Serviços gerenciados mudam eficiência nas instituições financeiras

À medida que as corporações financeiras abraçam a modalidade, abrem portas para uma transformação sustentável

Vitor Borges

As instituições financeiras terão que enfrentar desafios importantes durante os próximos meses globalmente. A desaceleração da economia mundial, por exemplo, não irá facilitar a geração de receita e o controle dos custos. A indústria ainda poderá ser impactada por fatores como taxas de juros mais altas, regulamentações mais assertivas, mudanças climáticas e tensões geopolíticas. Influências nos modelos de negócios também serão mais sentidas a partir do desenvolvimento de novas tecnologias e tendências focadas em ajudar no atendimento às necessidades dos clientes, que precisarão ser adotadas pelas empresas que quiserem se manter competitivas.

Diante deste cenário, será necessário atuar com convicção e muito mais agilidade para prosperar. E isso envolverá seguir investindo na modernização das organizações para mitigar novos riscos, enquanto aproveitam oportunidades de crescimento. Manter o foco na gestão de gastos e na aceleração da transformação tecnológica será mais importante do que nunca, para oferecer excelentes oferta aos clientes e planejar o futuro.

Um importante caminho para colocar isso em prática está na adoção de serviços gerenciados. Estimativas indicam que em 2027 o mercado global desses serviços chegará a US$ 1,4 trilhão. A cifra é clara: as companhias estão confiando cada vez mais nos serviços gerenciados como uma ferramenta essencial em sua estratégia e execução de negócios, para permitir uma prática muito mais centrada no cliente, rápida e econômica.

Os serviços gerenciados para o mercado financeiro significam a ampliação do valor agregado para todos os componentes da operação. A partir de sua implementação, é possível eliminar a complexidade para transformar as operações com mais performance e inovação. Colaboradores passam a trabalhar em funções mais estratégicas, concentrando-se no que irá elevar o crescimento da empresa, fortalecendo a vantagem competitiva em um ambiente cada vez mais complexo. 

Com os serviços gerenciados, as organizações não precisam investir diretamente na construção e manutenção de infraestrutura, software, ferramentas e outros recursos, que não fazem parte da essência básica de sua atividade. Ao escolher uma abordagem de serviços gerenciados, as instituições financeiras definem o resultado que desejam alcançar e deixam para parceiros a adequação do ambiente tecnológico para chegar aos objetivos traçados. No entanto, vale ressaltar que esse movimento não se trata apenas de adotar tecnologia, mas sim de repensar fundamentalmente a maneira como operam e interagem com o negócio. 

A inovação não se torna apenas mais rápida com esta medida, mas também muito mais inteligente, pois a companhia passa a ter acesso seguro, facilitado e mais econômico a tecnologias voltadas para automação e análise de dados, por exemplo, de forma escalável. Assim, pode obter insights robustos e altamente valiosos para definir e executar melhor e mais rapidamente sua estratégia de inovação.

Nos caixas eletrônicos, por exemplo, viabilizar um modelo operacional mais ágil, que aumente a eficiência de custos, a disponibilidade do terminal, a gestão dos dados gerados ou trafegados nele, e a satisfação do cliente são importantes para que as interações no autoatendimento sejam elevadas. Os serviços gerenciados permitem que os aspectos de TI, como manutenção de servidores, atualizações de software e suporte técnico dos caixas eletrônicos sejam cuidados por especialistas.

Com as obrigações da indústria e regulatórias em constante mudança, garantir a conformidade está se tornando cada vez mais desafiador.

Os projetos de serviços gerenciados seguem uma abordagem holística e eliminam silos, reunindo a tecnologia mais avançada e os melhores especialistas para que esse desafio também seja superado. Dessa forma, é possível garantir que a segurança, a gestão de riscos, a eficiência e a conformidade estejam no cerne de qualquer projeto de transformação.

A jornada de adoção dos serviços gerenciados pode ser bastante única para cada instituição, mas há alguns pontos que todas possuem em comum: elas precisam remodelar sua atuação, inovar e crescer com muita rapidez. Os serviços gerenciados efetivamente mudam o jogo no mercado financeiro para operações muito mais eficientes. À medida que as corporações financeiras abraçam a modalidade, abrem portas para uma transformação sustentável. Com uma abordagem estratégica e colaborativa, podem enfrentar os desafios do presente enquanto moldam um futuro mais resiliente e próspero para o setor.

Vitor Borges é diretor de serviços sênior Brasil da Diebold Nixdorf

- PUBLICIDADE -