Pesquisa da Zebra mostra crescimento da IoT

Intelligent Enterprise Index de 2019 constata planejamento maior de Internet das Coisas entre empresas do varejo, manufatura, assistência médica e logística

Claire Swedberg

A taxa de adoção de Internet das Coisas (IoT) continua crescendo em vários setores, de acordo com uma nova pesquisa realizada pela Zebra Technologies, embora a implantação esteja sendo melhor planejada do que no passado. Este ano, a empresa lançou seu terceiro estudo anual Intelligent Enterprise Index (Índice de Empresas Inteligentes), envolvendo 950 participantes em serviços de saúde, fabricação, transporte e varejo.

De acordo com a pesquisa, o crescimento está sendo impulsionado por uma economia sob demanda que exige entregas mais rápidas em transporte e varejo, maior mobilidade para os serviços de saúde e recebimento transparente de materiais e trabalhos em andamento (WIP) para os fabricantes.

O índice de Inteligência Corporativa, da Zebra

No entanto, a empresa descobriu que uma das principais conclusões da pesquisa deste ano não foi tanto a taxa de crescimento, mas a abordagem mais estratégica da implantação da IoT, incluindo o planejamento de soluções com planos de segurança e gerenciamento de dados.

“As pessoas estão instrumentando mais, mas estão fazendo isso de uma maneira mais proposital”, diz Drew Ehlers, futurista global da Zebra Technologies. “É sobre os dados e o que fazer com eles”.

Drew Ehlers

Dos participantes da pesquisa, 24% foram de empresas de assistência médica, 27% dos fabricantes e 26% dos varejistas, enquanto o transporte e a logística representaram os 23% restantes dos entrevistados. Foram entrevistados em nove países: Estados Unidos, Reino Unido, França, Alemanha, México, Brasil, China, Índia e Japão. Cada empresa respondeu a perguntas sobre seu status e visão de implantação da IoT, além de outros 10 critérios, como segurança, planos de gerenciamento de dados, desafios de infraestrutura e adoção.

No geral, a pesquisa descobriu que aqueles que a Zebra chama de “empresas inteligentes”, em andamento ou em fase de planejamento, representam 61,5% das empresas respondentes, contra 55,9% do ano anterior. A empresa define inteligência empresarial como a capacidade de uma empresa de entender o que está acontecendo em suas operações, tanto em tempo real quanto para análises, com uma plataforma para atuar que permite níveis mais altos de crescimento, produtividade e serviço. A IoT é a tecnologia que permite esse tipo de inteligência, afirma a Zebra.

A porcentagem daqueles que concluíram totalmente o planejamento de implantação da IoT aumentou de 8% em 2018 para 18% este ano, de acordo com a pesquisa. A maioria tem um ou mais parceiros estratégicos para fazer isso acontecer e, geralmente, usa um único provedor para gerenciar toda a solução.

A maioria das atividades de implantação ainda está ocorrendo entre as maiores empresas, enquanto as empresas que mais evoluíram em suas soluções de IoT são aquelas que relatam US$ 500 milhões ou mais em receita anual. Além disso, o gasto médio geral de empresas inteligentes é de US$ 6,4 milhões, um aumento de 39% em relação ao ano passado. O número de empresas que afirmam estar quase completas em seu planejamento de implementação da IoT aumentou de 37% em 2018 para 45% neste ano.

O que foi exclusivo da pesquisa mais recente, diz Ehlers, foi a quantidade de planejamento em torno do gerenciamento e segurança de dados. Por exemplo, 58% dos que usavam soluções de IoT em 2018 monitoravam seus sistemas quanto à segurança em tempo real, enquanto a porcentagem deste ano aumentou para 62%.

Normalmente, as preocupações com privacidade e segurança são trabalhadas na fase de planejamento, indica a pesquisa. “A segurança hoje está na vanguarda”, diz Ehlers, para que as empresas possam garantir que os dados sejam protegidos contra terceiros não autorizados. Isso requer segurança incorporada aos dispositivos de IoT na camada física, bem como na conexão sem fio, à medida que os dados são transmitidos para a nuvem e também na camada de aplicativo. “Existe vulnerabilidade em todos esses pontos”, diz ele. “A segurança deve ser planejada e orçada, e deve ser atualizada”.

No passado, Ehlers diz, “algumas pessoas implantaram soluções de IoT e pensaram em segurança após o fato”. Isso significava que eles precisavam determinar como proteger os dados que já estavam coletando. Agora, acrescenta, as parcerias estão considerando a segurança como parte de seu planejamento de implantação.

“É muito proativo agora”, afirma, “com planos para fatores de mitigação e futuras vulnerabilidades”. Depois, há a questão do gerenciamento de dados. Enquanto 39% disseram que planejavam compartilhar informações de suas soluções de IoT com funcionários em tempo real ou quase real em 2018, 50% agora o fazem, potencialmente por mensagem de texto ou de voz no caso de dados acionáveis.

Normalmente, as empresas do setor de varejo estão usando a tecnologia para atender às necessidades dos consumidores por serviços especializados e entrega rápida. Por exemplo, a IoT – usando RFID, Bluetooth Low Energy (BLE) ou outras tecnologias de comunicação sem fio – pode ajudar os vendedores a conhecer melhor quem entra em uma loja, além de acessar rapidamente os dados sobre os produtos que procuram.

O modelo “compre online, pegue na loja” (BOPIS) é ativado com RFID, pois pode ajudar a identificar automaticamente onde a mercadoria que um consumidor procura está localizada e, em seguida, disponibilizá-la para esse indivíduo em poucas horas. A tecnologia também ajuda as empresas de transporte a reduzir os prazos de entrega e os fabricantes a aumentar a eficiência, para que as mercadorias estejam prontamente disponíveis quando e onde forem necessárias.

Os fabricantes estão começando a usar as tecnologias de IoT para melhorar o gerenciamento de materiais, constatou a pesquisa, e alimentar RFID ou outros dados sem fio em uma blockchain, para que possam alavancar contratos com fornecedores e pagamentos pelas mercadorias recebidas. “Você pode pegar os pontos de dados que estão sendo coletados [por meio da IoT] e registrá-los em uma camada de blockchain”, explica Ehlers e, assim, usar esses dados para criar contratos inteligentes que confirmam quando as mercadorias chegaram e se cumprem as condições do contrato. Um pagamento pode ser feito de acordo.

Se as mercadorias não chegaram a tempo, um fabricante pode, por exemplo, obter um desconto de 3% na fatura do fornecedor. De fato, diz Ehlers, 95% das empresas orçaram o custo da implementação de uma blockchain em suas operações futuras, mas ainda estão identificando necessidades e soluções imediatas.

No setor de saúde, a tecnologia IoT está permitindo que enfermeiros e médicos tenham mobilidade, ajudando-os a obter dados de acesso em tablets e smartphones, em vez de computadores e carrinhos. Dessa forma, o pessoal médico pode passar mais tempo ao lado do paciente, explica Ehlers, ao ter acesso a informações sobre esses pacientes, bem como seu histórico de tratamento e a localização de qualquer equipamento necessário para o tratamento.

Além disso, os prestadores de serviços de saúde estão usando dados da Internet das coisas com RFID ou BLE para reduzir o tempo de espera do paciente. “Há muito espaço para crescer lá”, observa Ehlers. “Uma maior utilização da otimização da sala leva a uma maior satisfação do paciente”, diz ele, além de melhorar a programação potencial. Uma maneira de atingir esse objetivo é implantar a tecnologia RFID ou BLE para entender os movimentos dos pacientes que usam ou carregam rastreadores. Seus locais podem ser visualizados em um painel e, portanto, o tratamento pode ser fornecido de acordo.

Com base nos resultados da pesquisa, Ehlers diz: “O pessoal da inovação está começando a identificar os problemas que eles querem resolver primeiro e [está] definindo claramente o resultado que deseja”. Isso, ele acrescenta, significa reverter uma mentalidade tradicional que foi uma questão de implantar a tecnologia primeiro e depois desenvolver casos de uso em torno dela.

O próximo horizonte é desenvolver planos para compartilhar dados com parceiros, prevê Ehlers. “Se você observar o planejamento de gerenciamento de dados” entre 2018 e 2019, diz, a direção indica que os usuários estão planejando como podem disseminar dados ainda mais na cadeia de suprimentos, a fim de resolver outros problemas.

- PUBLICIDADE -

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui