IoT Consortium adiciona saúde conectada às suas verticais

A associação de desenvolvimento de negócios para o ecossistema da Internet das Coisas (IoT) tomou a decisão para inovação nessas áreas durante a pandemia de Covid-19

RFID Journal

O Internet of Things Consortium (IoTC), uma associação de desenvolvimento de negócios para o ecossistema da Internet das Coisas (IoT, do inglês, Internet of Things), anunciou que acrescentará saúde e bem-estar conectados às suas principais verticais em foco. Devido à necessidade urgente de avançar o crescimento da IoT em um setor sobrecarregado pela pandemia de Covid-19, o IoTC e seus parceiros membros priorizarão a inovação em saúde e bem-estar conectados, com os wearables como um mercado sub-vertical, continuando a se concentrar em orientar a adoção da IoT em cidades conectadas, residências, automóveis e varejo.

Greg Kahn, fundador e CEO do IoTC, afirma que o coronavírus ressaltou a necessidade crítica de impulsionar a adoção de dispositivos, plataformas e serviços para apoiar indivíduos em todos os níveis de atendimento, do preventivo ao emergencial. “Tão rapidamente quanto a tecnologia avança”, disse, “o mesmo acontece com as necessidades em evolução e mudanças de nosso mundo. Precisamos da colaboração do setor público-privado imediatamente para trazer novas inovações à vanguarda”.

Atualmente, os sistemas de saúde dos EUA e do Brasil, assim como em quase todos os países do mundo, estão em crise devido à pandemia, com custos crescentes, e tempos de espera cada vez maiores para os pacientes chegarem aos especialistas. Embora a telemedicina e os dispositivos de saúde conectados estejam surgindo, a organização relata que a adoção de serviços de saúde conectados tem sido mais lenta do que o esperado, principalmente nas clínicas médicas menores que carecem dos recursos de grandes hospitais e sistemas de saúde.

Em uma pesquisa de 2016 realizada pela American Medical Association, por exemplo, apenas 15,4% dos médicos usaram telemedicina para interações com os pacientes, enquanto 11,2% trabalhavam em práticas que usavam telemedicina para interações entre médicos e profissionais de saúde. Antes do surto de coronavírus, indica o IoTC, o ônus financeiro da implantação da telemedicina era a barreira mais significativa.

A pandemia obrigou o governo e o sistema de saúde dos EUA a estender a telemedicina em uma ampla faixa do país, em ambientes rurais e urbanos, a fim de reduzir as visitas às urgências e a disseminação do vírus para os profissionais de saúde. Os Centros de Serviços Medicare e Medicaid (CMS), por exemplo, ampliaram recentemente o acesso aos serviços de telessaúde para que os beneficiários, particularmente aqueles com alto risco de complicações do Covid-19, possam receber uma gama mais ampla de serviços de médicos sem precisar sair de casa.

“As startups e empresas pioneiras nunca pararam a exploração e desenvolvimento de novas maneiras de oferecer às soluções de assistência médica e bem-estar um alcance muito mais amplo”, alerta Kahn. “Desde a experiência médico-paciente até dispositivos de consumo que ajudam as pessoas a monitorar e gerenciar sua saúde e bem-estar em qualquer lugar a qualquer momento, as empresas não sobrecarregadas pela burocracia estão surgindo como inovadoras que preenchem uma necessidade vital”.

Desde 2016, o IoTC reúne executivos de várias empresas e organizações em reuniões e eventos, além de seminários on-line e podcasts. Os membros do consórcio podem formar parcerias estratégicas e compartilhar conhecimentos e práticas recomendadas para ajudar a educar os consumidores e a comunidade empresarial em geral, ao enfrentar barreiras do setor para produtos e serviços de IoT para promover a adoção de tecnologia. Em 9 de abril de 2020, o IoTC lançou uma nova série virtual, o IoTC NOW, permitindo que os membros discutissem a pandemia e seus efeitos em setores específicos da indústria.

- PUBLICIDADE -

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui