Smartphones se integram a leasing de aeronaves via BLE

A implantação de um sistema de controle de acesso pela Avolon facilita a entrada dos funcionários, sem contato, bastando tocar o smartphone em uma interface segura

Claire Swedberg

A empresa aeroespacial Avolon está empregando uma solução que aproveita a tecnologia Bluetooth Low Energy (BLE) para acesso físico em sua sede em Dublin, Irlanda, bem como em três outros sites globais. O sistema permite que funcionários autorizados tenham acesso, usem elevadores e acessem áreas seguras por meio de seus smartphones. A solução, fornecida por HID Global, permite que a empresa mantenha um perímetro seguro sem presença excessiva de segurança, de acordo com Avolon.

Desde o início da pandemia COVID-19, a tecnologia permitiu aos trabalhadores obter credenciais sem fio em seus telefones, receber acesso personalizado de acordo com sua função na empresa e usar seus telefones em qualquer local da Avolon. Os leitores Mobile Access BLE e iCLASS da HID são implantados em locais importantes, incluindo entradas de prédios e outras áreas seguras, e os trabalhadores podem simplesmente baixar o aplicativo, apresentar seu telefone a um leitor e obter acesso sem ter que tocar nas portas ou usar crachás, cartões ou colhedores.

Desde que os sistemas foram colocados em operação, houve menos casos de funcionários sendo bloqueados ou precisando de ajuda para acessar os prédios, diz Allan Dawson, gerente da equipe de serviço no local de trabalho da Avolon, e a empresa agora tem um gerenciamento centralizado melhor para fornecer as credenciais apropriadas para cada funcionário. A empresa de leasing de aeronaves possui uma frota de aproximadamente 850 aeronaves. Em 2017, ela adquiriu a empresa americana de leasing de aviões CIT Group, dobrando o tamanho de seus negócios.

Naquela época, a empresa exigia mais espaço de escritório e, portanto, mudou-se para uma instalação maior. Agora, possui sites adicionais em Hong Kong, Nova York e Flórida. Quando a Avolon se mudou para sua sede em Dublin, sua equipe ocupou todos os 77.000 pés quadrados da nova construção. Anteriormente, a empresa alugava parte de um prédio, que compartilhava com outros inquilinos. No novo local, a empresa teve a oportunidade de instalar um sistema de controle de acesso em todo o prédio para seus próprios funcionários. A Avolon testou os leitores da HID, lembra Dawson, e decidiu adotar a solução.

Tradicionalmente, o controle de acesso exigia que os indivíduos se lembrassem de trazer seus cartões de identificação para o trabalho e de carregá-los ao sair para almoçar ou usar o banheiro. Como tal, o cartão pode muitas vezes ser esquecido. Portanto, a empresa buscou possibilitar que seus trabalhadores acessassem o prédio por meio de seus telefones celulares. O uso de smartphones proporcionou vários benefícios, explica Dawson. Por um lado, diz ele, embora os trabalhadores se esqueçam de um cartão de identificação em sua mesa ou em casa, “A maioria das pessoas trata seu celular como uma barra de ouro – raramente fica fora de vista por mais de alguns segundos.”

Além disso, a Avolon percebeu que permitir que o telefone de cada funcionário seja o ponto de autenticação, não importa onde eles estejam localizados, forneceria controle de acesso personalizado para cada indivíduo em todos os sites da empresa. Os trabalhadores em viagem poderiam acessar as instalações por meio de seus telefones, em vez de adquirir um cartão de acesso para cada local específico. A solução foi implantada por integrador de sistemas Summit Security Systems, usando leitores HID Mobile Access. O gerenciamento e a alocação de credenciais de controle de acesso são fornecidos por meio do portal de gerenciamento de acesso móvel baseado em nuvem, conhecido como Origo.

Os funcionários primeiro adquirem permissão de acesso baixando o aplicativo Mobile Access em seu dispositivo baseado em iOS ou Android e, em seguida, solicitando autorização para usar seu telefone para acessar os negócios da Avolon. O software confirma os IDs dos funcionários, inscreve-os na plataforma HID e envia por e-mail um código de segurança com o qual eles podem acessar o aplicativo. Sua autorização de acesso está vinculada ao seu smartphone ou outro dispositivo. O acesso pode ser personalizado para permitir que os trabalhadores entrem em quartos protegidos específicos dentro do edifício, bem como na garagem de estacionamento e armazenamento de bicicletas.

O software Seos da HID armazena as credenciais de cada indivíduo em um servidor baseado em nuvem. Esse era um recurso importante, diz Dawson, já que a Avolon queria um sistema que pudesse capturar e armazenar dados na nuvem para que a solução pudesse ser acessada de qualquer local, permitindo que os funcionários atualizassem ou confirmassem a autorização de acesso. Isso é especialmente vital, observa ele, com tanto pessoal trabalhando fora de seus escritórios. Por exemplo, alguns trabalhadores se juntaram à Avolon durante a pandemia. Com a nova solução implementada, “Podemos fornecer acesso remoto a eles diretamente em seus telefones”.

Os leitores são posicionados nas entradas, bem como no estacionamento compartilhado. A implantação da garagem exigiu engenharia para permitir uma solução de controle de acesso diferente para os funcionários da Avolon, enquanto os trabalhadores de outras empresas usavam seu próprio sistema de acesso. A Avolon instalou o leitor HID dentro do portão, com integração aos controles do portão. O sistema oferece diferentes níveis de segurança como opções e permite aos usuários obter acesso com uma tag (o caso de uso mais comum). Um segundo fator de autenticação está disponível para áreas de alta segurança; os usuários podem aproveitar a função de identificação facial do telefone ou inserir a senha do dispositivo no telefone para serem identificados.

Os trabalhadores que chegam de carro podem abrir uma janela, estender o telefone e girá-lo, fazendo com que o leitor detecte a identificação do telefone e, se a autorização for aprovada, o portão seja aberto. Eles podem então dirigir para o estacionamento. Ao exigir o movimento de torção, o sistema só é acionado para se comunicar com o telefone de quem está buscando acesso. Isso evita leituras errôneas de telefones nas proximidades, que podem ser transportados por indivíduos que não buscam acesso.

A solução também está instalada na arrecadação de bicicletas, espaço dedicado no estacionamento e que pode ser acessado pela garagem ou por elevador. Os portões do leitor BLE são usados ​​em seis entradas de edifícios, bem como na garagem. Além disso, os leitores são implantados nas entradas de áreas de arquivo, depósitos, salas de TI e elevadores. A empresa substituiu recentemente seus leitores existentes por leitores HID Sigma que exigem um PIN de segurança de toque para autenticação de dois fatores.

Avolon usa os dados coletados apenas para controle de acesso, diz Dawson, e não armazena ou visualiza as informações para gerenciamento de pessoal. “Este é apenas um sistema de acesso”, afirma. “Ele permite que você entre e saia. Não o estamos usando para rastrear os movimentos das pessoas.” O sistema se mostrou mais benéfico durante a pandemia, acrescenta, já que os trabalhadores podem obter credenciais sem se reportar a um escritório, bem como acessar o local sem ter que tocar em maçanetas ou cartões. A empresa também está implantando um sistema de CFTV que pode vincular um videoclipe de três segundos a essa ação para processos de segurança. “É puramente um sistema de segurança”, afirma, para proteger o negócio, a propriedade e os trabalhadores.

A tecnologia abre espaço para expansão ao longo do tempo. “A escalabilidade de nossa solução estabelece a base para a Avolon estender facilmente o acesso móvel a mais de suas instalações”, disse Harm Radstaak, vice-presidente sênior da HID Global e chefe de soluções de controle de acesso físico. O sistema ajudou a Avolon a coletar alguns dados inesperados, como os modelos de smartphones em uso e se estão, por exemplo, rodando a última versão do iOS.

“[É] útil para nós ver que tipo de dispositivos existem”, diz Dawson. Se um sistema operacional mais antigo apresentar problemas de segurança em potencial, a empresa pode enviar uma mensagem sugerindo que o usuário atualize seu software para aumentar a segurança. Quando se trata de implantar uma nova tecnologia, ele afirma: “Estamos sempre interessados ​​no que vem a seguir. Não foi uma venda difícil. Os benefícios são a consistência em todos os nossos locais”.

- PUBLICIDADE -

LEAVE A REPLY

Please enter your comment!
Please enter your name here