Wi-Fi como plataforma de segurança sempre ativa

A onipresença destas redes e a prevalência de dispositivos inteligentes tornam o Wi-Fi o backbone ideal para fornecer escala imediata a quase todos os edifícios

James Wu

Em novembro passado, o Departamento de Segurança Interna dos EUA (DHS) realizou silenciosamente um exercício contra atirador ativo na Virgínia que está prestes a ter um impacto generalizado na segurança pública. Equipes de socorristas desceram em uma arena de 10.000 lugares na Universidade George Mason para testar como várias tecnologias de ponta podem ajudar a preparar melhor as cidades para situações de emergência em larga escala. Essa colaboração, a primeira desse tipo, fazia parte de um projeto financiado pelo DHS e liderado pelo Estado da Virgínia.

Em qualquer situação de emergência, seja médica, um incêndio ou um cenário que exija evacuação rápida, como um tiroteio, a necessidade de localizar cidadãos e orientar os socorristas é da maior importância. Hoje em dia, isso é incrivelmente difícil.

Para localizar e evacuar pessoas, os socorristas varrem edifícios e direcionam indivíduos à sua vista. Mesmo quando alguém liga para o 911, o serviço de localização disponível para o operador do 911 por meio do provedor de telecomunicações, geralmente fornece apenas a localização do prédio via GPS. Mas a tecnologia GPS não funciona em ambientes fechados, o que significa que em um prédio grande como um shopping ou uma torre de escritórios, as equipes de emergência são limitadas na rapidez com que conseguem encontrar alguém que esteja no 5º ou 23º andar.

Outro problema enfrentado pelas equipes de emergência é que a comunicação entre bombeiros, policiais e forças especializadas é desarticulada. Quando os socorristas chegam a uma cena ativa, eles usam rádios e frequências dedicadas disponíveis apenas para suas equipes de resgate específicas. Eles têm dificuldade em se comunicar em tempo real, limitando sua capacidade de coordenar e criar estratégias. Ser capaz de fornecer uma visão universal da localização das pessoas e de todos os socorristas dentro de um edifício significaria que as equipes de comando e controle podem fornecer diretrizes e conscientização situacional aos socorristas no campo de maneira coordenada.

Neste exercício, apoiar os socorristas e melhorar os resultados das respostas foi fundamental. Mas uma consideração importante para o programa foi a escalabilidade; qualquer que seja a solução criada, ela precisava ser viável para rápida implantação em espaços públicos e prédios governamentais e corporativos. A escolha óbvia foi usar o Wi-Fi.

A onipresença das redes Wi-Fi e a prevalência de dispositivos inteligentes para consumidores tornam o Wi-Fi o backbone ideal para fornecer escala imediata a quase todos os edifícios. Provar que o Wi-Fi poderia ser usado para localizar com precisão cidadãos e socorristas não seria tarefa fácil, mas foi entendido como o melhor caminho a ser escalado na iniciativa das cidades inteligentes.

Historicamente, os dados de localização interna são difíceis de implantar em escala ou com precisão suficiente para serem úteis. O uso de dados Wi-Fi para calcular a localização não foi preciso o suficiente para ser útil, principalmente em situações críticas como cenários de resposta a emergências. A alternativa é instalar hardware especializado em todos os edifícios. Nenhum dos dois é particularmente útil, e ambos certamente não são escaláveis ​​para uma iniciativa de segurança pública em toda a cidade.

Este programa se tornou o primeiro a usar com êxito o local baseado em Wi-Fi para um cenário de resposta a emergências. Esse teste não apenas provou que fontes de dados inovadoras dão ao pessoal de emergência a capacidade de localizar rapidamente cidadãos, mas também provou que, ao fazer isso, eles podem realmente salvar vidas – tudo com o benefício adicional de serem imediatamente escaláveis ​​para a maioria dos públicos, governos e escritórios edifícios.

Como um dos parceiros de tecnologia convidados, o InnerSpace conectou sua plataforma de localização interna à rede Internet of Public Safety Things (IoPST) da Mutualink, parceira do CIT. Enquanto as soluções existentes no mercado para localização interna usando Wi-Fi podem identificar uma pessoa dentro de 10 metros 60% do tempo, o InnerSpace foi selecionado por sua capacidade de identificar a localização de alguém dentro de 2 metros 90% do tempo.

Além disso, a solução não utiliza ou armazena informações de identificação pessoal, protegendo a privacidade do cidadão, o que é uma preocupação importante nos dados de localização interna. O software, que pode ser implantado nos pontos de acesso Wi-Fi, também fornece um caminho para escalar instantaneamente iniciativas de segurança pública e cidades inteligentes.

Além de localizar os cidadãos, os socorristas do exercício usavam tags Wi-Fi para fornecer uma camada adicional de informações e precisão sobre os locais e movimentos de suas equipes de resposta. Os dados foram apresentados à equipe de comando e controle em uma tela que visualizava o fluxo de multidões pelo espaço e inferia onde o atirador ativo estava localizado. Além disso, foi possível rastrear e “ver” onde os socorristas se relacionavam em toda a arena, agilizando os esforços para resolver a situação.

Em uma situação real de emergência, o sistema identificaria os locais dos dispositivos inteligentes em um edifício, como telefones, relógios, tablets e laptops. Enquanto isso, os socorristas de qualquer nível do governo podem usar tags de rastreamento de ativos para permitir que as equipes de comando direcionem as equipes de resgate em conjunto e melhorem os tempos de resposta. Embora as identidades desses membros da equipe possam ser diferenciadas, os cidadãos permanecerão totalmente anônimos, preservando a privacidade e proporcionando uma camada de segurança. Em última análise, trata-se de aceitar a promessa rudimentar do que muitos de nós sabemos que o Wi-Fi é agora e, através de inovações inovadoras, configurar uma rede de segurança pública altamente adaptável que agregue valor imediato às estratégias e aos cidadãos das cidades inteligentes.

A partir deste exercício, conhecendo o mundo do big data, aprendizado de máquina e análise preditiva que agora estão operacionais, podemos imaginar novas maneiras de apoiar a segurança pública. A tecnologia habilitada para Wi-Fi pode monitorar espaços internos, como escolas, museus e transporte público, enquanto os algoritmos podem analisar padrões de movimento e identificar anomalias.

A velocidade da resposta e a coordenação dessa resposta são críticas para os resultados em qualquer cenário de resposta a emergências. O uso de uma tecnologia prontamente disponível, como o Wi-Fi, para implantar rapidamente soluções de segurança pública, agora não é apenas viável, mas disponível para iniciativas de cidades inteligentes. À medida que os governos trabalham com as cidades para criar políticas em torno das melhores práticas de segurança pública, surgem as capacidades técnicas para apoiar esforços aprimorados. As mesmas informações que nos acostumamos ao ar livre irão desbloquear soluções incríveis para o bem do público quando usadas também em ambientes fechados.

James Wu é CEO e fundador do InnerSpace. Ele dedicou os últimos 20 anos à criação de produtos premiados para startups de tecnologia notáveis, incluindo Platform Computing, Rypple e Kobo.

- PUBLICIDADE -

LEAVE A REPLY

Please enter your comment!
Please enter your name here