Empresas da ABRFID se unem contra a Covid-19

Para combater o coronavírus, a associação passou a promover a fabricação de máscaras-escudo entre seus associados, para fornecer gratuitamente aos profissionais de saúde

Edson Perin

“Salvar vidas” – esta provavelmente tem sido a frase mais pronunciada em todos os cantos do planeta ultimamente, diante da pandemia de coronavírus. Em meio a esta crise de saúde mundial, que aqui no Brasil causou até agora [dia 01/04/2020] 240 mortes, segundo dados oficiais do Ministério da Saúde, a Associação Brasileira da Indústria de Identificação por Radiofrequência (ABRFID) resolveu tomar uma atitude criativa e urgente: estimular seus associados a transformar fábricas de etiquetas de identificação por radiofrequência (RFID) em produtoras de máscaras-escudo para profissionais de saúde.

Com a iniciativa, a ABRFID pretende “salvar as vidas de quem salva vidas”, ou seja, manter a integridade física dos profissionais de saúde, que estão na linha de frente desta guerra contra o inimigo invisível chamado coronavírus: um microrganismo que aniquila o sistema respiratório de um grande percentual das pessoas infectadas, desenvolvendo uma doença chamada Covid-19, com alta letalidade entre os seres humanos, especialmente imunossuprimidos e idosos.

Profissionais de saúde do Hospital São Paulo recebem máscaras-escudo (faceshield) de um membro da ABRFID (à dir.)

Roger Davanso, presidente da ABRFID, diz que “esta iniciativa acabou fazendo com que várias empresas associadas à ABRFID reconhecessem a importância de nos unirmos em torno do combate ao coronavírus e, assim, ajudarmos a manter o sistema de saúde funcionando plenamente, em benefício de toda a população”. Segundo Davanso, “será ainda melhor quando mais empresas, inclusive de outras associações e setores da economia, aderirem a este movimento”.

Em função da iniciativa, a ABRFID já tem encomendas de mais de 3.100 máscaras-escudo para instituições como Hospital Emílio Ribas, Hospital AC Camargo, Hospital S. Paulo, Hospital das Clínicas, Santa Casa de Misericórdia, diversos hospitais da região de Araraquara, as Santas Casas dos municípios de Coqueiral e Nepomuceno, no sul de Minas Gerais, Instituto do Câncer do Estado de São Paulo (ICESP), o Grupo de Resgate de Assistências Urgentes (GRAU), Hospital Leonor Mendes de Barros, do Tatuapé, além de Unidades de Pronto Atendimento (UPA), de Santo André e São Bernardo do Campo, e entidades públicas e privadas de Caxias do Sul, no Rio Grande do Sul.

Os hospitais públicos do SUS [Sistema Único de Saúde], quando solicitam da ABRFID, recebem as máscaras gratuitamente. Os pedidos de máscaras que forem feitos por hospitais privados terão seus recursos de pagamentos revertidos para a fabricação dos equipamentos de proteção gratuitos entregues aos hospitais públicos.

De acordo com dados da Organização Mundial da Saúde (OMS) divulgados pelo Canal CNN Brasil, perto de 20% dos profissionais médicos da Itália foram contaminados e adoeceram por falta de Equipamento de Proteção Individual (EPI), como as máscaras-escudo, o que acelerou o colapso da estrutura de saúde italiana, um dos países mais impactados pela doença no mundo.

A intenção da associação, que organizou um grupo por Whatsapp, é proteger os profissionais de saúde. Afinal, como disse um dos associados, “não são apenas os equipamentos hospitalares que salvam vidas: os principais protagonistas são os seres humanos que sabem operá-los, ou seja, os profissionais de saúde”.

A iniciativa da ABRFID começou há poucas semanas e em velocidade recorde com a transformação de parte da linha de produção de um de seus associados para a fabricação de máscaras-escudo. Em seguida, outros empresários da ABRFID foram aderindo e trazendo novas ideias, como por exemplo inserir tags de RFID em máscaras-escudo para poder controlá-las e localizá-las automaticamente.

Nesta semana, duas empresas associadas fizeram um acordo para fabricar e distribuir juntas as máscaras-escudo (em inglês, faceshield ou escudo facial) e, de saída, adquiriram o equivalente a 12 quilômetros de um material conhecido como TNT Hospitalar (Tecido-Não-Tecido de alta resistência e proteção para equipes do setor de saúde). Graças aos esforços da ABRFID, outras companhias que ainda não são associadas já demonstraram interesse em participar.

De acordo com a OMS, os hospitais não podem operar apenas com médicos residentes. Por isso, os profissionais mais gabaritados, experientes e mais velhos, que, por terem mais idade, são alvos do coronavírus, precisam estar no comando dos trabalhos e têm de ser protegidos. Além dos médicos, enfermeiros, nutricionistas, dentistas e fisioterapeutas hospitalares, estão entre os profissionais de saúde os integrantes das equipes do SAMU (Serviço de Atendimento Móvel de Urgência), do Corpo de Bombeiros, incluindo as equipes de resgate, entre outros.

Para os interessados em obter as máscaras-escudo (ou faceshields) da ABRFID ou mais informações, use o email [email protected].

- PUBLICIDADE -

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui