RTLS beneficia a cerveja Budweiser Budvar

Uma solução de banda ultra larga permitiu à histórica cervejaria da República Tcheca localizar empilhadeiras e reduzir o espaço de estoque

Claire Swedberg

A Budweiser Budvar produz cerveja há dois séculos, com uma receita exclusiva. Atualmente, à medida que outros fabricantes abrem postos de engarrafamento em todo o mundo, a Budvar mantém sua tradição com o compromisso de produzir, engarrafar e enlatar sua cerveja em sua localização original em České Budějovice, na República Tcheca. A empresa diz que está usando a tecnologia do século XXI para tornar isso possível.

O guia turístico da Budweiser Budvar afirma que a cerveja da empresa é fabricada com água artesiana tão pura que pode ser consumida por um bebê. De fato, a cidade natal da instalação, conhecida como Budweis, é considerada um dos primeiros locais para cerveja, que remonta a Ottokar II, o antigo rei da Boêmia. Com isso em mente, a empresa vem expandindo e automatizando suas instalações para atender à crescente demanda mundial dos consumidores. A expansão inclui um novo site dedicado à logística, do outro lado da rua, a partir da estrutura existente, e uma passagem aérea para que o produto seja entregue por um sistema de transporte de monotrilho automatizado nessa rua, sem interromper o tráfego.

Para não confundir com a Budweiser da Anheuser-Busch, que é vendida nos Estados Unidos e no Brasil, a Budweiser Budvar tem sua própria receita

A automação tornou mais rápido o engarrafamento e o enlatamento de cerveja, informa a empresa, tornando mais eficiente a entrega para carregamento de veículos. A tecnologia do sistema de localização em tempo real (RTLS), no entanto, é o que garante que os pallets certos sejam apanhados e carregados nos transportadores e nos veículos. A solução da Sewio e Grupo ICZ aumentou a eficiência e a precisão, e também melhorou a utilização do armazém em 19%.

Com as âncoras RTLS UWB que rastreiam tags nas empilhadeiras, bem como as digitalizações de código de barras em cada pallet, a empresa pode localizar automaticamente cada pallet retornável conforme é recebido de volta pelos clientes e depois preparado para reutilização. Também pode rastrear cada pallet cheio de produto acabado, garantindo assim a precisão do recebimento e envio, reduzindo o estoque de pallets.

A Budweiser Budvar vende cerveja a clientes em 76 países. O nome “Budweiser” se traduz em inglês como “cerveja da Budweis”, e a empresa é a única fabricante de cerveja de propriedade do governo tcheco. Para não confundir com a Budweiser da Anheuser-Busch, que é vendida nos Estados Unidos e no Brasil, a Budweiser Budvar tem sua própria receita e não tem planos de engarrafar seu produto além de České Budějovice.

Martin Kormorny, gerente de distribuição principal da empresa, compartilhou sua experiência e ofereceu passeios por suas instalações como parte do Sewio Summit, que ocorreu em setembro de 2019.

A empresa de cerveja produz 1,6 hectolitros de cerveja anualmente, mas planeja aumentar sua capacidade de produção para 2 milhões de hectolitros. Kormorny diz que a venda de cerveja é sazonal, com um aumento nas vendas durante os meses de verão e no Natal. Isso, acrescenta, torna muito mais difícil atender à crescente demanda durante esses períodos.

A Budvar decidiu automatizar grande parte de suas operações, bem como expandir sua área de produção existente, construindo uma nova instalação de engarrafamento, armazenamento e expedição. “Pensando na capacidade”, diz Kormorny, “dividimos logística e produção” e, assim, liberamos mais espaço para os últimos. “Vinculamos firmemente produção e logística”, acrescenta, fisicamente, com um sistema de monotrilho aéreo e no software para garantir a integração dos dados entre as duas operações. A instalação de engarrafamento e logística está em construção há três anos e agora está operacional.

A Budweiser Budvar vende cerveja a clientes em 76 países

Os processos de engarrafamento e conserva são totalmente automatizados, assim como a entrega do produto acabado na área do armazém. As plataformas de software da Budvar incluem um sistema para gerenciar o fluxo de operações, juntamente com um sistema de gerenciamento de transporte e portões leves para monitorar as mercadorias que entram e saem do local, todas conectadas ao sistema de gerenciamento de armazém (WMS) e ao planejamento de recursos corporativos da empresa (ERP).

Os CLPs gerenciam os processos no local quando a cerveja flui para as garrafas, que são seladas, carregadas nos pallets e encaminhadas automaticamente para o armazém. A empresa usa um sistema de fluxo de material (MFS) da SSI Schafer para mover pallets vazios de o armazém para a área de engarrafamento e, em seguida, novamente, carregado com novo produto.

O ICZ Group fornece o software WMS que gerencia dados relacionados aos produtos que se deslocam por toda a instalação. A ICZ recomendou a solução RTLS para que a Budvar obtivesse dados de localização automatizados sobre cada pallet carregado e vazio, e a Budvar obteve o sistema da Sewio, uma empresa local de soluções de banda ultra larga (UWB). Com a solução Sewio, os dados de localização fluem para o software OSIRIS da ICZ, para que a gerência e os transportadores possam ver o que está acontecendo no armazém, confirmar quais pallets estão sendo recebidos ou carregados nos veículos e identificar erros antes da entrega.

Para alcançar esse objetivo, a empresa precisava de uma maneira de permitir que os funcionários selecionassem o produto certo do armazém quando entregassem pallets reutilizáveis ​​de volta ao sistema de produção, bem como quando carregassem pallets cheios nos veículos para o cliente. ordens. Todos os dias, aproximadamente 50 caminhões de cerveja são carregados no local.

A Budweiser Budvar usou a tecnologia UHF RFID no passado. O sistema consistia em leitores em empilhadeiras e etiquetas em pallets, bem como etiquetas fixadas no piso em zonas ou áreas específicas para identificar a localização de cada empilhadeira. No entanto, as antenas dos leitores eram frequentemente danificadas durante as operações, exigindo que os funcionários tivessem tempo para reparar o hardware e colocar os veículos fora de operação. Além disso, as empilhadeiras precisavam desacelerar para garantir leituras apropriadas das etiquetas. Os dados capturados também foram limitados, pois o sistema não rastreou onde uma empilhadeira estava localizada se ela se afastasse do intervalo de tags.

A empresa de cerveja produz 1,6 hectolitros de cerveja anualmente, mas planeja aumentar sua capacidade de produção para 2 milhões de hectolitros

A empresa precisava de uma solução RTLS que rastreasse os locais das empilhadeiras à medida que pegavam e entregavam pallets carregadas com produtos completos, bem como quando recebiam pallets vazias e garrafas recicladas. “Precisamos rastrear as empilhadeiras – e, para isso, precisamos de zonas dinâmicas”, diz Pavel Cizner, consultor da ICZ para o projeto. A empresa instalou 70 âncoras Sewio, suspensas no teto a uma altura de cerca de 6 metros, para criar zonas nas quais os pallets estavam localizados em uma área de 15.000 metros quadrados (161.000 pés quadrados). O sistema fornece precisão de localização em cerca de 30 centímetros (11,8 polegadas).

O software RTLS Studio da Sewio é executado em um servidor local e recebe todos os dados de localização das âncoras, de acordo com Tomas Kocan, líder da equipe de software da Sewio. O software encaminha a localização de cada empilhadeira para o software ICZ WMS da empresa. Enquanto isso, etiquetas de código de barras foram aplicadas a 20.000 pallets, para que cada uma possa ser identificada e vinculada exclusivamente aos produtos carregados nela.

Quando um pallet é carregado com o produto, um monotrilho o transporta para o armazém em um transportador. No momento em que o pallet é recolhido por uma empilhadeira, o número de série do código de barras é digitalizado por ZETES portão de luz. Ao mesmo tempo, como a empilhadeira está dentro do alcance do pallet concluído, o número de identificação da empilhadeira é vinculado ao pallet que foi digitalizado no software de gerenciamento de armazém.

Como a empilhadeira entrega o pallet para uma zona atribuída dentro do armazém, as âncoras capturam a posição do veículo e, assim, determinam para onde a empilhadeira vai ao depositar o pallet carregado em uma zona específica. Dessa forma, o sistema pode determinar exatamente onde cada pallet foi colocado.

Quando um pedido é recebido para um produto em um determinado pallet, o software WMS da Budvar identifica a localização do produto e, em seguida, a atribuição é enviada ao operador do armazém sobre o que precisa ser retirado e o local em que está localizado. Quando a empilhadeira pega esse produto, o software Sewio confirma que o veículo está recuperando o produto correto ou pode emitir um alerta se um erro estiver sendo cometido.

O sistema também trabalha com pallets vazios recebidos dos clientes. “É igualmente importante para nós monitorar o estoque de embalagens retornáveis ​​on-line, com vistas ao planejamento da produção”, afirma Kormorny. À medida que os pallets vazios são recebidos, o scanner ZETES lê o código de barras do pallet e os dados são recebidos no WMS. A empilhadeira que pega o pallet é identificada com base em sua localização na entrada, e a solução rastreia onde o pallet é empilhado para limpeza e reutilização.

Ao rastrear esses dados, a empresa garante que os vazios estejam sendo usados, que os níveis de estoque de pallets sejam adequados e que o pallet certo seja entregue à cervejaria para reabastecimento do produto. Sewio relata que a solução RTLS tem um tempo de trabalho de 99%, enquanto o sistema passivo de RFID operava apenas 80% do tempo necessário. A solução RTLS agora é escalável, permitindo que a Budvar adicione zonas virtuais ao sistema existente a qualquer momento.

Com a tecnologia instalada, diz Kormorny, a Budweiser Budvar pode fazer mais para aumentar sua produtividade. Por exemplo, ele acrescenta: “O software pode avaliar com precisão a OEE [eficácia geral] de cada operação, incluindo o tempo de espera e de condução de cada empilhadeira, a rota de cada uma delas, locais de tráfego intenso e outros dados importantes que podemos usar para otimizar ainda mais o processo”.

Depois de ter esses dados, a empresa pretende começar a pagar aos funcionários com base em sua produtividade. A análise de dados também permitirá à empresa considerar as taxas de erro humano ou medir a carga de trabalho de cada funcionário.

- PUBLICIDADE -

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui