SmartX lança portais RFID multilineares

A tecnologia que reúne múltiplas antenas em posições distintas permite realizar leituras onde não se pode garantir a posição exata das tags e a custos menores

Edson Perin

A SmartX Tags está lançando no Brasil sua linha de portais especiais de identificação por radiofrequência (RFID) com tecnologia multilinear, que permitem a leitura controlada e eficiente de tags dispostas em posições diversas e a custos bem menores de implantação. “Nada de excesso de leitura, apenas o essencial”, diz o CEO Pedro Moreira.

A SmartX já possui alguns clientes adotando este novo conceito de portal. Alguns clientes, por questões contratuais ainda não permitem a divulgação de seus projetos. Além de empresas de varejo, como a Havan, existem companhias do segmento de indústria de linha branca e hospitais que adotam esta tecnologia.

À esquerda, caminhões nas docas com o portal SMTX ao fundo; e, à direita, o portal visto de lado, com os caminhões nas docas

A tecnologia multilinear, consiste em reunir em um mesmo elemento de antena, múltiplas antenas lineares, em série e posicionadas em ângulos distintos a fim de favorecer maior cobertura de leitura para ambientes complexos, onde não se pode, por exemplo, garantir a posição de uma tag aplicada ao objeto. “Não importa se a tag está posicionada na vertical, horizontal ou perpendicular à antena, a leitura ocorrerá da mesma forma”, garante Moreira.

De acordo com Alexsandro Eloi Venancio, RFID Product Owner da Havan, para o projeto de expedição de mercadorias da companhia, “realizamos testes com diferentes modelos de portais, sendo que as grandes complexidades eram as reflexões e a garantia de 100% de leitura das gaiolas que passavam pelo portal. O modelo de antenas proposto pela SmartX apresentou um ótimo resultado de leitura, já que a antena projeta a leitura por todo o comprimento do portal, como se fosse uma cortina”.

“Desta forma, foi possível trabalhar com uma potência bem baixa das antenas, reduzindo a zero os problemas de reflexão de sinal e o mais importante, garantindo 100% de leitura”, diz Venancio. “A Havan possui uma equipe interna de desenvolvimento de software e optou pelo desenvolvimento do middlware e da aplicação, porém, o apoio e troca de experiências realizadas com a equipe da SmartX foi essencial para o sucesso do projeto, inclusive são nossos parceiros em fornecimento de outros equipamentos e etiquetas”.

Comparando-se as tecnologias de polarização de antenas mais populares para RFID com a tecnologia multilinear, as antenas com polarização linear permitem leituras de tags RFID em maiores distâncias devido à sua direcionalidade, permitindo menor ângulo de leitura. Para que a leitura ocorra com sucesso nestas condições, o tag RFID deve ser posicionada na horizontal ou no mesmo plano da antena.

Um exemplo de aplicações que utilizam antenas com polarização linear são as praças de pedágios, onde a necessidade é efetuar a leitura a grande distância e em apenas uma faixa de rodagem, portanto, com menor ângulo de abertura.

As antenas com polarização circular permitem leituras de tags RFID em menores distâncias e ângulos maiores de leitura. Para que a leitura ocorra com eficiência, a tag pode estar posicionada na vertical ou na horizontal, sempre em relação ao mesmo posicionamento da antena.

No entanto, explica, Moreira, as tags posicionadas na perpendicular em relação ao plano da antena (horizontal, nas antenas superiores ou vertical nas antenas laterais) podem ter suas leituras prejudicadas. Uma técnica, comumente adotada para a leitura das tags na posição perpendicular ao plano das antenas laterais de um portal é a adoção de antenas na parte superior, deixando as antenas posicionadas nas laterais para garantir a cobertura das tags posicionadas na vertical e horizontal.

Alexsandro Eloi Venancio, da Havan

No entanto, as tags RFID posicionadas na perpendicular ao plano das antenas laterais e na parte inferior de um palete de mercadorias, ainda assim podem ter suas leituras prejudicadas. “Com isso, mais antenas devem ser posicionadas”, explica Moreira, “o que torna comum encontrar portais com até oito antenas, para garantir 100% de leitura; e isto ainda vai depender do tipo de tag” – implicando em custos maiores de implantação.

São exemplos de aplicações que utilizam antenas com polarização circular as soluções para leituras de bagagens em aeroportos. “Nunca se sabe a posição da tag RFID que deverá ser lida”, esclarece Moreira. “Estando na vertical ou horizontal, a tag tem grandes chances de ser lida por uma das inúmeras antenas com polarização circular estrategicamente posicionadas”.

Pedro Moreira, da SmartX

As antenas com polarização multilinear permitem leituras de tags RFID em menores distâncias, devido ao tamanho reduzido de suas múltiplas antenas integradas. Ou seja, possuem menor ganho em relação às antenas circulares e lineares, mas permitem leituras mais eficientes de um maior número de tags em um menor espaço, evitando leituras indesejáveis nas redondezas dos portais.

Com a adoção de técnicas de confinamento de sinal RF (radiofrequência), torna-se possível limitar a zona de leitura e adotar maior potência de sinal nos interrogadores RFID, sem efetuar a leitura indesejável em zonas de leituras vizinhas. Tentativa de implantação desta tecnologia no passado, no Brasil, não foram bem sucedidas.

“Com a expertise e experiência prática dos técnicos da SmartX, assumimos o desafio”, diz Moreira. “Agora, os portais estão oferecendo resultados. Portanto, a adoção de antenas multilineares não é uma novidade no Brasil. A novidade é a execução e a fabricação adequada dos portais”.

Com os novos portais, independente do posicionamento das tags nos produtos, a eficiência de leitura é praticamente a mesma devido aos inúmeros planos presentes em uma antena multilinear, criando a possibilidade de segregar múltiplas zonas de leitura, adotando para isto um único leitor RFID).  “Isto é possível, porque a tecnologia das antenas multilineares permite a adoção de um número reduzido de antenas, duas por portal”, afirma Moreira. A adoção de um único leitor também reduz o custo de investimento do portal RFID.

Os portais RFID para recebimento e expedição de itens em docas de Centros de Distribuição (CD), devido à proximidade entre as docas, são exemplo de aplicações que terão ganhos com a utilização de antenas com polarização multilinear. “A tecnologia de antenas multilineares foi desenvolvida pela ESL Electro Science Laboratory, da Ohio State University, pelo Dr. Den Burnside, então diretor e professor emérito da mesma universidade”, diz Moreira.

Comparativo entre a patch antenna dos portais tradicionais com as antenas multilineares usadas pelos portais SMTX

Esta tecnologia permite a leitura eficiente apenas dos produtos passantes pelo portal, o que evita leituras de produtos de fora da área desejada de leitura, ou seja, de produtos já recebidos anteriormente e que estão armazenados nas proximidades das docas ou de produtos que estão sendo carregados ou descarregados em docas vizinhas.

Os portais são de fabricação própria da SmartX e são denominados SMTX Portals. Adotam como componentes antenas multilineares, frutos de acordos exclusivos entre a SmartX e o Electro Science Laboratory, da Ohio State University, representados pela empresa Newave Inc., também de Ohio. Neste acordo, a ESL fornece antenas multilineares e a SmartX produz no Brasil os portais, seguindo as orientações técnicas.

“Desta forma, por questões logísticas, não faz sentido importar volumosos e pesadas estruturas de portais dos EUA”, explica Moreira. “Apenas os leves e pouco volumosos elementos das antenas são importados e a montagem da estrutura dos portais torna-se realizável no Brasil”.

Os portais se destinam à leitura de muitos itens e em ambientes complexos, onde existem múltiplas zonas de leituras nas proximidades, devido a sua eficiência, sem “espalhar” demasiadamente o sinal RF. Não são recomendados, porém, onde a distância de leitura seja o requisito mais importante. Até mesmo por sua característica técnica de leitura em cobertura delimitada e em curta distância, no máximo seis metros de largura e até três metros de altura, ou uma cortina RF máxima de 18 metros quadrados.

Comparados aos portais convencionais, o SMTX Portal possui um custo menor, uma vez que é possível construir até dois portais, utilizando apenas um leitor de quatro portas. Adotam-se duas portas do leitor para cada portal, sendo as portas um e dois para o portal um e as portas três e quatro para o portal dois.

- PUBLICIDADE -

1 COMENTÁRIO

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui