Plataforma centraliza dados para descarte de produtos

A atma.io da Avery Dennison captura e gerencia dados de QR Codes e etiquetas NFC para monitorar cerca de 10 bilhões de itens do ponto de fabricação até as lojas

Claire Swedberg

A Avery Dennison lançou uma plataforma de Internet das Coisas (IoT) para centralizar a criação e o gerenciamento de IDs digitais para identificar e monitorar produtos de maneira exclusiva, no nível do item, desde a fabricação até as cadeias de suprimentos e lojas, bem como após a compra pelos consumidores. A atma.io é uma plataforma baseada em nuvem para gerenciar dados relacionados a identidades digitais de produtos, sejam eles capturados por código QR, Near Field Communication (NFC) ou UHF RFID. “Ele foi projetado para funcionar com qualquer gatilho digital”, diz Max Winograd, vice-presidente de produtos conectados da Avery Dennison.

Embora a Avery Dennison esteja anunciando o lançamento da solução este mês, a tecnologia foi testada e empregada em escala por várias empresas nos últimos dois anos. Esses primeiros usuários são o que a empresa chama de seus clientes farol, e Winograd diz que a plataforma já gerencia dados coletados de mais de 10 bilhões de itens, com 50 novos produtos sendo adicionados à plataforma a cada segundo.

As empresas de farol que alavancam o sistema incluem a fabricante de calçados e roupas esportivas Adidas, que (por meio de seu programa Infinite Play) usa a solução para identificar produtos para reutilização e comércio eletrônico. Na semana passada, a Adidas anunciou que expandirá o Infinite Play para as Américas ainda este ano. A empresa pretende fornecer o recurso, usando códigos QR que podem ser lidos pelos consumidores, para todos os 1,2 bilhão de produtos que fabrica anualmente. Ele também utiliza a tecnologia RFID para gerenciamento de estoque e pode adicionar os dados RFID ao sistema no futuro.

Outras empresas que testaram o atma.io ou estão implantando sistemas para alavancar o software, que pediram para permanecer sem nome, incluem uma marca de calçados que captura leituras de tags tanto de tags NFC quanto de RFID. Essa empresa captura e integra dados de um sistema NFC voltado para o consumidor com a funcionalidade de gerenciamento de estoque baseada em RFID UHF. A nova plataforma, diz Winograd, se destina a lidar com o que tradicionalmente tem sido soluções fragmentadas para identidades digitais. Embora as mercadorias já estejam sendo rastreadas usando uma variedade de tecnologias em várias etapas do ciclo de vida de um produto, ele explica, existem poucas soluções existentes para rastrear digitalmente um produto ponta a ponta.

Embora o RFID possa capturar dados de estoque ou da cadeia de suprimentos, por exemplo, as informações relevantes não são disponibilizadas aos consumidores. Os códigos NFC e QR, por outro lado, estão sendo usados ​​para autenticação de produtos ou para acessar conteúdo pós-compra. No entanto, isso não está necessariamente vinculado às informações sobre o produto antes de sua compra. De acordo com a empresa, o objetivo da plataforma é conectar o universo da fabricação e envio de produtos com o conteúdo e autenticação do consumidor, além de detalhes sobre o descarte e a reciclagem.

A Avery Dennison espera que a plataforma permita que os consumidores se beneficiem da visualização de dados sobre o fabricante de um produto, sua data de validade ou as condições sob as quais foi enviado e armazenado. Marcas e varejistas, por sua vez, podem visualizar dados que indicam como um determinado produto foi utilizado, bem como realizar um diálogo com os clientes após a conclusão da compra, como recomendar itens de acompanhamento ou oferecer manutenção.

O software atma.io, que a Avery Dennison descreve como a “nuvem de produtos conectados”, é uma solução combinada e combinada, afirma Winograd. Embora permita o rastreamento de mercadorias da fábrica ao consumidor, inclui um portfólio de módulos que os usuários podem selecionar para permitir casos de uso específicos, que vão desde a proteção da marca ao envolvimento do consumidor ou sustentabilidade. Com o lançamento da plataforma, a Avery Dennison está fazendo parceria com empresas de tecnologia que podem fornecer integração, hardware e software para ajudar as empresas a começar a capturar e gerenciar dados mais rapidamente.

Historicamente, a Avery Dennison vendeu tecnologia RFID na forma de etiquetas para a identificação única de mercadorias. Em outubro de 2019, lembra Winograd, a empresa examinou pela primeira vez como poderia levar suas ofertas a um novo nível, permitindo que os clientes fossem além de soluções isoladas para identificação exclusiva. “Vimos uma lacuna crítica e decidimos entrar no negócio de software”, diz ele. A empresa era nova no setor de software naquela época, lembra ele, então tais esforços eram arriscados e ousados.

“Foi a primeira vez que a Avery Dennison estabeleceu internamente um negócio de software”, diz Winograd, “em vez de fazer parceria com fornecedores existentes”, e seus objetivos eram ambiciosos: criar uma única fonte de dados que haviam sido fragmentados anteriormente. No caso da Adidas, por exemplo, o sistema impulsiona a campanha Infinite Play, que permite ao consumidor entregar produtos Adidas usados ​​e receber um cartão-presente ou pontos do clube de fidelidade. A empresa pode receber e identificar os produtos que estão sendo devolvidos e, em seguida, remanufaturá-los, reduzindo assim a necessidade de matérias-primas novas e, ao mesmo tempo, reduzindo sua pegada de carbono.

A Adidas começou a usar atma.io para habilitar o sistema no ano passado, quando o projeto Infinite Play foi lançado pela primeira vez no Reino Unido. Com o programa, os clientes fazem a leitura de um código de barras 2D em um produto que está sendo devolvido, usando um aplicativo da Adidas. A empresa então coleta as mercadorias com base nessa solicitação e oferece aos usuários descontos ou cupons apropriados. Para a Adidas, a plataforma permite uma visão da vida útil de um produto.

Outra empresa começou a usar o sistema para conectar dados de tecnologia NFC e RFID. Uma vez que uma etiqueta RFID ou NFC é lida, os dados coletados são gerenciados na plataforma, fornecendo visibilidade dos dados de estoque e da cadeia de suprimentos, enquanto as leituras de etiqueta NFC podem oferecer mais informações sobre os produtos, uma vez que tenham sido comprados. “Agora você pode criar um nascimento do produto no ponto de fabricação”, diz Winograd, e cada etiqueta lida fornece novas informações sobre a fabricação, remessa ou venda de um item.

Outro exemplo pode ser o uso de tags RFID UHF para precisão de estoque, com as tags interrogadas em centros de distribuição e lojas, junto com um código QR impresso na hangtag de cada produto. Os compradores usariam a leitura do código QR para acessar o histórico completo de um produto. As empresas também podem empregar uma etiqueta RFID NFC e UHF dupla que pode ser lida por empresas de logística e varejistas, bem como pelo próprio smartphone habilitado para NFC do consumidor após uma compra. Agora existe uma única plataforma que pode atender a todos esses casos de uso, diz Winograd.

De acordo com Winograd, Avery Dennison está trabalhando atualmente com três das cinco principais marcas de vestuário em soluções baseadas em atma.io, todas as quais estão capturando pelo menos alguns dados de RFID. O desenvolvimento e lançamento da plataforma de software ocorreu durante a pandemia COVID-19, observa ele; isso não foi atrasado pelo surto, e os casos de uso podem estar se expandindo. Por um lado, ele diz, “COVID mudou o comportamento do consumidor e mudou as necessidades relacionadas a como as cadeias de abastecimento devem ser responsivas.” Essas novas demandas nas cadeias de suprimentos de varejo aceleraram os requisitos de informação e, portanto, de inovação tecnológica.

“As marcas precisam das ferramentas para acessar os dados mais do que nunca”, afirma Winograd, “e para fazer alterações com base nas demandas dos consumidores muito rapidamente”. A necessidade de visibilidade em tempo real é, portanto, mais importante do que nunca, acrescenta ele, e ter esses dados todos em um só lugar, em vez de coletados em várias plataformas de software, permitirá que as empresas tenham maiores insights sobre um determinado produto e sua venda.

A COVID-19 pode ter acelerado o crescimento de tecnologias de identificação automática como RFID devido à necessidade de os consumidores terem experiências sem contato, diz Winograd. O RFID permite que os usuários capturem dados sobre um produto específico simplesmente digitalizando uma etiqueta em vez de manipulá-la, enquanto em alguns casos permite check-out no ponto de venda e recursos antifurto, todos os quais podem ser incluídos em um atma.io- solução baseada.

Trabalhando remotamente, relata Winograd, a empresa também conseguiu usar o software baseado em nuvem para implantar sistemas rapidamente para os clientes durante a pandemia. “Isso pode ser ativado rapidamente para marcas”, diz ele, “ou para cadeias de suprimentos, e isso torna possível a adaptação enquanto é remoto”. O desenvolvimento está ocorrendo atualmente na Áustria e na Croácia.

- PUBLICIDADE -

LEAVE A REPLY

Please enter your comment!
Please enter your name here