IoT rastreia mercadorias para tratamento de COVID-19

Mezzanine, Controlant e outras empresas estão aproveitando as redes da Internet das Coisas da Vodafone para controlar vacinas, luvas, seringas e muito mais

Claire Swedberg

O desafio global de entregar suprimentos e medicamentos rapidamente aos provedores de saúde está sendo abordado por algumas empresas que usam a conectividade da Internet das Coisas (IoT) para rastrear tudo, desde vacinas a caixas de luvas conforme são transportadas para todos os continentes no esforço contínuo para tratar pacientes e controle COVID-19. Desde o ano passado, a Vodafone Business tem fornecido soluções de resposta à pandemia baseadas em IoT para provedores de serviços de saúde e empresas de tecnologia em todo o mundo.

A solução aproveita um cartão SIM com conectividade celular via rede celular da Vodafone, bem como uma plataforma de software baseada em nuvem que rastreia a localização de equipamentos de proteção individual (PPE), vacinas e suprimentos de saúde usados no atendimento de pacientes com COVID-19 e no parto de vacinas. Com esta solução, a Vodafone Business gere a cadeia de abastecimento de fornecedores terceiros. Em outros casos, as empresas já podem oferecer dispositivos baseados em IoT, como sensores ou coolers conectados, que podem alavancar sua rede para conectividade.

Um exemplo da solução de gerenciamento da cadeia de abastecimento é alavancado pela Mezzanine, Filial da Vodafone na África do Sul. Desde o lançamento da empresa em 2012, a Mezzanine projetou e construiu soluções baseadas em tecnologia digital para clientes nas áreas de agricultura e saúde em toda a África, de acordo com Jacques De Vos, CEO da empresa. As soluções de IoT da Mezzanine estão sendo usadas por governos e empresas na África do Sul, Gana, Nigéria, Moçambique, Zâmbia, Uganda, Quênia, Etiópia, Malaui e Tanzânia.

Além disso, a Mezzanine usa a tecnologia IoT em sua Stock Visibility Solution (SVS), um aplicativo móvel independente de rede para farmácias em instalações de saúde. A solução fornece informações de localização para gerenciamento da cadeia de suprimentos de medicamentos. O mezanino expandiu a capacidade do sistema de suprimentos no ano passado, diz De Vos, para melhor atender aos testes de instalações de saúde ou tratar pacientes com COVID ou fornecer vacinas.

Jacques De Vos

Atualmente, o objetivo do SVS é fornecer o que De Vos chama de coleta instantânea de dados digitais, “permitindo uma melhor distribuição de equipamentos muito necessários aos profissionais de saúde”. A mais recente funcionalidade expandida do SVS, ele acrescenta, fornece visibilidade centralizada e ponta a ponta sobre os bens necessários para os profissionais de saúde, para garantir que eles possam atender adequadamente ao público, estejam os indivíduos sendo tratados ou vacinados. “Durante a pandemia”, observa ele, “isso provou ser essencial”.

Luvas, máscaras e desinfetantes estão entre os itens essenciais que a empresa está ajudando os clientes a rastrear com sua tecnologia IoT. “Evitar a falta de estoque desses itens é fundamental”, explica De Vos. “Fornecer cuidados de alta qualidade não é possível sem proteger os profissionais de saúde, bem como os pacientes.” Por exemplo, como parte do processo de vacinação, são necessários EPIs, seringas, cartões de registro e adesivos “Fui vacinado”. A solução SVS tem o objetivo de ajudar agências e empresas a garantir que todos os itens estejam disponíveis no lugar certo, nas quantidades corretas e no tempo adequado.

Com a solução, as mercadorias podem ser rastreadas usando um leitor de código de barras do smartphone ou sem fio para rastrear as mercadorias. Por exemplo, à medida que se move pela cadeia de abastecimento, um cartão SIM pode coletar dados de localização GPS e encaminhá-los através da rede celular Vodafone. A informação é capturada na plataforma da Vodafone e depois transmitida para o software baseado na nuvem da Mezzanine, fornecendo assim uma atualização da localização e do estado das mercadorias. A Mezzanine pode então compartilhar esses dados com seus clientes, bem como identificar e resolver quaisquer problemas da cadeia de suprimentos em tempo real.

Phil Skipper

Desde o início da pandemia COVID-19, o SVS foi implantado em 350 hospitais públicos em toda a África do Sul, em todas as províncias do país, exceto para Western Cape). Isso, segundo a empresa, tem ajudado as instalações a monitorar o estoque de máscaras, luvas, desinfetantes, viseiras, aventais, protetores de botas e óculos de proteção, entre outros bens. Itens de estoque de EPI também foram adicionados à lista de inventário de 3.500 unidades básicas de saúde que já usam o SVS na África do Sul para fins de rastreamento de medicamentos. O PPE e outros dados de logística de abastecimento podem ser enviados diretamente para o National Surveillance Centre at the Department of Health e seu COVID-19 Data Lake (repositório de dados) por meio das APIs do Mezzanine.

A empresa de tecnologia sul-africana adicionou um módulo para capturar informações de saúde e segurança ocupacional das instalações, a fim de garantir que os protocolos de EPI sejam seguidos. As soluções da Mezzanine são projetadas para atender às necessidades de última milha dos mercados da África Subsaariana que atende, diz De Vos. Os usuários autorizados podem utilizar o cartão SIM de qualquer provedor GSM para acessar o portal de gerenciamento da Web baseado em nuvem SVS. “Oferecemos o benefício de um APN corporativo [nome do ponto de acesso] em nossos principais mercados de negócios Vodafone para permitir o controle de custos e medidas de segurança adicionais”, observa ele, acrescentando que o SVS funciona tanto online quanto offline, tornando-o adequado para rápido implantação eficaz em ambientes de poucos recursos e baixa largura de banda.

Para a Vodafone Business, o Mezzanine é um dos muitos exemplos de como sua rede pode ser usada para resposta a uma pandemia na área de saúde. “Temos rastreado mercadorias em todo o planeta desde o início da IoT”, disse Phil Skipper, chefe de estratégia da Vodafone Business para IoT. O que está acontecendo agora, diz ele, é a necessidade de monitoramento intensivo da condição durante o lançamento da vacina. “Portanto, estamos fornecendo a mesma conectividade crítica, mas no espaço médico.” As empresas abordam o problema de vários ângulos, explica ele, dependendo se já oferecem soluções que precisam de conectividade ou querem aproveitar a solução completa da Vodafone Business. “Mas todos podem empregar uma rede IoT.”

A empresa fornece conectividade global para 570 redes em 182 países, e Skipper diz que a empresa está envolvida com a pandemia desde os estágios iniciais do surto. As soluções foram inicialmente focadas em fornecer aos hospitais de campo conectividade e infraestrutura sem fio, como dispositivos de chamada de enfermagem, tablets, câmeras de detecção de calor e serviços de monitoramento para pacientes que podem estar em risco de contrair COVID-19. “Conectamos 120 milhões de dispositivos em todo o mundo e operamos globalmente”, afirma.

Outra empresa que usa a rede é a Controlant, uma empresa de tecnologia de monitoramento de cadeia de suprimentos digital com sede na Islândia, que usa uma rede IoT baseada em celular da Vodafone Business para possibilitar o monitoramento de medicamentos e vacinas sensíveis à temperatura em todo o mundo. A solução consiste nos próprios rastreadores da Controlant, que utilizam a placa Vodafone IoT para se conectar à sua rede para conectividade.

Normalmente, o rastreador é conectado a uma caixa de refrigerante, onde transmite sua localização e temperaturas conforme a caixa viaja pela cadeia de abastecimento. Com a rede Vodafone, Skipper afirma: “Ela oferece a visibilidade de ponta a ponta de que você precisa”. A Controlant pode, portanto, fornecer dados importantes a seus clientes, como se uma remessa específica chegou ou não no prazo e dentro dos parâmetros de temperatura exigidos. A Controlant fornece sua solução para clientes que monitoram os locais e condições das vacinas que passam de um fabricante ou distribuidor farmacêutico para um provedor de saúde.

A Vodafone Business conduziu sua pesquisa “IoT Spotlight 2020” com 1.639 empresas para aprender os efeitos que a Internet das Coisas teve em suas operações. Desses entrevistados, 73 pontos indicaram que a IoT trouxe um retorno significativo sobre o investimento.

- PUBLICIDADE -

LEAVE A REPLY

Please enter your comment!
Please enter your name here