IoT rastreia temperaturas na entrega de alimentos

A Schwan’s Home Delivery está implantando uma solução de Internet das Coisas para gerenciar temperaturas em 3.000 vans e freezers em 300 locais

Claire Swedberg

O serviço de entrega de mercearia Schwan’s Home Delivery (SHD), nos Estados Unidos, implantou uma solução de Internet das Coisas (IoT) sem fio conhecida como SmartSense da Digi para gerenciar a movimentação de 3.000 veículos de entrega dentro e fora de seus 300 depósitos em todo o país. Com a solução implantada, a SHD diz que pode garantir temperaturas consistentes dos alimentos até a porta do cliente, fornecendo um produto congelado de alta qualidade sem a necessidade de numerosas verificações manuais de temperatura pelos funcionários.

A tecnologia ajuda o SHD a responder a quaisquer variações de temperatura em tempo real em seus depósitos e a coletar dados históricos para fins analíticos. A empresa afirma ser a maior fornecedora de entrega direta de comida ao domicílio nos Estados Unidos. Foi lançada há 70 anos como um serviço de entrega de leite e sorvete em Minnesota, vendendo produtos lácteos da Família Schwan. Desde então, a empresa familiar se expandiu para atender todo o país, oferecendo kits de jantar, acompanhamentos e sobremesas.

Com um modelo de entrega complexo em todo o país a partir de centenas de locais, a empresa dá grande ênfase à segurança alimentar, atendendo e excedendo os regulamentos do USDA, de acordo com Larry Gaskin, diretor de operações de armazém da Schwan. “A entrega em domicílio da Schwan oferece produtos de alta qualidade”, diz ele, “e o método de entrega direto na porta do cliente é muito exclusivo.” Durante a pandemia COVID-19 deste ano, seu crescimento acelerou para atender à crescente demanda por entregas em domicílio.

Para garantir que a empresa e seus produtos atendessem aos padrões de temperatura, os funcionários tradicionalmente monitoravam e registravam manualmente as condições dentro de caminhões e freezers, diz Gaskin, o que incluía visitas regulares no local após o expediente e nos finais de semana. Sobre as condições dos veículos, ele acrescenta: “Os motoristas são nossos olhos e ouvidos”, pois verificam visualmente as informações de temperatura e as registram em papel e caneta. Esse era um processo manual, ele explica, que não permitia à empresa visualizar as condições em tempo real ou receber alertas assim que ocorresse uma variação de temperatura. Isso significava que havia o potencial de perda de estoque se um freezer falhasse ou funcionasse mal e o incidente não fosse detectado.

Além do custo do método manual de mão-de-obra intensiva, a empresa percebeu que alguns de seus equipamentos de monitoramento de temperatura existentes não mediam ou exibiam as temperaturas com precisão. Para enfrentar esses desafios, ela começou a buscar uma solução baseada em tecnologia. SHD se reuniu com a empresa de tecnologia IoT Digi em 2018, depois começou a testar o sistema sem fio e baseado em nuvem em três das localidades da Schwan no Arizona, Minnesota e Texas. O objetivo era implantar sensores, gateways e software em uma variedade de ambientes e climas.

O sistema consiste em dois sensores Bluetooth Low Energy (BLE) em cada van, um na frente e outro atrás, para cobrir o veículo de oito portas. O sensor alimentado por bateria tem aproximadamente o tamanho de uma moeda e fica pendurado no freezer ao ar livre. A cada 10 minutos, ele coleta dados de temperatura e os armazena em sua memória interna, explica Kevin Riley, presidente da SmartSense da Digi e das soluções de IoT da empresa. Esses pequenos sensores alimentados por bateria não requerem nenhuma fiação para o próprio sistema de energia do veículo. “Uma coisa que queríamos era a [funcionalidade] sem fio”, afirma Gaskin. “Queríamos simplicidade de instalação e uso.”

Quando um veículo chega ao pátio de depósito após suas entregas serem concluídas, um gateway de celular na entrada captura dados de temperatura de ambos os sensores e os transmite para o software baseado em nuvem por meio de uma conexão de celular. Essa captura automática foi um recurso importante para a empresa, observa Gaskin. “Com muitos dataloggers, [há] muitas etapas” para acessar as informações, acrescenta Riley. Os dataloggers tradicionais podem precisar ser ligados, colocados dentro de um veículo e depois removidos desse veículo, com seus dados baixados para um PC. Mas com o SmartSense, ele diz, “Isso é completamente sem toque. Ele baixa os dados automaticamente.”

Enquanto o caminhão está estacionado no depósito, seus sensores continuam a coletar dados e encaminhá-los para a nuvem por meio de qualquer gateway de celular implantado dentro do alcance do veículo. Além disso, a SHD instalou três sensores de temperatura Digi do sistema de localização em tempo real Zigbee (RTLS) no freezer de cada depósito, com um gateway Zigbee implantado no depósito. Ao empregar a tecnologia Zigbee no freezer do depósito, a empresa pode realizar leituras longas por meio de uma rede mesh em tempo real. O gateway Zigbee envia dados para a nuvem por meio da conectividade celular.

No caso de monitoramento das condições durante o trajeto até os clientes, ou ao longo de um dia de entregas, ainda é fornecida aos motoristas uma exibição visual das temperaturas de cada caminhão, permitindo que eles verifiquem se suspeitam de aumento de temperatura. O gerenciamento pode então visualizar as informações de temperatura com base na IoT, seja de veículos ou do freezer do depósito, no painel a qualquer momento; se a temperatura for considerada muito alta, o software emitirá um alerta. A empresa estabeleceu uma hierarquia para relatórios de alerta, Gaskin diz. O primeiro alerta vai para uma equipe de liderança local e líderes locais seniores. Se não houver resposta, a mensagem passa para níveis superiores de gerenciamento. Os alertas são enviados por texto e e-mail.

Os gerentes podem usar os dados coletados para fins históricos. Por exemplo, se a porta de um caminhão fosse frequentemente deixada aberta, os eventos de aquecimento resultantes seriam detectados e o motorista poderia ser treinado novamente. Se houvesse consistência nas questões de temperatura com base no clima ou climas, a empresa também poderia tratar desses eventos. Os benefícios, então, não são apenas a melhoria do frescor do produto, mas também uma redução no custo do uso de eletricidade, bem como a capacidade de diagnosticar problemas potenciais com o equipamento em um veículo. “Temos objetivos e padrões que definimos” para veículos e funcionários, diz Gaskin, e os dados ajudam os gerentes a ver como estão sendo cumpridos.

Além disso, o sistema reduz o número de horas de trabalho desnecessárias que os trabalhadores gastavam verificando as temperaturas. “Antes de implementar este sistema”, relata Gaskin, “eles dependiam de pessoas que chegavam nos fins de semana.” Agora, com o sistema instalado, isso se tornou menos necessário. “Nossos clientes e funcionários são as duas pessoas mais importantes para nossa empresa.”

A implantação se enquadra nas principais áreas de enfoque da Digi, diz Riley: saúde e entrega de alimentos. “Quando eles estavam descrevendo seus problemas e objetivos”, explica ele, “tivemos que pensar em como lançaríamos a solução, mas estava na casa do leme do que fazemos.” Em vez de apenas oferecer a tecnologia em si, diz ele, a empresa também se concentra nos serviços de IoT. Na verdade, a solução SmartSense está instalada em 70.000 locais para centenas de clientes.

Durante a pandemia, a tecnologia também foi lançada para rastreamento de ativos em clínicas, hospitais e laboratórios, enquanto a empresa lançou recentemente seu produto SafeTemps para ajudar os funcionários a retornar com segurança aos seus locais de trabalho. Para garantir que a implantação na Schwan’s fosse rápida e eficiente, Gaskin diz, a empresa optou por implantar a solução em todos os seus próprios locais. “A instalação foi muito simples”, afirma.

Desde que o sistema foi colocado em operação, Gaskin disse, ocorreu uma queda de energia em um local. “Conseguimos receber o alerta”, acrescenta, assim que as temperaturas começaram a subir. Portanto, a gerência foi capaz de ir ao depósito e resolver o problema. O sistema também ofereceu alguns benefícios inesperados, como fornecer dados sobre quando os veículos saem e retornam aos depósitos, para uso na programação.

A SHD espera ter análises e relatórios sobre mais de 23 milhões de pontos de dados mensais, incluindo ativos móveis e fixos. Após o piloto, Gaskin diz, a empresa iniciou uma implantação gradual em mais 20 depósitos. O sistema agora está ativo em 94 locais e em 1.000 caminhões. “Nossa meta é estar ao vivo em todos os depósitos até a semana de Ação de Graças”, diz ele – e com o sistema sendo lançado em 50 depósitos por semana, “é muito fácil de fazer”.

- PUBLICIDADE -

LEAVE A REPLY

Please enter your comment!
Please enter your name here