Showrooms virtuais para varejo levam até treinamento

Várias empresas começaram a alavancar o sistema XR da MetaVRse para experiências virtuais 3D, enquanto a empresa tem planos de longo prazo para educação virtual

Claire Swedberg

A MetaVRse está oferecendo às empresas uma nova experiência de compra, treinamento ou passeios, em um showroom virtual, em vez da presença física previamente exigida. A solução baseada na Web permite que os usuários entrem no showroom digital de uma loja e movam os produtos em um ambiente 3D como se estivessem fisicamente lá. Eles podem visualizar produtos de diferentes ângulos, ampliar, olhar para dentro e acessar conteúdo relevante como vídeos. “A solução oferece uma perspectiva totalmente nova sobre o varejo”, diz Alan Smithson, cofundador e CEO da MetaVRse.

Além disso, o sistema ajuda na educação, trazendo tudo, desde um procedimento cirúrgico até o funcionamento de um novo dispositivo eletrônico de consumo em uma experiência virtual tridimensional, como parte do que a empresa chama de configuradores 3D interativos. Os indivíduos podem explorar um objeto, ver seu funcionamento interno e, assim, aprender como operá-lo, mantê-lo ou repará-lo. A plataforma de software pode incluir demonstrações interativas de produtos, inspeções ou manutenção, como alguns exemplos.

Normalmente, as empresas exibem produtos representados por modelos CAD e também podem fornecer fotogrametria, modelagem 3D ou digitalização de detecção e alcance de luz (LIDAR) em seus showrooms. O resultado, diz Smithson, é uma experiência imersiva e interativa que uma empresa pode oferecer aos clientes, clientes ou funcionários, com uma quantidade limitada de codificação e nenhum dispositivo especial necessário. As empresas que começaram a usar o sistema pediram para permanecer anônimas, mas ele diz que se enquadram em vários setores: moda e vestuário, automotivo, arquitetura, imobiliário e saúde.

Experiências 3D interativas não são nenhuma novidade. Diversas organizações já implantaram a tecnologia para jogos e outros aplicativos, que normalmente são gerenciados por meio de um aplicativo. No entanto, essas soluções podem ser limitantes quando se trata de usar uma variedade de dispositivos, navegadores e sistemas operacionais, diz Smithson. O objetivo do MetaVRse, portanto, é permitir a concepção de uma experiência 3D a partir de qualquer navegador ou dispositivo, usando o motor de jogo 3D da empresa, e fornecer acesso a essa experiência para os consumidores.

A empresa passou quatro anos no desenvolvimento furtivo antes de lançar o showroom virtual em junho de 2020. Mais recentemente, formou parcerias globais com uma variedade de empresas de tecnologia, incluindo Qualcomm, empresa de jogos Oculus, empresa de software Autodesk, fabricante de GPU Nvidia, empresa de tecnologia Creative Laboratório de destruição e fábrica de fundadores de aceleradores.

Com o sistema, diz Smithson, os usuários criam experiências personalizadas com a funcionalidade de editor 3D baseado na Web de arrastar e soltar da empresa. No centro da solução está o que a empresa chama de “realidade estendida” (XR), um meio de comunicação interativo com interação 3D e computação espacial que combina realidades virtuais, aumentadas e mistas. A modelagem pode ser realizada com imagens CAD, fotogrametria que oferece recursos de levantamento e mapeamento ou digitalização LIDAR que pode capturar a digitalização de um edifício, formação ou outro objeto, com base na luz refletida.

“Nossa missão é desbloquear o poder dessas tecnologias, diz Smithson. Os usuários primeiro criam seu showroom no modo de editor, abrindo uma cena e, em seguida, adicionando imagens, vídeos, texto e objetos 3D. Se eles não puderem criar suas próprias imagens, eles podem comprar Imagens 3D ou adquira-as de um fabricante de produtos. O showroom pode acomodar até 40 megabytes de dados por cena.

Para os varejistas, o sistema foi projetado para ajudá-los a colocar os produtos em exibição, vincular esses produtos a conteúdo adicional e oferecer opções de compra. Os compradores podem, por exemplo, explorar um sapato de vários ângulos, incluindo a sola e o interior, antes de fazer uma compra. O showroom pode fornecer exibições de marketing ou publicidade para os consumidores. No entanto, o sistema também está sendo usado por empresas que oferecem treinamento virtual. Uma empresa poderia, por exemplo, criar uma imagem 3D de um equipamento de forma modular para que ele pudesse ser aberto ou desmontado e, em seguida, permitir que os consumidores ou funcionários visualizassem informações sobre como fazer a manutenção desse item.

Para a área de saúde, a solução XR pode ajudar no treinamento cirúrgico, fornecendo uma imagem 3D de um paciente. O sistema também pode ser aplicado a tecnologias de Internet das Coisas (IoT). Por exemplo, se um indivíduo estivesse usando sensores baseados em IoT para capturar sua localização, ele poderia acessar imagens e conteúdo relevantes com base em onde estava, como instruções de operação de máquina para uma estação de trabalho. Em outro caso de uso, o gerente da frota de um navio poderia entrar na ponte de um navio específico e aproveitar os dados do sensor IoT, junto com os visuais do sistema XR, para se mover dentro do espaço, ampliando as visualizações de dados específicos do console usando 5G ou outra conectividade sem fio.

A natureza aberta da tecnologia significa que as soluções resultantes serão altamente diversificadas, afirma Smithson. “Nosso sistema é aberto para a Web e funciona em todos os navegadores”, afirma ele, bem como com dispositivos baseados em Android e iOS para o Apple iPhone 6 e superior. O sistema é gratuito para usuários básicos para até cinco projetos e 5.000 visualizações por mês. As empresas que criam mais projetos ou obtêm mais visualizações pagam uma taxa mensal.

Smithson e sua esposa Julie lançaram o MetaVRse em Ontário, Canadá, em 2016. Desde então, a empresa desenvolveu soluções como uma cabine fotográfica VR, WebAR, ARPortal e uma plataforma de vídeo de 360 ​​graus. Seu sistema de navegação foi desenvolvido por outra empresa, a Cherry 3D, que agora faz parte do MetaVRse. A empresa espera que as implantações comecem de forma simples, diz Smithson, mas os showrooms virtuais são projetados para expandir conforme os usuários ganham conforto com a tecnologia.

“Encorajamos primeiro os pequenos testes”, afirma Smithson. “Leve para sua equipe de tecnologia, para sua equipe executiva. Experimente, brinque com isso.” Os projetos foram desenvolvidos dessa forma, ele explica, com implementações completas em questão de semanas. A visão de longo prazo é muito maior, no entanto. “Está começando a crescer como uma bola de neve. Nosso objetivo final é usar a tecnologia para o aperfeiçoamento da humanidade.”

Como parte desse esforço, os Smithsons estão dedicando 25 por cento de suas ações do MetaVRse para construir um novo sistema educacional pelo qual os alunos de todo o mundo possam frequentar salas de aula virtuais de maneira econômica, social e ambientalmente sustentável. A longo prazo, o MetaVRse tem uma visão de VR, AR, XR e AI tornando-se a vida cotidiana, e eles prevêem que todos poderão usar óculos em 2025, fornecendo assim uma camada digital de dados que fornecerá “habilidades sobre-humanas”.

- PUBLICIDADE -

LEAVE A REPLY

Please enter your comment!
Please enter your name here