Sistema detecta quedas de produtos sensíveis ao choque

Empresas aeroespaciais e automotivas estão entre as que rastreiam potenciais choques em bens na cadeia de abastecimento com solução da SpotSee

Claire Swedberg

Danos ocorrem com cerca de 2% de todos os produtos remetidos, de acordo com a SpotSee, uma empresa especializada em detecção de choque, dizendo que varejistas normalmente absorvem esse custo. Quando, onde e como o dano ocorre, muitas vezes não está claro. A SpotSee enfrentou esse desafio com uma variedade de soluções nas últimas décadas, mas, mais recentemente, introduziu a tecnologia de identificação por radiofrequência (RFID) para capturar dados sem fio. Com RFID, algumas empresas estão aproveitando sua tecnologia de leitura RFID existente para a cadeia de suprimentos e gerenciamento de estoque para também coletar dados de choque automaticamente.

A solução ShockWatch RFID da SpotSee consiste em um indicador de impacto habilitado para UHF passivo. A empresa tem parceria com integradores de sistemas que podem fornecer integração com software existente ou serviços de software baseados em nuvem. Os dispositivos ShockWatch sem bateria, que contêm um indicador mecânico de baixo custo e um chip RFID, coletam energia da interrogação UHF da etiqueta para transmitir uma ID exclusiva e observar se ocorreu um evento de choque.

ShockWatch RFID, da SpotSee

Inúmeras marcas, fabricantes de equipamentos originais e empresas de transporte estão usando o sistema, embora tenham pedido para permanecer anônimos. Mais comumente, a tecnologia é usada para detectar impactos em bens como peças aeroespaciais ou automotivas, equipamentos médicos sensíveis ou eletrônicos. O produto ShockWatch foi projetado para evitar comportamentos inadequados de manuseio, explica a empresa, uma vez que os usuários sabem que a tecnologia existe.

No caso de ocorrer um incidente, como uma queda ou outro impacto forte que possa causar danos, o sistema fornece dados e análises de software para ajudar os remetentes ou proprietários do produto a entender o que ocorreu, resolver o problema e evitar futuros incidentes. A empresa fabrica produtos para identificação e prevenção de danos no transporte desde 1974. Como as coisas podem dar errado na cadeia de suprimentos, os danos no transporte custam cerca de US $ 2,3 trilhões em todo o mundo a cada ano, de acordo com Tyson Stuelpe, líder de vendas global da SpotSee.

Os clientes da SpotSee alcançaram uma redução de aproximadamente 40 a 60 por cento nos danos quando o sistema é implantado, de acordo com Jan Van NieKerk, vice-presidente de engenharia e inovação da empresa. SpotSee fornece sensores de impacto mecânico que exibem uma notificação visual se um impacto ocorreu. O dispositivo de impacto vem com uma janela, uma bobina e uma folha de plástico vermelha que desliza para dentro da janela para que possa ser visualizada em caso de impacto. A empresa também incorporou outros sensores ambientais e conectividade celular para rastrear mercadorias de alto valor em trânsito.

Em 2017, a SpotSee combinou várias de suas marcas, incluindo ShockWatch, para criar uma rede de rastreamento projetada para ajudar os clientes a identificar danos aos seus ativos em tempo real, não importa onde na cadeia de abastecimento tais danos possam ter ocorrido. Se um item etiquetado sofrer uma queda ou outro evento de impacto, a liberação mecânica do sensor indica visualmente essa ação, e o sistema pode transmitir esses dados para que os usuários não precisem verificar fisicamente a frente de cada dispositivo. “Ao adicionar RFID, usamos tecnologia de ponta moderna e onipresente para detectar e transmitir o status deste indicador”, diz Van NieKerk, acrescentando: “O fato de não termos que usar uma bateria significa que tem vida útil ilimitada”.

Para configurar o sistema, os usuários devem configurar os dispositivos. Eles inserem quatro linhas de código relacionadas a ditames como a quantidade de memória necessária e quantas palavras precisam ser lidas durante um interrogatório. As etiquetas podem ser colocadas em uma caixa ou anexadas a um produto. As empresas estão implantando os dispositivos na cadeia de suprimentos, bem como quando são utilizados itens (equipamentos elétricos, por exemplo). Como tal, os dispositivos são aplicados em toda a cadeia de abastecimento, onde quer que ocorram danos. Alguns clientes estão aplicando as etiquetas em equipamentos sensíveis no ponto de uso, relata Van NieKerk, para garantir que tais itens sejam manuseados com cuidado.

No caso de uso mais comum, as tags são aplicadas pelos fabricantes e outros ao longo da cadeia de suprimentos. Depois que as etiquetas são programadas e aplicadas, elas são lidas nos pontos de envio e recebimento, como em um armazém ou porta de doca de centro de distribuição. “No entanto, como o RFID torna o estoque rápido e conveniente, as etiquetas também são lidas durante as sessões de estoque”, diz Van NieKerk. Por exemplo, um usuário equipado com um leitor portátil pode capturar as etiquetas de mercadorias em um depósito para duas finalidades: contagem de estoque e detecção de danos.

Quem pode acessar os dados resultantes pode variar, explica Van NieKerk. As empresas podem configurar software proprietário e determinar quais partes interessadas podem compartilhar o acesso aos dados conforme um produto se move pela cadeia de suprimentos ou podem criar um sistema público de blockchain. Para os fabricantes, as etiquetas podem reduzir o custo das mercadorias devolvidas devido a danos, impedindo que danos ocorreram e detectando quem era o guardião quando isso aconteceu. Os varejistas, por sua vez, podem se beneficiar ao saber se um produto sofreu um choque ao receber novos produtos.

O alcance de leitura é projetado para ser longo o suficiente para que as etiquetas possam ser lidas à distância da largura típica de uma porta de doca, relata Van NieKerk. As tags podem ser interrogadas por qualquer leitor RFID UHF pronto para uso. Embora a solução seja mais comumente usada nos setores automotivo e aeroespacial para rastrear produtos fabricados e integrados em montagens, ela também é usada para rastrear eletrônicos, como racks de servidores que se deslocam para seu destino, ou para monitorar equipamentos médicos ou outros altamente calibrados instrumentos. Outros casos de uso incluem o transporte de alimentos, bem como bebidas embaladas em recipientes de vidro.

O dispositivo indicador RIFD é à prova de violação, de modo que pode ser detectado visualmente se o adesivo foi quebrado. Por não ter bateria, relata a empresa, o dispositivo provavelmente funcionará por uma década. “Oferecemos uma vida útil de dois anos com base na vida útil do adesivo”, diz Stuelpe. Versões futuras das tags podem incluir indicadores de temperatura.

A etiqueta RFID ShockWatch tem um preço de varejo sugerido de US $ 2,40 por etiqueta, que cai em grandes volumes. “Como você tem indicação visual, pode começar a usá-lo na cadeia de suprimentos sem um leitor RFID”, diz Van NieKerk, e então implantar o RFID em um sistema de cadeia de suprimentos. Os produtos fornecem limites de sensibilidade de 5 a 75 g de força. Existem sete incrementos fornecidos e os usuários podem combinar esses limites com a fragilidade relativa dos produtos que estão sendo enviados. O SpotSee fornece tabelas para ajudar as empresas a identificar a sensibilidade da força-g de que podem precisar, com base nos produtos monitorados.

“Muitos de nossos clientes simplesmente executam testes” com seus próprios produtos, explica Van NieKerk, para determinar a melhor sensibilidade do dispositivo necessária. Os sensores podem detectar a direção do impacto vertical ou horizontalmente, com base na chave mecânica. Os usuários que buscam detecção de direção de todos os lados podem usar duas tags para fornecer detecção de impacto norte-sul ou leste-oeste. As empresas podem usar vários dispositivos configurados para diferentes faixas de detecção de impacto da força g para entender a intensidade do impacto. Como não há bateria, o dispositivo não registra a hora do impacto. “A chave para muitos de nossos clientes”, diz Van NieKerk, “é não saber a hora exata [de um evento], mas entender a custódia no momento de um incidente.”

Para dados em tempo real, a empresa oferece um detector de danos baseado em celular conhecido como SpotBot Cellular. Se a unidade detectar um impacto, ela imediatamente transmite os dados pela rede celular local. Essa detecção por meio de dados em tempo real ajudou um grande fabricante de automóveis a identificar a causa dos pára-brisas danificados vindos de um fornecedor específico, diz van NieKerk. Depois de instalar um SpotBot em um palete carregado com pára-brisas, a empresa descobriu um cruzamento ferroviário que dava ao caminhão de entrega um solavanco significativo toda vez que passava pelos trilhos. Depois que a travessia foi consertada, diz ele, nenhum dano foi encontrado.

- PUBLICIDADE -

LEAVE A REPLY

Please enter your comment!
Please enter your name here