Novo recurso para integradores pós-Covid-19

Um white paper produzido pelo RFID Journal em parceria com uma grande companhia do segmento trata das tendências e oportunidades do mercado de RFID pós-pandemia

Mark Roberti

O mercado de tecnologia de identificação por radiofrequência (RFID) evoluiu rapidamente nos últimos anos, com novos setores, como a indústria da aviação e produtores de alimentos, adotando RFID UHF passivo, e com novas etiquetas e leitores com novos recursos que chegam ao mercado a cada ano. Tem sido difícil para quem implanta soluções de RFID – os integradores de sistemas – acompanhar. Mas há boas notícias para os integradores.

A Avery Dennison e o RFID Journal se uniram para produzir um novo white paper, intitulado “Passive RFID: Market Trends and New Market Opportunities for Systems Integrators” (em português: “RFID passivo: tendências de mercado e novas oportunidades de mercado para integradores de sistemas”).

Mark Roberti

O documento aborda as principais tendências no mercado de RFID, incluindo o uso de RFID UHF passivo para melhorar a visibilidade do estoque no varejo, o foco global em melhorar a sustentabilidade, que está impulsionando a adoção no setor de alimentos, e o esforço das companhias aéreas para reduzir a incidência de bagagem perdida através do rastreamento RFID – que provavelmente será recuperado assim que a pandemia do Covid-19 estiver sob controle e as pessoas começarem a voar novamente.

O artigo explica como o RFID complementa ou habilita outras tecnologias, como blockchain, sensores da Internet das Coisas (IoT), geolocalização e o uso de drones para a tomada de inventário. Ele também fornece exemplos reais de como o RFID e outras tecnologias trabalham juntas.

Por exemplo, o documento explica como a BeefChain está trabalhando para garantir que os agricultores obtenham preços premium por animais criados sem estressores que afetam o gado comum, como operações de alimentação concentrada. BeefChain é uma das primeiras empresas a colocar gado em uma blockchain.

Criou uma iniciativa com o Conselho Empresarial de Wyoming e Avery Dennison que permitirá que os consumidores rastreiem o bife no prato até o rancho em que o animal foi criado. Isso dá aos fazendeiros maior controle sobre o valor de suas vendas, provando, por meio da tecnologia blockchain e RFID, que a carne que estão vendendo é o que afirmam ser.

Enquanto isso, a marca de Nova York Rochambeau criou uma série limitada de apenas 15 jaquetas, cada uma com uma etiqueta RFID incorporada que agia como um passe VIP para eventos muito procurados, escolhidos a dedo pelos fundadores, incluindo um menu de degustação para duas pessoas. restaurante sofisticado e entrada de corda de veludo em uma boate exclusiva. As jaquetas Bright BMBR da empresa eram equipadas com a solução Janela, da Avery Dennison, e cada uma tinha uma etiqueta NFC (Near Field Communication) personalizada e um QR Code sob um bolso com zíper escondido na manga esquerda.

A etiqueta e o código QR continham códigos serializados que conectavam os revestimentos aos seus perfis de dados na nuvem IoT da Evrythng. Os consumidores só precisavam usar seus smartphones para acessar o conteúdo oculto por trás deles. A experiência da jaqueta também foi estendida por meio de geolocalização. Quando um usuário lê a etiqueta NFC a 500 metros de uma das lojas, ele ou ela ganha acesso a outro presente personalizado.

Além disso, o artigo apresenta uma seção importante sobre como garantir que a RFID agregue valor em diferentes setores, incluindo cosméticos, saúde e beleza; produtos alimentícios; e aviação, automotivo e manufatura. Se você é um integrador de sistemas e deseja entender as tendências mais recentes, recomendamos que você baixe o white paper.

Mark Roberti é o fundador e editor do RFID Journal

- PUBLICIDADE -

LEAVE A REPLY

Please enter your comment!
Please enter your name here