leitor RFID e uma antena são dedicados aos carrinhos de bagagem, que são esterilizados como parte da demonstração e fornecem higienização após cada uso dos passageiros. As etiquetas RFID são aplicadas aos carrinhos, com um código QR impresso neles. Os carrinhos usados ​​por um passageiro são então devolvidos a um corredor especificado, onde são movidos por outra câmara UVC. À medida que cada carrinho passa pela esterilização, um leitor RFID captura automaticamente sua identificação de etiqueta e o software atualiza o status do carrinho como esterilizado. O carrinho é então devolvido à área de embarque do passageiro de chegada para aqueles que precisam dele para transportar sua bagagem.

Antes de pegar um carrinho, o passageiro pode usar seu smartphone para escanear o código QR e visualizar os dados sobre a esterilização mais recente do carrinho. As bandejas de verificação de segurança também passarão pelo processo de esterilização UVC periodicamente, em intervalos regulares. Feito isso, diz Hatano, membros da ARTA, pesquisadores acadêmicos e fornecedores de tecnologia avaliarão os resultados da demonstração, que serão compartilhados com aeroportos, companhias aéreas e outras empresas que queiram adotar o sistema.

Embora a solução esteja atualmente sendo projetada para ler tags RFID e códigos de barras, Hatano diz, a expectativa de longo prazo é que as tags RFID sejam onipresentes na bagagem das companhias aéreas. “Estamos olhando para o futuro”, afirma ele, “quando toda a bagagem terá um embutimento RFID, seguindo a resolução da IATA AGM75”. Enquanto isso, ele diz, as etiquetas de bagagem sem RFID serão lidas pela câmera de leitura óptica de código de barras.

Como os voos têm sido menos frequentes durante a pandemia, relata Hatano, espera-se que o volume de bagagem chegando aos aeroportos aumente no futuro, à medida que as viagens normais forem retomadas. A solução, diz ele, é a primeira de seu tipo a combinar esterilização UVC e RFID para ajudar os passageiros a manter o distanciamento social adequado. O objetivo, acrescenta Hatano, é restaurar mais rapidamente as viagens internacionais normais durante a pandemia.

- PUBLICIDADE -

LEAVE A REPLY

Please enter your comment!
Please enter your name here