LoRaWAN leva IoT à face rural dos EUA

Startup IoT America fornece rede de Internet das Coisas para agricultores norte-americanos que querem acessar sensores e monitorar ativos, em tempo real.

Por Claire Swedberg

A startup IoT America passou a fornecer rede de Internet das Coisas (IoT) para a face rural dos Estados Unidos (EUA). A empresa está conduzindo pilotos e planejando implantações com potenciais parceiros e usuários finais, incluindo os da indústria agrícola, para conectividade IoT. São projetos como rastreamento dos níveis de tanques de água ou de grãos, localizando ativos como tratores ou equipamentos ou, mais recentemente, monitorando as condições do solo para evitar excesso de água ou necessidade de irrigação.

A empresa foi lançada por dois professores da Complutense University of Madrid – Pete Denagy, agora da presidente da IoT America, e Dan Croft, CEO da empresa – assim como Daniel Crespo, presidente da empresa para Internet das Coisas. Os três têm formação em tecnologia e serviços gerenciados de IoT. A empresa mantém dois escritórios nos EUA, um localizado em Frisco, Texas, e outro em Chicago, Illinois.

Peter Lai

Os fundadores perceberam, ao examinar o cenário de Internet das Coisas nos Estados Unidos, que havia uma lacuna no acesso a redes para áreas rurais, de acordo com Peter Lai, diretor de soluções da IoT America. “Com o aumento da população mundial”, diz ele, “havia a necessidade de ajudar as pessoas na área rural a produzir mais e aumentar a eficiência” para alimentar mais gente. Isso significava usar a tecnologia para garantir operações tão produtivas quanto possível, e proteger ativos e recursos naturais.

Embora muitas empresas de tecnologia ofereçam ferramentas, diz Lai, a IoT America é a primeira a fornecer dispositivos, software e redes sem fio para a área rural dos Estados Unidos. “É um cenário complexo”, explica ele, “com pessoas vindo de todos os lados para vender soluções. O que faltava era uma forma de os usuários finais implantarem e acessarem dados de sistemas de IoT sem dificuldades”.

A IoT America, lançada em 2017, se esforça em fazer a adoção de Internet das Coisas ser tão simples quanto possível, afirma Lai, em lugares onde a conectividade é muitas vezes inexistente. “Queremos tirar a complexidade”, afirma. A empresa normalmente consulta os clientes ou parceiros para determinar qual tecnologia da Internet das Coisas, assim como quais dados, são necessários, e então constrói uma solução personalizada para enfrentar os desafios de cada cliente. A IoT America fornece capacidade de rede necessária para um local ou aplicativo específicos, usando sensores e gateways baseados em LoRaWAN.

Os parceiros da IoT America são operadoras rurais e a empresa tornou-se integrante da Lora Alliance. Assim, instala gateway Lora em uma determinada área para capturar os dados de sensores, que, em seguida, são encaminhados por uma conexão celular para um servidor baseado em nuvem. O teste inicial envolveu o uso da rede da IoT America para capturar dados sobre condições em várias fazendas.

Em alguns casos, por exemplo, o rastreamento de ativos está sendo usado, com sensores ligados a equipamentos, como tratores, colheitadeiras ou equipamentos de plantio e outras ferramentas. Quanto aos sensores movidos a bateria, cada um tem o seu próprio número de identificação único. A IoT America ou seu parceiro pode fornecer os sensores, que transmitem sua identificação única via Lora para um gateway da IoT America. Quando o gateway recebe os dados, pode-se identificar a localização aproximada de cada sensor, vinculá-lo ao ID único e encaminhar esses dados para o software baseado em nuvem, por uma conexão celular.

Os agricultores podem ver os dados em um painel online, usando um dispositivo baseado em iOS ou Android, mesmo no campo. Dessa forma, se um trabalhador agrícola deixar uma peça de equipamento para trás em um local específico, outros podem encontrar rapidamente esse item, mesmo que o funcionário não esteja lá para dizer onde está.

Os sensores podem fornecer outros pormenores como se os silos ou tanques de água estão cheios e oferecer controle remoto. Os sensores podem incluir um sensor de umidade ou pressão e, assim, identificar o nível do conteúdo do tanque ou reservatório, em seguida, enviar os dados para tomada de decisão.

Para a gestão do solo, o sistema pode identificar o nível de umidade em tempo real. Estes dados também podem ser utilizados para análises. Por exemplo, um produtor de amêndoas da Califórnia pode comparar os níveis de água com os rendimentos, determinar o melhor nível de rega e, potencialmente, evitar o excesso de água. “Orgulhamo-nos de chegar a uma abordagem consultiva”, afirma Lai. “A pergunta que fazemos é: qual é o problema que querem resolver?” Essa abordagem consultiva inclui a realização de uma pesquisa ou análise para garantir o posicionamento correto do gateway e a cobertura total da rede em um campo ou fazenda.

As fazendas usando a tecnologia podem variar de tamanho em algumas centenas de acres para milhares de acres, declara Lai. Entre as empresas testando a tecnologia, algumas têm um único aplicativo, como rastreamento de ativos, enquanto outros estão utilizando a rede de IoT para múltiplos propósitos. Até agora, a empresa tem fornecido suas soluções através de seus parceiros, como a US Cellular. A IoT America amplia o alcance dos parceiros para os sensores através da rede LoRaWAN.

“Quando você olha para a área rural dos EUA, a infraestrutura é fundamental”, diz Lai. “O valor para o parceiro é fazer na frente de todo um novo mercado que está a ser servido”. Para parceiros de soluções que precisam para construir redes para o seu sistema, a IoT America pretende capacitá-los a construir uma rede para seus clientes que podem ser usados com suas soluções existentes. A empresa está atualmente no processo de triagem futuros parceiros para a rede. O processo de seleção envolve a validação dos sensores e uso de software da empresa, bem como testar a experiência do usuário.

A companhia prevê que seus clientes possam usar o sistema para reduzir o consumo de água em até 30%, já que agora terão uma maior compreensão do teor de umidade de seus campos e pode evitar o excesso de irrigação. A solução também deverá reduzir os custos de mão-de-obra em torno da condição física do solo e das verificações de irrigação.

- PUBLICIDADE -

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui