Uso de RFID em hospitais

Defendendo os sistemas de gerenciamento durante a pandemia do Covid-19

Ygal Bendavid e Yasmina Maïzi

Enquanto as infecções associadas à assistência à saúde (HAIs) já estavam atormentando hospitais em todo o mundo, a introdução do vírus da Covid-19 nessas instalações piorou a situação. Os Centros de Controle e Prevenção de Doenças (CDC ou Centers for Disease Control and Prevention) afirmam que, embora não se pense que essa seja a principal maneira pela qual o vírus se espalha, uma pessoa pode ser infectada tocando em uma superfície que contenha o vírus “e depois tocando a sua própria boca, nariz ou possivelmente os olhos”.

Devido à sua persistência viral, o vírus Covid-19 pode sobreviver em superfícies de várias horas a dias, contaminando equipamentos de proteção individual (EPI), como aventais ou jalecos médicos – que, por sua vez, podem servir como veículo para a transmissão do vírus. vírus. Um membro de uma equipe médica que contrate o Covid-19 ou for fornecido com EPI que possa estar contaminado colocará seus colegas e pacientes em maior risco, contribuindo para a disseminação da pandemia.

Os hospitais estão cientes dessa relação entre a limpeza e a transmissão de germes que causam infecções, mas lutam para melhorar o controle de infecções e a prevenção da contaminação cruzada, garantindo que os funcionários façam bom uso de seus uniformes. De fato, os sistemas de distribuição de panos usados ​​atualmente na maioria dos hospitais não impedem os funcionários de manipular os panos nas prateleiras, trazendo-os para fora do hospital ou escondendo uniformes sobressalentes em seus armários – o que certamente não seria compatível com os regulamentos de controle de infecção.

Os hospitais que implantaram soluções de RFID, como gabinetes inteligentes, para ajudar a gerenciar uniformes, focaram-se inicialmente em economia operacional, incluindo a redução dos níveis de estoque ou a prevenção de perdas e roubo de roupas, levando a compras de reposição. Esses benefícios óbvios, por si só, nem sempre justificam o custo de tais soluções, mas isso mudou durante a atual pandemia.

Alguns casos foram documentados em que as soluções baseadas em RFID trouxeram visibilidade para uma distribuição uniforme. Esse é um processo frequentemente esquecido, mas crítico, permitindo uma redução no custo de compras de reposição, além de impedir que itens deixem o hospital sem autorização.

Como o retorno do investimento (ROI) mede diretamente o ganho ou a perda de um investimento específico, os gerentes tendem a se concentrar em medidas quantitativas e financeiras para analisar a lucratividade e tomar uma decisão. Eles também devem considerar os custos e benefícios indiretos ao determinar o ROI e examinar como as soluções baseadas em RFID podem afetar os resultados, com base em indicadores de desempenho de qualidade usados ​​para medir a eficiência de suas operações, a segurança do pessoal médico e a segurança dos pacientes.

Por exemplo, e os custos ocultos derivados da contaminação ou escassez de esfrega? O custo da exaustão mental e o medo de não estar adequadamente equipado? O custo de perder um membro de uma equipe médica? E o custo de contaminar um paciente?

Isso me lembra uma coluna sobre conformidade com a higiene das mãos publicada alguns anos atrás, na qual explicamos como, após uma série de eventos, os hospitais reduziram o tempo de permanência dos pacientes em centenas de dias por ano, resultando em uma economia significativa de custos e, em última análise, economia de vida. Isso seria igualmente benéfico na situação atual.

O Lancet relatou, com razão, que, enquanto ficamos em casa para minimizar a propagação do vírus, os profissionais de saúde estão fazendo exatamente o contrário, indo aos hospitais e se colocando em risco. Vamos garantir que eles tenham o equipamento necessário, tendo um melhor controle da distribuição – especialmente agora que qualquer EPI vale seu peso em ouro.

Ygal Bendavid é professor titular da Escola de Administração (ESG) – Université du Québec à Montréal (UQAM). Dr. Bendavid é o fundador e diretor do IoT Lab. Ele possui mestrado. e Ph.D. formado em engenharia industrial pela École Polytechnique de Montréal.

Yasmina Maïzi é professora da Escola de Administração (ESG) – Université du Québec à Montréal (UQAM). Possui mestrado e Ph.D. em engenharia industrial pelo Conservatório Nacional das Artes e Métiers (França).

- PUBLICIDADE -

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui