Parque eólico permite soluções de IoT no porto e no mar

Sistema de Internet das Coisas da SkyLab, usado na Holanda, agora está sendo expandido offshore, com gateways iStation da Kerlink criando redes abertas para portos e empresas

Claire Swedberg, matéria original do RFID Journal

Com uma rede pública LoRaWAN de Internet das Coisas (IoT) que se estende por todo o mundo, muitas empresas e entidades estão acessando e compartilhando dados de serviços públicos e privados. O objetivo é gerenciar desde serviços públicos e informações de sensores de cidades inteligentes ao rastreamento de ativos privados.

Durante os últimos anos, a SkyLab implantou a conectividade LoRaWAN para aplicações industriais em toda a Holanda. Até o momento, a empresa implantou cerca de 70 gateways no país. No ano passado, instalou conectividade IoT em um parque de turbinas eólicas para capturar métricas e oferecer cobertura para outros usuários. Esse sistema está agora em uso pela vizinhança de Port of Moerdijk. O sistema emprega as Kerlink Wirnet iStations, fornecidas pela SkyLab.

A empresa de energia Vattenfall pode usar o sistema para gerenciar as condições da turbina eólica, com gateways instalados no outono passado em seu parque eólico no município de Moerdijk, no sul da Holanda. A rede IoT, no entanto, agora está sendo usada pelo Porto de Moerdijk, 120 metros (394 pés) abaixo do parque eólico ao longo do delta do rio do Mar do Norte, de acordo com Remy de Jong Sr., fundador do SkyLab.

Vattenfall está entre as maiores empresas europeias de energia verde (o nome “Vattenfall” significa “cachoeira” em sueco). Em janeiro deste ano, a empresa instalou o sétimo e último moinho para o seu parque, conhecido como Windpark Industrieterrein Moerdijk. Ao implementar a solução SkyLab LoRaWAN, a empresa pode rastrear as condições do parque eólico e, assim, gerenciar melhor a geração de energia.

Os gateways iStation são movidos pelo giro das lâminas da turbina, diz Stéphane Dejean, diretor de marketing da Kerlink. Cada gateway é construído diretamente em uma turbina eólica Nordex de 120 metros de altura e pode capturar transmissões de sensores LoRa a uma distância de cerca de 45 quilômetros (28 milhas). O gateway robusto captura transmissões LoRaWAN e emprega um módulo 4G integrado para encaminhar os dados coletados de volta para o usuário pela Internet.

Devido à distância de transmissão que os gateways podem alcançar, este projeto de rede IoT foi encomendado pelo Porto de Moerdijk em colaboração com Vattenfall e Nordex. Com os gateways instalados, a empresa de energia pode coletar dados sobre as turbinas eólicas, bem como informações ambientais. Ao lado, o porto pode monitorar e gerenciar a movimentação de equipamentos, veículos, navios e cargas. Além disso, os municípios vizinhos podem utilizar a rede para soluções públicas e privadas.

“Este caso demonstrou que eles poderiam criar esta rede privada para monitorar métricas da turbina eólica”, diz Dejean, “mas também tornar a rede aberta a outros usuários para beneficiar aplicações industriais para indústrias vizinhas.” Assim que a rede foi disponibilizada, mais empresas vizinhas demonstraram interesse em utilizá-la por diversos motivos. “Isso é geralmente o que vemos.” Os gateways são inicialmente implantados para um único propósito, ele explica, mas depois são expandidos para outros usuários.

O projeto é uma das principais implantações de gateways Kerlink na Holanda, relata Dejean, como a cidade de Amsterdã e o Schiphol International Airport implantou a tecnologia em 2019. Fornecido pela empresa de soluções IoT MCS, a solução do aeroporto emprega o mesmo gateway iStation industrial externo. Os sistemas da SkyLab também estão ajudando a monitorar o status do portão e da ponte no aeroporto, bem como a qualidade do ar e rastreamento de ativos.

SkyLab fornece soluções industriais, incluindo aquelas para monitorar ativos. “Você pode rastrear seus navios e cargas, monitorar portões, portas, detecção de incêndio e proteção climática”, diz de Jong. Qualquer implantação é gratuita para os usuários, explica ele, desde que tenham sensores para capturar dados, junto com software para gerenciar essas informações. A empresa implantou a tecnologia em toda a Holanda também, em um projeto para adicionar ao que é conhecido como The Things Network.

O sistema aproveita a conectividade LoRaWAN que está disponível na cidade desde 2015. O sistema aberto está sendo usado para aplicações como estacionamento inteligente, agricultura inteligente, gerenciamento de água e rastreamento de bicicletas e barcos. A solução também está sendo empregada para monitoramento do clima, medição dos níveis de dióxido de carbono em edifícios para prevenção do COVID-19 e contagem do número de ocupantes para reduzir a transmissão do coronavírus ou fornecer rastreamento de contato.

SkyLab oferece soluções completas para quem as solicita, e muitos já começaram a usar outros sistemas disponíveis no mercado. “Se eles tiverem pedidos especiais”, diz de Jong, “podemos construir a solução para eles”. Por exemplo, o SkyLab criou uma solução para rastrear o status aberto ou fechado de aproximadamente 600 pontes em toda a Holanda. Os sensores LoRaWAN enviam dados indicando se cada ponte está aberta para a passagem de navios ou fechada para o tráfego motorizado.

Os dados estão disponíveis publicamente na plataforma Blauwe Golf Verbindend e no Portal Nacional de Dados de Tráfego Rodoviário (NDW) do governo. Capturar e compartilhar dados de status da ponte reduz os atrasos no tráfego e melhora a qualidade do ar, relata a empresa, reduzindo as filas de carros parados. Ele também fornece um recurso de segurança – por exemplo, alertando o pessoal de resgate sobre o status de uma ponte em particular se eles precisarem responder a uma emergência nessa ponte e fornecendo rotas alternativas por meio de seu sistema de navegação.

Além das implantações de parque eólico e porto, o SkyLab está atualmente no processo de implantação de gateways IoT em parques eólicos offshore e plataformas de petróleo no Mar do Norte, a fim de estender a rede LoRaWAN através da água. Agentes de carga e outras empresas podem usar a tecnologia para rastrear navios, contêineres ou condições da água, enquanto as equipes de busca e resgate podem utilizá-la para gerenciar operações de resgate.

Os gateways foram instalados na costa do Mar do Norte e podem receber e enviar dados de até 45 quilômetros (28 milhas) no mar. Quando aplicados a parques eólicos offshore e plataformas de petróleo, os dispositivos podem fornecer cobertura total do mar, diz de Jong. Ele prevê que a cobertura total estará disponível até o final deste ano, e que uma implantação no Mar Báltico pode seguir.

- PUBLICIDADE -

LEAVE A REPLY

Please enter your comment!
Please enter your name here