Panasonic atende demandas variáveis de IoT

Ofertas recentes de Internet das Coisas (IoT) da empresa englobam uma abordagem em camadas para atender os desafios dos clientes durante e após a pandemia

Claire Swedberg

Para atender demandas de 2021 por automação e captura de dados em depósitos, lojas e outros locais, a Panasonic está fornecendo soluções baseadas na Internet das Coisas (IoT), empregando uma seleção de tecnologias à medida que as empresas buscam sistemas para capturar dados em uma variedade cada vez maior de aplicativos, de acordo com Jim Dempsey, diretor de desenvolvimento de negócios e parcerias da Panasonic. Embora a Panasonic tenha vendido dispositivos para captura de dados RFID por mais de uma década, como leitores portáteis, a companhia expandiu a oferta para soluções completas de IoT por meio da divisão de Internet das Coisas, lançada em dezembro de 2019.

Quer os clientes usem soluções de ultra-alta frequência (UHF), alta frequência (HF), baixa frequência (LF), Near Field Communication (NFC) ou Bluetooth Low Energy (BLE), Dempsey diz: “Não há uma tecnologia que atenda a todos formulários”. Ele considera RFID uma tecnologia de captura de dados e uma das múltiplas tecnologias que podem fornecer informações sobre o que está acontecendo dentro de uma empresa.

Tradução | Conectando coisas em um mundo conectado: de varejo inteligente a cidades e lares empoderados com IoT, a Panasonic está alavancando tecnologias conectadas para mover-nos para uma vida e mundo melhores

A Panasonic possui duas categorias de produtos de hardware que atendem aos requisitos de RFID. No espaço Android, oferece leitores NFC integrados em seus dispositivos, enquanto seus produtos Windows podem incluir leitores RFID HF, LF ou UHF. A RFID, no entanto, não resolve todos os problemas, diz Dempsey. Em alguns casos, a implantação de RFID pode ser cara e uma alternativa como o BLE oferece uma solução de gerenciamento de ativos ou inventário de baixo custo. Para atender aos diversos requisitos, o departamento de IoT da Panasonic cria soluções e, também, oferece tags e leitores RFID, junto com alguns produtos de parceiros.

Os dispositivos resistentes mais recentes da empresa, por exemplo, são empregados em vários setores para capturar dados baseados em sensores para uso em logística e manufatura. O TOUGHBOOK A3 oferece tecnologia Bluetooth 5.0 e NFC e é compatível com os padrões ISO 14443 e 1563. O TOUGHBOOK N1 inclui um Nano-SIM duplo, com um chip BLE e NFC. Seus produtos portáteis têm sido comumente usados ​​em ambientes de armazenamento e logística nos quais leitores robustos são necessários para capturar dados sobre os movimentos de mercadorias e ativos.

“Tradicionalmente, vimos RFID para rastrear ativos pesados”, diz Dempsey, incluindo contenedores na fabricação de automóveis ou empilhadeiras para gerenciamento de pátio ou depósito. Até recentemente, porém, “o custo e a complexidade das instalações RFID eram muito maiores”, o que normalmente significava que apenas ativos de alto valor, como equipamentos e veículos, estavam sendo rastreados pelos clientes da Panasonic.

“Não havia ROI [retorno sobre o investimento] para marcar objetos de baixo valor”, explica Dempsey. No entanto, com a redução no custo de etiquetas e leitores, bem como a introdução de outras tecnologias de IoT, “estamos vendo um ressurgimento para certos casos de uso”, como a utilização de RFID para rastrear o estoque na cadeia de suprimentos. Enquanto isso, as tecnologias NFC e BLE estão sendo usadas para transações em ambientes de varejo.

A pandemia de COVID-19 também impactou a evolução do uso da tecnologia RFID e IoT pela Panasonic, relata Dempsey. Antes de março de 2020, os clientes varejistas da empresa buscavam soluções sem fio para implementar em lojas físicas, diz ele, para que pudessem interagir melhor com os clientes e ajudar a gerenciar sua experiência.

A Panasonic estava oferecendo soluções com as quais beacons BLE, por exemplo, poderiam ser montados em lojas para transmitir dados aos smartphones dos clientes. Com a funcionalidade BLE, essas lojas podiam capturar as identidades dos clientes à medida que chegavam e os vendedores podiam visualizar essas informações, ser notificados se um indivíduo era um comprador frequente e atendê-lo melhor de acordo com os interesses dessa pessoa.

O setor de saúde estava implantando RFID e, em alguns casos, tecnologias BLE para rastrear a localização de ativos, como carrinhos de medicamentos ou carrinhos de emergência de enfermeiras, colocando uma etiqueta em cada carrinho e instalando faróis ou leitores ao redor de uma instalação. As etiquetas RFID também podem ser lidas por meio de leitores portáteis, como durante as contagens periódicas de estoque. O BLE, por outro lado, pode ser usado para orientação, para ajudar profissionais de saúde, pacientes e visitantes a localizar áreas específicas de um hospital, visualizando sua localização em um telefone celular.

Em depósitos, diz Dempsey, os produtos e soluções da Panasonic estavam sendo empregados para ajudar a administração a entender onde as empilhadeiras ou outros ativos estavam localizados e para visualizar dados históricos sobre armazenamento, envio e recebimento, bem como quaisquer gargalos que possam ocorrer em suas operações. A pandemia mudou o interesse dos clientes da Panasonic, observa ele, especialmente no setor de varejo.

Como muitas lojas foram temporariamente fechadas durante o surto ou operavam com capacidade limitada, o foco mudou para garantir que o estoque pudesse ser localizado e rapidamente encaminhado para os compradores online. “Embora ainda se trate de rastrear locais e tomar decisões com base nesses locais”, diz Dempsey, o foco agora está em ajudar o pessoal da loja a entender onde os produtos estão localizados, bem como em encontrá-los para atendimento de pedidos.

Enquanto isso, as implantações de warehouse exigem mais dados para ajudar as empresas a movimentar produtos rapidamente. A tecnologia BLE está sendo usada em depósitos para rastrear dispositivos a baixo custo, relata Dempsey, mesmo se essas unidades estiverem desligadas. Por exemplo, uma empresa descobriu que seus dispositivos portáteis Panasonic precisavam ser rastreados porque muitas vezes desapareciam em suas instalações ocupadas. A solução, diz ele, pode ser anexar uma etiqueta passiva de baixo custo a cada dispositivo.

Os requisitos das empresas de saúde também mudaram durante a pandemia. Os hospitais estão atualmente usando BLE para geofencing, ajudando funcionários ocupados a entender quando equipamentos ou medicamentos deixam áreas específicas e permitindo-lhes garantir que possam atender a um influxo de pacientes COVID-19 (ou aqueles com outras doenças) sem atrasar a localização de ferramentas. “Não existe uma tecnologia única para cada desafio”, afirma Dempsey. “É uma abordagem em camadas para a qual a tecnologia atende a cada caso de uso.”

Uma das mudanças em andamento é a eliminação do sistema operacional Windows CE da Microsoft, que a Microsoft não oferece mais suporte, em dispositivos portáteis como os usados ​​em depósitos que costumam incluir leitores RFID. Como tal, muitos centros de distribuição e depósitos estão, em vez disso, empregando dispositivos baseados em iOS ou Android.

Essas empresas têm o desafio de utilizar um sistema de gerenciamento de warehouse que precisa se comunicar com um sistema operacional como o Android. Essa transição significa que os dispositivos IoT, incluindo leitores UHF RFID, precisam cada vez mais acomodar a plataforma Android. “Isso está levando fabricantes de hardware como nós a adicionar funcionalidade para oferecer suporte à tecnologia”, diz Dempsey.

Por causa da pandemia, diz Dempsey, a tecnologia de distribuição no varejo avançou cerca de uma década em apenas um ano. Essa mudança foi impulsionada pelos consumidores, acrescenta. “Hoje, os consumidores têm uma expectativa de entrega de duas horas”, afirma ele, o que significa que mais armazéns estão localizados mais perto dos clientes e as mercadorias estão se movendo por esses armazéns com rapidez suficiente para que haja mais catadores no local.

Devido aos riscos de transmissão do COVID-19, as empresas precisam visualizar a localização dos trabalhadores, bem como fornecer suporte de distanciamento social e rastreamento de contato. Ao mesmo tempo, diz Dempsey, a taxa de devoluções está disparando. Na verdade, aproximadamente 30% de todas as compras online são devolvidas aos vendedores, resultando em maior complexidade nos depósitos.

A Panasonic vende seus próprios produtos por meio de sua divisão IoT, ao mesmo tempo em que faz parceria com fornecedores de tecnologia. A empresa oferece etiquetas inteligentes para prateleiras, junto com leitores fixos e portáteis, e se associa a fornecedores terceirizados e integradores de sistemas. Algumas áreas de crescimento da IoT sofreram menos impacto da pandemia, diz Dempsey. As empresas de serviços públicos, por exemplo, já estavam encontrando maneiras de automatizar a captura de dados em campo, usando tecnologias da Panasonic, utilizando códigos de barras ou RFID, para rastrear as condições de, por exemplo, um transformador elevado em um poste. Nesse cenário, uma empresa pode atualizar as informações sobre o transformador sem qualquer subida ou elevação.

A tecnologia permite que as empresas de serviços públicos passem por casas para capturar leituras de medidores ou realizar essas leituras por meio de um interrogador montado em um drone. Dempsey prevê uma escolha de soluções baseadas na loja com as quais os varejistas podem ajudar a melhorar a experiência do cliente dentro de uma loja física, fornecendo informações específicas aos interesses de cada cliente e garantindo que ele ou ela tenha acesso imediato às mercadorias de interesse.

No curto prazo, Dempsey prevê: “Também veremos mais lojas que, por causa da janela de entrega de duas horas, se tornarão quase um depósito”. Quer a compra seja feita no local ou online, através do modelo “compre online, retire na loja” (BOPIS), a visibilidade dos produtos e a inteligência serão mais importantes do que nunca, afirma.

- PUBLICIDADE -

LEAVE A REPLY

Please enter your comment!
Please enter your name here