Novo Normal estimula adaptação e criação de tecnologias

Soluções desenvolvidas por empresas especializadas em identificação e rastreamento de produtos estão se tornando peças-chave para o mundo pós-Covid-19

Edson Perin

Ao longo desses três meses do isolamento social provocado pela Covid-19, doença que decorre da contaminação pelo novo coronavírus, o IoP Journal tem publicado diversas reportagens que, curiosamente, mostram tanto a adaptação de soluções como a criação de novas por empresas de tecnologia especializadas em identificação e rastreamento de produtos. O objetivo comum desses esforços é atender novas necessidades que surgiram com o chamado Novo Normal, ou seja, o pós-pandemia.

O mais curioso, inclusive, é observar que as empresas não estão desenvolvendo as novas soluções para suprir uma lacuna de receitas, devido ao que poderia ser fruto de uma queda nas receitas de seus negócios originais. Muito pelo contrário. As fornecedoras de tecnologia estão simplesmente aproveitando novas oportunidades de negócios que envolvem solucionar pontos críticos do funcionamento das empresas e que não existiam poucos meses atrás, antes da pandemia.

Edson Perin, editor
Edson Perin

Em primeiro lugar, deve-se dizer que as empresas demandantes de tecnologia e que já entenderam a necessidade dos sistemas de Internet of Packaging (IoP), baseados em tecnologias como Identificação por Radiofrequência (RFID) e Impressão Digital, por exemplo, não frearam os seus investimentos. Devido às necessidades de incrementar as vendas on-line, via e-commerce, entregas em domicílio ou o tal Buy On-line, Pickup In-Store (ou, em português, “compre online e busque na loja”), entre outras atividades do chamado omni-channel, os investimentos em tecnologia de IoP se tornaram mais obrigatórios do que nunca.

Por este motivo, a demanda por soluções das empresas fornecedoras dessas tecnologias está em alta. Afinal, tudo o que tinha uma alternativa on-line passou a ter uma conexão virtual absolutamente obrigatória devido à Covid-19.

Há, no entanto, setores da atividade humana que não podem sobreviver ou minimamente funcionar simplesmente on-line, sem a presença física das pessoas. Nestes cenários e, também, pensando na retomada da “rotina normal”, embora lentamente, com a abertura gradual das lojas, shoppings, escritórios e outros espaços de convívio humano, sem desconsiderar as necessidades do chamado Novo Normal, serão necessárias ferramentas para garantir a segurança da saúde das pessoas.

Nesta semana mesmo, publicamos uma matéria sobre a ferramenta que acaba de ser lançada pela Zebra Technologies, a MotionWorks Proximity, que emprega Bluetooth Low Energy (BLE), uma conexão Wi-Fi e a plataforma de software Savanna da companhia, baseada em nuvem, para permitir detecção de proximidade, alerta e rastreamento de contato nos locais de trabalho.

Para empresas que implantam a solução, incluindo dos setores de manufatura, armazenamento, transporte e assistência médica, os dispositivos da Zebra existentes podem ajudar a garantir o distanciamento social e o rastreamento de pessoas. Aqueles que não possuem produtos Zebra podem adquirir uma ponte móvel ou de computação móvel da empresa para realizar essas tarefas.

Outra empresa lançou uma pulseira equipada com sensor de identificação por radiofrequência, que emite avisos sonoros e luminosos por led caso duas pessoas se aproximem além das recomendações de distância consideradas seguras para evitar o contágio pelo novo coronavírus. O dispositivo Smart Proximity, da Engineering, foi projetado para habilitar o retorno seguro ao trabalho após a quarentena.

Equipamento mede temperatura de
funcionário, sem contato

Aqui no Brasil, a Acura, importante fornecedora de equipamentos de RFID e que se destaca fortemente no setor de pedágios do Brasil, também entrou nesta área de soluções para o Novo Normal. Os três novos produtos, segundo a companhia, ajudam no combate à Covid-19, já que contam com tecnologias avançadas, por exemplo, um termômetro digital e inteligente, que mede a temperatura somente pela aproximação de uma pessoa, sem nenhum contato físico. O termômetro também pode ter acoplado um dispensador de álcool. Outro equipamento controla o acesso por reconhecimento facial, inclusive com acionamento de fechaduras, também sem exigir contato.

Há uma tendência crescente no mercado de que as tecnologias já existentes sejam adaptadas ou sirvam de base para novas soluções que permitam um convívio mais seguro entre as pessoas, especialmente em ambientes públicos.

E isto, sem dúvida, gerará novos negócios.

Edson Perin é editor do IoP Journal Brasil e fundador da Netpress Editora.

- PUBLICIDADE -

LEAVE A REPLY

Please enter your comment!
Please enter your name here