NFC digitaliza dados de animais perdidos e acelera resgates

A PetHub usa tags Near Field Communication (NFC) para que donos identifiquem seus cães ou gatos com um toque do telefone celular, e possam localizá-los em tempo real

Claire Swedberg

A perda de um animal de estimação é uma experiência comum e estressante para seus donos, que geralmente termina bem quando o cão ou gato desaparecido retorna para casa por conta própria. Mas de acordo com uma pesquisa de 2012 realizada pela ASPCA, 15% dos donos de animais pesquisados haviam perdido seus animais de estimação durante os cinco anos anteriores e 15% deles nunca recuperaram seus “bebês de pelo”. Esse número foi maior para gatos do que para cães.

A PetHub, uma empresa de tecnologia com sede no estado de Washington, desenvolveu uma solução baseada em tag e servidor por meio da qual a identidade e o perfil de um animal de estimação podem ser armazenados na nuvem. Esses dados podem ser acessados ​​digitalizando um código QR na etiqueta do animal ou, mais recentemente, tocando na etiqueta Near Field Communication (NFC) embutida nela. A funcionalidade NFC, que emprega um chip de 13,56 MHz compatível com ISO 14443, está cada vez mais sendo aproveitada por empresas onde animais de estimação são gerenciados em grandes volumes, como creches e bares para cães.

Qualquer pessoa com um smartphone que tenha um leitor NFC embutido pode usar o sistema para identificar um animal perdido. Julho é o Mês de Prevenção de Perda de Animais, uma campanha de conscientização lançada pela PetHub para chamar a atenção para o problema de animais perdidos. A PetHub foi fundada em 2010 pelo ex-funcionário e empresário da Microsoft Tom Arnold. Em média, informa a empresa, 10 milhões de gatos e cães desaparecem na América do Norte.

A primeira coisa que a maioria das pessoas faz ao encontrar um animal desacompanhado é olhar para a etiqueta da coleira, na qual o nome e o número de telefone do dono do animal normalmente estão carimbados. Essa etiqueta costuma ser difícil de ler, no entanto, com números e letras gastos devido ao uso e desgaste, ou simplesmente porque são usados ​​por um animal de estimação tímido ou ondulante. Desde que a tag PetHub foi lançada, diz Lorien Clemens, o CEO da empresa, o código QR impresso na frente dela, contendo o aplicativo PetHub, possibilitou que os indivíduos visualizassem consideravelmente mais dados sobre o animal em seus telefones.

Os usuários criariam primeiro o perfil online de seu animal de estimação, incluindo informações como nome, raça, idade, medicamentos e alergias, junto com vários contatos de emergência. Eles vinculariam esse perfil ao código QR na etiqueta e, em seguida, pagariam pelo serviço em uma base mensal ou anual, para um único animal de estimação ou para uma família de animais de estimação. Um bom samaritano que encontra um animal perdido pode simplesmente acessar sua etiqueta e segurar o telefone na frente do código QR para ver informações sobre a melhor forma de devolver o animal ao dono.

Existem atualmente 3,5 milhões de IDs digitais PetHub em circulação, diz Clemens, com 700 a 1.000 novos animais de estimação ingressando no site diariamente. A maioria está usando a tag de código QR, mas as novas tags incluem NFC para permitir que as pessoas acessem os dados mais rapidamente e com menos manuseio de um animal e sua coleira. A empresa construiu pela primeira vez sua plataforma de identificação de animais em 2010, depois registrou uma patente para o uso da tecnologia NFC em 2012. No entanto, a disponibilidade limitada de NFC em smartphones, especialmente em dispositivos iOS, significava que o uso de funcionalidade era limitado, lembra Clemens.

A empresa também pesquisou outras tecnologias sem fio, como Bluetooth, mas descobriu que as transmissões Bluetooth são menos confiáveis. O sinal entre a etiqueta e o smartphone costumava ser perdido, explica Clemens, mesmo quando uma etiqueta estava perto de um telefone. “O cachorro pode estar ao virar da esquina”, diz ela, “e o sistema [diria] que o cachorro estava fora de alcance.” Além disso, alguns sistemas de rastreamento Bluetooth, como Tile e Apple AirTag, tendem a exigir que um aplicativo seja aberto para funcionar. A empresa sentiu que a tecnologia Bluetooth não atenderia adequadamente ao aplicativo.

“Para nós”, afirma Clemens, “se o produto já existe, precisa ser confiável o suficiente para levar o animal para casa. Não pode ser apenas legal – isso não é suficiente.” Nos últimos anos, diz ela, a funcionalidade NFC em smartphones se tornou mais onipresente e, como resultado, a empresa “tirou a poeira do NFC”. Com esta versão de transmissão curta de RFID, o desafio era construir a tecnologia na etiqueta de metal de forma que ela transmitisse dados de forma confiável e sustentasse o ambiente ao qual poderia estar exposto ao acompanhar um cão ou gato ocupado ao longo do dia . Assim, o chip NFC é envolto em epóxi espesso, com um anel de metal para aumentar a durabilidade.

O código QR ainda é a tecnologia mais comumente usada na tag, relata Clemens, acrescentando que a pandemia de COVID-19 deixou os consumidores mais confortáveis ​​com a leitura de tais códigos. Muitos restaurantes agora têm menus e pedidos baseados em código QR, por exemplo. “É uma tecnologia de muito sucesso para nós”, afirma. Na verdade, as pessoas tendem a se sentir tão confortáveis ​​com os códigos que a maioria não hesitará em digitalizar um em uma tag.

De acordo com Clemens, 96 por cento dos animais de estimação que desaparecem são devolvidos em 24 horas ou menos. O NFC traz um novo valor, no entanto, para quando a digitalização de códigos QR não for possível. Por um lado, os códigos exigem que as pessoas alcancem o focinho de um cachorro e o levantem para escanear a etiqueta. “Você tem a ‘síndrome do meneio do cachorro’”, diz ela, o que torna as varreduras de código QR desafiadoras. Às vezes, as empresas precisam ser capazes de identificar um animal muito rapidamente, e esse é um aplicativo que levou a várias implantações em larga escala da etiqueta NFC.

“Existem muitos aplicativos que são realmente empolgantes”, diz Clemens. Por exemplo, o sistema está sendo usado por creches, spas, locais de embarque e bares para cães. Os tratadores de animais de estimação em uma empresa podem simplesmente segurar um smartphone perto de cada animal (seu cliente) e visualizar não apenas a identidade do animal, mas outras informações importantes, como se o animal está em dia com seus disparos. A solução também pode fornecer outros detalhes, como se um cão é um “bom cidadão” – em outras palavras, se ele tem um histórico limpo de brincar bem com outros animais de estimação. Além do mais, a tecnologia pode confirmar que um animal passou por um treinamento comportamental específico. Os dados que estão sendo coletados podem ser personalizados para cada negócio.

De acordo com Clemens, os clientes da PetHub são principalmente pais de animais de estimação que normalmente visitam o site da empresa para atender às necessidades de uma empresa de creches ou por meio de recomendações de abrigos de animais, departamentos de controle de animais, governos municipais ou seguradoras de animais de estimação. Os donos de animais de estimação podem comprar diretamente um kit PetHub contendo tags NFC e QR para serem usadas na coleira de um animal, um cartão codificado por NFC e QR para uma caixa de viagem e um cartão de chaveiro que pode fornecer acesso às informações do animal de estimação no caso de um proprietário fica incapacitado. O cartão da caixa de viagem é reforçado com plástico e é afixado na caixa para permitir que o pessoal do aeroporto ou outras pessoas acessem a identificação sem abri-la.

O software PetHub permite que os donos de animais relatem o desaparecimento de um cão ou gato, o que leva a empresa a alertar os abrigos locais. A empresa também pode notificar o “círculo de segurança” de um animal de estimação de amigos e familiares se um animal estiver desaparecido, bem como atualizá-los automaticamente assim que o animal perdido for encontrado.

- PUBLICIDADE -

LEAVE A REPLY

Please enter your comment!
Please enter your name here