Medicamentos injetáveis são rastreados da fábrica ao paciente

A Schreiner MediPharm está fornecendo uma etiqueta RFID personalizável para aplicação direta em frascos e seringas farmacêuticas líquidas, com gerenciamento de medicamentos

Claire Swedberg

A empresa de etiquetas farmacêuticas Schreiner MediPharm se uniu à Kit Check para lançar uma solução baseada em tecnologia que inclui etiquetas de identificação por radiofrequência (RFID) personalizáveis da Schreiner MediPharm e estações de leitura e software de gerenciamento da Kit Check. O sistema destina-se a ajudar empresas farmacêuticas, hospitalares e profissionais de saúde a rastrear automaticamente medicamentos injetáveis. As empresas dizem que a solução foi projetada para melhorar a segurança e a rastreabilidade dos medicamentos parenterais, desde o ponto de fabricação até a farmácia do hospital e até a cabeceira do paciente.

Com o sistema, as seringas e os frascos podem ser equipados com as etiquetas RFID da Schreiner MediPharm, aplicadas no ponto de fabricação, que podem ser lidas em hospitais através de uma estação de leitura de etiquetas RFID Kit Check. Os números de série e lote vinculados, bem como as datas de vencimento, podem ser identificados à medida que cada item é removido das prateleiras, carregado em bandejas ou administrado a um paciente. Se algum produto estiver definido para expirar ou puder ter sido adulterado, um usuário poderá receber um alerta antes de ser administrado a um paciente.

Segundo Nick Petersen, vice-presidente de desenvolvimento corporativo da Kit Check, a parceria fornece uma maneira de simplificar o processo de uso de RFID para dois tipos de partes interessadas: fabricantes de medicamentos e prestadores de serviços de saúde. Para hospitais, o sistema Kit Check fornece uma solução para a leitura de etiquetas farmacêuticas após o recebimento, bem como para a construção e administração de bandejas. Centenas de hospitais dos EUA e do Canadá já estão implementando o sistema Kit Check em suas farmácias para atuar como terminais de recebimento de medicamentos, ele relata.

Essas estações de digitalização, disponíveis em vários tamanhos para diferentes fluxos de trabalho de farmácias, são conectadas ao software baseado em nuvem do Kit Check para rastrear o inventário e gerenciar o reabastecimento de kits e bandejas. Para os fabricantes de produtos farmacêuticos, a Kit Check projetou uma solução pela qual os fabricantes recebem etiquetas pré-codificadas para seus frascos e seringas e podem associar as etiquetas a determinados medicamentos no transportador da linha de produção em tempo real.

A Schreiner MediPharm já oferece etiquetas baseadas em RFID NFC e UHF para seus clientes fabricantes de medicamentos (consulte Parcerias para parcerias, NFC flexível e de baixo custo para farmacêuticos). Essa última parceria, no entanto, oferece novas inovações, de acordo com Arne Rehm, gerente de produtos da Schreiner MediPharm para soluções de RFID e NFC. A empresa, explica, “está sempre atenta a aplicativos em que a empresa pode fornecer valor agregado para seus clientes e parceiros”.

Embora as empresas farmacêuticas e as farmácias usem os rótulos RFID da Schreiner MediPharm para o gerenciamento da cadeia de suprimentos, observa Rehm, houve um desafio quando se trata de medicamentos parenterais “devido à influência negativa de líquidos na faixa de leitura”. Os líquidos podem absorver as transmissões de rádio e, assim, tornar as etiquetas inoperantes. No entanto, ele diz, a empresa desenvolveu novas soluções de rotulagem para melhorar a legibilidade. “Em particular”, afirma Rehm, “a integração do embutimento UHF diretamente nas etiquetas impressas especialmente projetadas para o recipiente primário é a inovação aqui”.

Além disso, o Kit Check desenvolveu ainda mais o hardware de seu leitor, de forma que o sistema funcione com a tecnologia UHF RFID, mesmo quando etiquetas são aplicadas a frascos de medicamentos líquidos. Tradicionalmente, os usuários de tecnologias RFID em hospitais empregavam uma etiqueta RFID saliente presa ao recipiente de um medicamento, o que exigia uma conexão manual. “No futuro, isso não será mais necessário”, diz Rehm, uma vez que as novas etiquetas RFID da empresa podem ser automaticamente presas a recipientes de medicamentos da mesma maneira que as etiquetas impressas padrão.

Com as etiquetas da Schreiner MediPharm, um fabricante farmacêutico ou organização de fabricação por contrato (CMO) precisa apenas de uma etiqueta única para identificação do produto, incluindo a função RFID, e pode combiná-la com recursos e funcionalidades adicionais do portfólio da empresa. Por exemplo, eles podem utilizar recursos de segurança para comprovação de violação e proteção de marca, peças de documentação removíveis ou cabides integrados para garrafas de infusão que não se prestam a uma etiqueta adesiva.

Como parte da parceria, a Schreiner MediPharm obteve a certificação “Works with Kit Check”, significando quais soluções e produtos são compatíveis com a solução de hardware e software da Kit Check. Isso significa que a Schreiner MediPharm emprega apenas etiquetas RFID em suas etiquetas personalizáveis, equipadas com a certificação adequada. A empresa também produz suas etiquetas específicas do produto de acordo com os requisitos visuais e técnicos da empresa farmacêutica – por exemplo, impressão na tela, flexografia ou digital – e converte as etiquetas RFID adequadas. “Nosso cliente processa as etiquetas RFID como de costume”, explica Rehm, “e as aplica diretamente nas embalagens”.

Para aqueles que usam as etiquetas Schreiner MediPharm com a funcionalidade de leitura RFID do Kit Check, o Kit Check equipa a linha de fabricação do usuário com um de seus leitores RFID, que armazena dados de medicamentos no nível do item no serviço Bluesight Registry da empresa, baseado em nuvem. Os hospitais também podem acessar esses dados. Dessa forma, medicamentos pré-etiquetados podem ser entregues em farmácias prontas para uso, enquanto os fabricantes podem se manter informados sobre a localização e o status de cada produto.

Atualmente, a solução de rastreamento de inventário e processamento de bandeja de medicamentos baseada em RFID da Kit Check está sendo usada em mais de 500 hospitais nos Estados Unidos e no Canadá. Durante os próximos meses, a Kit Check pretende lançar sua primeira parceria genérica pré-etiquetada. A parceria com empresas farmacêuticas genéricas, estima Petersen, permitirá que a porcentagem de produtos frequentemente usados ​​com inlays de RFID suba de 8 para 12% neste ano para até 40% no futuro. “É aqui que nossa parceria com a Schreiner MediPharm é de vital importância”, afirma ele, uma vez que a Schreiner é um fornecedor importante de rótulos de medicamentos UHF, incluindo frascos e seringas líquidas.

“Em geral, nosso objetivo é contribuir para aumentar a segurança do produto e do paciente”, diz Rehm. “O paciente certo deve receber o medicamento certo, na condição certa, na hora certa.” Mais adiante, ele acrescenta que essas soluções ajudarão as empresas a atingir esse objetivo, ao mesmo tempo em que reduzem os custos sistêmicos para a gestão hospitalar, como as despesas com a aplicação manual de etiquetas RFID em embalagens de medicamentos.

Normalmente, uma vez que um rótulo é codificado e lançado no sistema com um produto específico, ele pode ser lido na farmácia de um hospital ou na cabeceira do paciente. Por exemplo, quando os produtos são recebidos em um hospital pela empresa farmacêutica, a estação do leitor Kit Check pode capturar o número de identificação de cada etiqueta e atualizar os dados de inventário da farmácia. Quando as bandejas são carregadas para serem administradas aos pacientes, o leitor Kit Check também captura os IDs das etiquetas em cada bandeja, e o software armazena e gerencia esses dados, além de exibir os alertas necessários.

Por fim, o Kit Check está trazendo outras soluções com funcionalidade adicional para hospitais através do uso de seu registro Bluesight. Um exemplo dessa integração, atualmente em desenvolvimento com um parceiro “Works With Kit Check”, permitiria que as etiquetas fossem lidas na cabeceira do paciente por meio de um leitor portátil ou móvel antes que os medicamentos fossem injetados ou administrados de outra forma.

Essa leitura final pode ajudar os profissionais de saúde a criar um registro e permitir que eles visualizem dados em tempo real sobre quais medicamentos foram fornecidos a quais pacientes. “Principalmente”, diz Rehm, “isso evita erros de aplicação ou o uso de falsificações ou contêineres recarregados”. As etiquetas Schreiner MediPharm com a solução Kit Check estarão disponíveis para os clientes novos e existentes da Kit Check.

- PUBLICIDADE -

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui