Hospital reduz tempo de processos para cirurgias em 10%

O Adventist Health White Memorial está usando uma solução RTLS para localizar pacientes e obter informações sobre o estado de saúde de cada um.

Por Claire Swedberg

Adventist Health White Memorial (AHWM) aumentou sua eficiência em sala de cirurgia, reduzindo o tempo de seus processos em 10%, graças a uma solução baseada em tecnologia de sistema de localização em tempo real (RTLS). O sistema identifica a localização e o status de cada paciente desde quando é admitido até que essa pessoa tenha alta médica.

A solução de gerenciamento de fluxo de trabalho, conhecida como Tagnos OR, é fornecida pela empresa de tecnologia Tagnos e consiste de um software integrado que dá visibilidade em tempo real aos provedores de serviços de saúde para, assim, atender pacientes cirúrgicos com eficiência e melhorar o agendamento a longo prazo.

Adventist Health

Adventist Health White MemorialO hospital está usando tags e receptores com pulseiras RTLS da Centrak para capturar dados de localização, e leitores móveis da Zebra Technologies, executando um aplicativo Tagnos. Usando o sistema, os profissionais de saúde podem visualizar informações sobre o estado dos pacientes antes, durante e depois de um procedimento cirúrgico.

A solução permite uma entrega de cuidados mais rápida e maior satisfação do paciente, de acordo com Randy Saad, diretor de serviços operatórios do AHWM. As salas de operação são caras e seu uso pode custar aproximadamente US$ 41 por minuto. Portanto, economizar até cinco minutos entre os procedimentos pode ser significativo. Para o AHWM, a solução começou com um incentivo mais básico: garantir que os pacientes pudessem ser atendidos de forma eficiente, em menos tempo.

O sistema foi lançado há uma década para rastrear os movimentos dos pacientes. Este ano, no entanto, o hospital acrescentou dados de status de sala que ajuda sua equipe a gerenciar não apenas os movimentos dos pacientes, mas também a atividade em salas cirúrgicas para mover mais eficientemente os pacientes por essas salas.

O Adventist Health White Memorial é um hospital-escola sem fins lucrativos, com 353 leitos, estabelecido pela Igreja Adventista do Sétimo Dia há mais de um século. Localizado perto do centro de Los Angeles, o hospital oferece uma gama completa de serviços de internação, ambulatório, emergência e diagnóstico. O AHWM é conhecido pelos cuidados cardíacos e ortopédicos, bem como por procedimentos cirúrgicos gastrointestinais. Na verdade, fornece esses procedimentos gastrointestinais para 500 pacientes a cada mês. Ao todo, Saad diz que a instalação atende 7.000 pacientes cirúrgicos por ano em suas seis salas de cirurgia.

Uma década atrás, enquanto o hospital expandia suas instalações e construía uma nova suíte cirúrgica, Saad diz que estava procurando formas de tornar a suíte mais eficiente e organizada. Ele procurou um sistema que identificasse onde os pacientes estavam, para onde estavam sendo enviados e até onde eles haviam progredido durante a visita.

Randy Saad

Saad relembra um incidente em que um paciente pareceu estar ausente de seu procedimento agendado, mas Saad descobriu que esse indivíduo estava realmente sentado na sala de espera por horas e não havia sido chamado para a área pré-operatória. “Quando cheguei a essa área”, diz ele, “encontrei-o esperando pacientemente por seu procedimento, e pensei: ‘isso não pode acontecer'”.

O AHWM começou a investigar tecnologia que identificaria os movimentos dos pacientes através das etapas de seus procedimentos, desde a admissão até a alta. A primeira solução dependia de um clicker em cada departamento que os funcionários poderiam pressionar quando um paciente chegasse ou saísse. Esse sistema logo se mostrou inadequado, já que os trabalhadores nem sempre têm a oportunidade de pressionar o botão ou se esqueceram de fazê-lo.

“O que precisávamos era de precisão sobre o movimento do paciente e acesso imediato aos dados”, diz Saad, com uma maneira automatizada de coletar essas informações. Ele se reuniu com Neeraj Bhavani, CEO da Tagnos, e lançou a primeira versão da solução RTLS. Desde então, o hospital atualizou o sistema com a tecnologia RTLS ativa da Centrak para fornecer dados de localização precisos dentro de três segundos quando um paciente entra ou sai de uma área, como a sala de cirurgia ou áreas de cuidados pré ou pós-operatórios.

O sistema monitora pacientes em seis fases: espera de pré-registro, registro, espera pós-registro, pré-procedimento, procedimento e pós-procedimento. Primeiro, é atribuída uma pulseira ao paciente no check-in. A pulseira vem com um transmissor IR embutido para enviar um número de ID exclusivo vinculado aos dados desse paciente no software de gerenciamento do hospital.

A pulseira continua a sinalizar sua identificação em intervalos regulares, e essas comunicações são recebidas pelos receptores Gen 2IR instalados em toda a área. Quando o receptor mais próximo captura a identificação da pulseira, ele encaminha os dados para o software Tagnos OR, que identifica a localização da pulseira e envia essas informações para o software da AHWM.

À medida que um paciente se desloca de uma área para outra (como da sala de cirurgia para a sala de recuperação), os dados de localização são atualizados no software da Tagnos OR e no hospital. Os prestadores de serviços de saúde no local podem usar o dispositivo TC51-HC da Zebra para acessar dados sobre o fluxo do paciente, bem como o status de qualquer paciente específico. Com a tecnologia em vigor, Saad diz que o AHWM estabeleceu metas para atendimento ao paciente que incluem um tempo máximo de espera de 15 minutos na sala de espera da área de registro e duas horas na área pré-operatória antes de um procedimento.

Para atender a essas metas, o pessoal deve gerenciar rigorosamente quanto tempo os pacientes esperam e garantir que passem rapidamente para a próxima etapa da visita. Os funcionários podem usar o aplicativo para visualizar quando um paciente está pronto para o centro cirúrgico, por exemplo, e organizar os procedimentos. Se um paciente espera por um longo período em qualquer área, os funcionários podem receber um alerta. O sistema também fornece análises. Com a solução Tagnos OR, Saad diz: “Sabemos quando os pacientes entram. Sabemos quando temos dias e horários mais ocupados, e quando podemos precisar de mais ou menos funcionários”.

Desde que a tecnologia foi instalada, Saad diz que o hospital conseguiu reduzir três posições em tempo integral devido à maior eficiência, e os pacientes agora estão sendo vistos com mais eficiência. “Com as pessoas vendo onde cada paciente está”, relata, “eles podem fazer escolhas sobre a movimentação de casos antes do previsto”. Além disso, ao mover os pacientes de forma mais eficiente através de seus procedimentos, com menos tempo de espera, os funcionários podem concluir seu dia mais rapidamente. “Isso coloca um sorriso no rosto de um médico”, afirma.

O hospital também aproveita o sistema para saber exatamente quanto tempo um paciente permaneceu na sala de cirurgia, para fins de faturamento. Reduzindo o tempo entre os procedimentos cirúrgicos, mesmo que em cinco minutos, o AHWM economiza potencialmente mais de um milhão de dólares por ano.

O pessoal do hospital usa dois tipos de dispositivos portáteis da Zebra, diz Tony Palcheck, diretor-gerente da Zebra Ventures, braço de investimentos estratégicos da Zebra Technologies. A equipe de serviços ambientais utiliza o TC20, enquanto a enfermaria e a liderança do Centro Cirúrgico empregam o TC51-HC. O AHWM tem usado esses modelos desde setembro de 2018.

Tony Palcheck

Os leitores móveis melhoram a produtividade, diz Palcheck. Embora sejam resistentes, são abrigados em plásticos de classe médica que permitem que sejam limpos com desinfetantes. “O TC51-HC prospera nos serviços de saúde”, diz, realizando tarefas de computação móvel e permitindo colaboração clínica e captura de dados para ajudar a melhorar a experiência do paciente. Os computadores móveis também alertam o SVE e as equipes de enfermagem se ações imediatas são necessárias. O aplicativo Tagnos inclui “salas de conversação” e atalhos para que os membros da equipe possam acessar ou compartilhar atualizações específicas.

No futuro, o Adventist Health White Memorial espera implantar recursos de inteligência artificial que ajudariam a prever a duração do caso para cada paciente programado, com base nos padrões de experiências semelhantes dos pacientes. O hospital também planeja um recurso de utilização de bloco, com cada médico designado blocos de tempo para agendar pacientes.

Os dados do sistema podem ajudar a identificar o tempo necessário para cada paciente dentro de um determinado bloco e podem calcular qualquer momento em que uma sala pode ser liberada para mais pacientes. “Os médicos querem que você use esse tempo e não tenha lacunas”, afirma Saad. Crítico para isso, ele acrescenta, é saber se o primeiro paciente foi à sala a tempo, por exemplo. Enquanto a AHWN está usando o software em suas próprias instalações, diz Bhavani, o software também pode ser fornecido na nuvem.

- PUBLICIDADE -

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui