Grupo EON faz parceria com SML no varejo circular

A empresa de soluções de produtos de conectividade aproveitará sistema da SML para rastrear mercadorias e fornecer gêmeo digital da vida útil de uma roupa após a compra

Claire Swedberg

A EON Group formou uma parceria com identificação de marca e provedor de soluções RFID SML Group para criar dados de identificação no nível do item e vincular seus dados de inventário capturados da tecnologia no nível do item com a própria ID digital da EON para itens de moda. A parceria, segundo as empresas, tem como objetivo estender a história de uma peça de vestuário desde o início da cadeia de suprimentos até a primeira venda, passando pela revenda, aluguel, reciclagem ou descarte. Isso significa que cada item sendo rastreado por marcas e varejistas, por meio de eventos criados durante a vida do item com o software Clarity da SML, pode ser engajado pelos consumidores.

Dessa forma, os clientes podem entender informações como manufatura sustentável, materiais usados, opções de serviços e outros produtos que podem ser adquiridos para acessórios. Fundado em Manhattan em 2017, o Grupo EON oferece soluções que conectam produtos e proprietários de marcas aos consumidores. Seu serviço baseado em nuvem consiste em uma identificação digital ou passaporte para cada produto identificado exclusivamente, para permitir a autenticação e outros recursos e, assim, fornecer um histórico de roupas e informações de reciclagem por meio de software e aplicativos.

A EON permite que as marcas continuem se envolvendo com os clientes, relata a empresa, como parte de modelos de negócios circulares – como aluguel de produtos, devoluções ou revendas – e, em última instância, para permitir a economia circular da moda. Os consumidores podem acessar a ID digital por meio de uma leitura de código QR ou indo diretamente para o site da EON baseado em nuvem para inserir informações.

Com o sistema EON, os proprietários das marcas podem permitir que os consumidores acessem detalhes sobre a origem de um produto, práticas éticas na cadeia de abastecimento, instruções de cuidados, informações de reciclagem e recursos de revenda. A identidade digital cria o que a EON chama de um canal de informação bidirecional entre a marca e o cliente, permitindo que as marcas assumam uma relação mais baseada no serviço com os compradores, em vez de simplesmente focar em um número máximo de vendas únicas, explica Natasha Franck, Fundador e CEO do Grupo EON.

De acordo com Franck, os consumidores têm impulsionado uma tendência em direção a uma economia de vendas mais circular, que envolve a compra, aluguel ou venda de roupas, tudo por meio de modelos omnicanal, e têm buscado acesso a mais informações sobre os produtos que compram ou vendem. Na EON, ela diz: “Fomos inspirados pela missão de impulsionar uma transformação do modelo de negócios sustentável em toda a indústria da moda”.

Até recentemente, essa transformação era praticamente impossível, diz Franck, porque o varejo de moda estava totalmente focado na produção e na venda única de mais produtos. Por meio da digitalização dos produtos, ela explica, “as marcas podem manter e monetizar o valor dos produtos em todo o ciclo de vida”, mesmo depois de vendidos. Isso significa saber quando os produtos foram comprados, devolvidos, vendidos ou reciclados e permitir que o varejista ou a marca faça um upsell para os consumidores com base na compra ou no compromisso de um produto.

Embora as etiquetas RFID em roupas possam ajudar as marcas e varejistas a rastrear o movimento de um único item na cadeia de suprimentos e nas lojas, a visibilidade de um produto normalmente para no ponto de venda. Isso, explica Franck, falha em atender ao cliente de hoje, que tem expectativas em relação à revenda, venda cruzada, aluguel e serviços. Com sua parceria com a SML, a EON espera acessar toda a vida útil de informações de um produto, que pode então ser gerenciada e entregue a partes específicas, incluindo consumidores, conforme necessário.

“É muito sinérgico com a extensão do que estamos vendo atualmente no espaço de varejo com a transformação para RFID em nível de item”, disse Dean Frew, diretor de tecnologia do SML Group e vice-presidente sênior de soluções RFID. O software Clarity da SML, bem como etiquetas RFID ou não RFID afixadas em cada item que passa por uma cadeia de suprimentos e loja, cria um histórico de cada produto que inclui quando e onde foi feito, os detalhes logísticos e informações de vendas.

As marcas construíram uma infraestrutura de leitores RFID em pontos da cadeia de suprimentos e nas lojas, que coleta esses dados para fins de visibilidade e inventário. “Onde EON e SML se encontram, podemos estender o valor de cada ID digital”, diz Frew. De acordo com a SML, a empresa captura 250 milhões de eventos de leitura de RFID todas as semanas. Com a parceria, alguns desses eventos poderiam alimentar o sistema EON. “Eles estão construindo a segunda vida da roupa a partir de uma perspectiva de identificação digital.”

Normalmente, cada produto é rastreado por meio da plataforma Clarity da SML por meio de seu número de ID exclusivo EPC, que está vinculado a um ID EON ou perfil digital, algo que Franck chama de passaporte do produto. Essas duas IDs são totalmente integradas ao software da EON, diz ela, e os dados podem ser compartilhados conforme necessário, de acordo com o caso de uso de uma marca ou varejista. “Associamos esses dados ao nosso EON ID”, afirma Franck, “e criamos um perfil rico em dados, passaporte digital desse produto”.

Por exemplo, o sistema pode fornecer os principais detalhes de fabricação e logística aos consumidores, permitir o envolvimento de marcas com clientes que compraram seus produtos e fornecer informações do revendedor se um produto for para um segundo proprietário. “A sinergia era bastante óbvia”, diz Frew, “e estamos entusiasmados com isso, com certeza”. As duas empresas estão trabalhando juntas nos preparativos do piloto.

No futuro, o sistema EON pode abrir casos de uso para novas implantações de infraestrutura RFID, como rastreamento de mercadorias que são recicladas ou revendidas. Isso pode significar a implantação de leitores RFID para automatizar a captura de dados de tags à medida que os produtos passam pelos processos muito tempo depois de os itens serem vendidos. Embora a economia circular esteja crescendo, Franck diz, a tecnologia de identificação automatizada ainda não atingiu esta parte da vida útil de uma roupa.

“A infraestrutura de reciclagem ou capacidade de separar produtos com base em RFID ainda não existe”, diz Franck. “Não há inteligência em uma economia circular”, o que significa que a infraestrutura RFID além do ponto de venda pode fornecer mais inteligência em tal economia. “Já vimos a primeira onda do futuro do varejo”, diz Frew, com a transição da coleta de dados RFID do rastreamento de produtos no nível da unidade de manutenção de estoque para o nível do item, em toda a cadeia de abastecimento. “Agora temos que lidar com a segunda vida dessas vestimentas”.

De acordo com a Frew, a solução da EON aborda a inovação para um mercado inexplorado, “e queremos fazer parte disso em um papel de suporte”. Ele acrescenta que os consumidores estão impulsionando essa extensão, esperando que o varejista se envolva no fornecimento de informações e serviços após a venda inicial. Com uma identificação digital, os varejistas estão perdendo conectividade e revendas. O conceito de um ID digital para cada peça de roupa é poderoso, Franck diz, “mas obter a captura de dados e o alinhamento com os sistemas existentes é um empreendimento totalmente diferente. Nossa parceria com a SML ajuda com uma implantação inicial”.

- PUBLICIDADE -

LEAVE A REPLY

Please enter your comment!
Please enter your name here