Farmacêutica lança produtos habilitados para RFID

A Fresenius Kabi adotou o sistema para que anestésicos e analgésicos sejam lidos por leitores UHF, proporcionando visibilidade aos hospitais e segurança aos pacientes

Claire Swedberg

A empresa Fresenius Kabi está lançando um portfólio de medicamentos rotulados com RFID. A empresa de gestão de medicamentos IntelliGuard será a primeira empresa a ler os produtos RFID. As drogas etiquetadas com RFID, usadas em salas cirúrgicas, devem ser lançadas comercialmente neste mês. Os rótulos habilitados para RFID estão sendo aplicados em frascos e seringas nas fábricas da Fresenius Kabi, para que as farmácias hospitalares possam ler e gerenciar automaticamente os dados sobre cada produto que recebem. Os dados serão capturados em farmácias e estações de anestesia com RFID, como as fornecidas pelo IntelliGuard.

Ao aplicar as etiquetas no ponto de fabricação, a empresa está eliminando a necessidade de seus clientes aplicarem os medicamentos nas salas de cirurgia à medida que as mercadorias são recebidas, diz Jeanne Sirovatka, diretora de melhoria contínua da Fresenius Kabi para suas três fábricas nos EUA. Isso, diz ela, reduz os custos de mão de obra e o risco de erros. A longo prazo, a Fresenius Kabi espera permitir a visibilidade direta e o controle dos dados relativos aos medicamentos em cada ponto de contato da jornada de um produto, desde a fabricação até a administração do paciente. O anúncio sinaliza o primeiro a incorporar informações sobre medicamentos diretamente em uma etiqueta RFID para eliminar a necessidade de interfaces, de acordo com a farmacêutica Gwen Volpe, diretora de tecnologia de medicamentos da Fresenius Kabi.

Os medicamentos etiquetados são aqueles comumente usados ​​em salas de cirurgia: anestésicos e analgésicos. Cada medicamento incluirá uma etiqueta RFID UHF passiva embutida no rótulo, com o que a empresa chama de logotipo “+ RFID” de fácil identificação impresso na frente para indicar que pode ser interrogado por um leitor RFID. Os rótulos serão aplicados em frascos e seringas. A Fresenius Kabi desenvolveu a tecnologia em resposta às solicitações de clientes que usam soluções RFID, como os sistemas baseados em nuvem da IntelliGuard para rastrear medicamentos em hospitais.

Vários hospitais estão anexando etiquetas RFID aos medicamentos à medida que são recebidos, para que possam gerenciar melhor seu estoque e minimizar o risco de usar medicamentos vencidos. Atualmente, diz Volpe, o rastreamento de medicamentos por RFID está ocorrendo em 10% de todos os hospitais, e os números estão crescendo. “Isso geralmente é para um controle de estoque mais rígido, redução do desperdício e aumento da eficiência e eficácia”, explica ela. Com os novos produtos, Volpe acrescenta: “Vamos fazer a etiquetagem para eles”. Ao aplicar etiquetas no ponto de fabricação, a Fresenius Kabi pode reduzir a quantidade de trabalho e o tempo que os hospitais gastam na colocação de etiquetas RFID.

Com o novo sistema, explica Sirovatka, as etiquetas são aplicadas durante a produção do medicamento e cada etiqueta é lida, gravada e verificada na linha de embalagem. As etiquetas RFID são fornecidas pela empresa de Internet das Coisas (IoT) eAgile. O sistema de etiquetagem, escrita e verificação, diz ela, foi projetado para evitar lentidão nas linhas de produção, o que é crítico para a Fresenius Kabi. A eAgile produz as etiquetas e as incorpora em etiquetas que vêm em um rolo.

A linha de embalagem pega cada rolo de etiqueta e aplica as etiquetas da mesma maneira usada para etiquetas de código de barras padrão. Os leitores e antenas do eAgile realizam a tarefa de leitura e verificação, de acordo com Gordon Krass, CEO da IntelliGuard. Ao aplicar etiquetas no ponto de fabricação, diz ele, a empresa farmacêutica não apenas economiza tempo de trabalho e despesas para o hospital, mas também permite o rastreamento de mercadorias em toda a cadeia de abastecimento.

“A Fresenius Kabi está iniciando o processo no início da fabricação”, afirma Krass, “então tudo depois desse ponto pode se tornar pontos de leitura. Isso abre a oportunidade para informações mais granulares e precisas para proteger a cadeia de suprimentos também”. Isso poderia garantir a autenticidade da marca para garantir que os produtos não sejam desviados da cadeia de suprimentos e que produtos falsificados não sejam introduzidos. As etiquetas empregam o padrão Código Eletrônico de Produto (EPC) GS1, e tanto o número EPC quanto os dados sobre o medicamento são codificados na etiqueta, eliminando assim a necessidade de acesso a um servidor seguro. “Com seis bilhões de leituras de códigos de barras todos os dias”, acrescenta, “e todos recebendo informações idênticas, são os mesmos padrões aplicados à RFID”.

A empresa está instalando os leitores e gravadores RFID em sua fábrica na Suécia, bem como em três unidades nos Estados Unidos. Em cada local, as tags são testadas, após o qual datas de validade, descrições de medicamentos e outros conteúdos são gravados neles. Cada tag é então lida novamente para verificação; se a leitura falhar, o frasco ou seringa será rejeitado. Depois que os dados são gravados na tag, diz Sirovatka, ela se torna independente. Qualquer pessoa com um leitor RFID GS1 UHF pronto para uso pode acessar essas informações. “Tomamos a decisão estratégica de ser agnósticos na hora de ler as informações”, afirma Volpe. “Isso apenas torna muito mais fácil para qualquer sistema hospitalar acessá-lo”.

A RFID oferece vários benefícios aos quais aqueles que usam etiquetas de código de barras não têm acesso, afirma a empresa. Embora rótulos de produtos farmacêuticos padrão venham com conteúdo impresso e um código de barras, eles podem ser difíceis de ler se houver muitos produtos em uma prateleira ou em um gabinete com orientações diferentes. Ao gravar dados na tag, diz Krass, o sistema pode tornar essas informações acessíveis a qualquer gabinete habilitado para RFID, o que contrasta com uma solução que exige que os usuários se juntem a um sistema proprietário baseado em nuvem. “Este é um padrão global verdadeiramente interoperável”.

Para os usuários da tecnologia IntelliGuard, observa Krass, a etiquetagem da Fresenius Kabi fornece um processo mais contínuo de recebimento de produtos farmacêuticos e de colocá-los no estoque. Os usuários podem simplesmente colocar os produtos etiquetados dentro do gabinete ou estação IntelliGuard. Os dados podem ser lidos e a plataforma de software empresarial da IntelliGuard irá decodificá-los. “Há anos que nossos clientes pedem isso”, afirma.

A IntelliGuard vende armários de farmácias, estações de anestesia e outras unidades refrigeradas ou não refrigeradas que podem ser usadas em diferentes áreas de um hospital. Para seus clientes, Krass diz: “Podemos criar uma solução de dados totalmente pronta para uso, ponta a ponta.” Isso, explica ele, torna a captura de dados automática, tanto durante o recebimento de mercadorias quanto em salas de cirurgia, se os produtos forem retirados do gabinete habilitado para RFID para uso com um paciente.

Tradicionalmente, Krass diz, um centro cirúrgico poderia ser comparado ao Velho Oeste nos dias anteriores ao uso generalizado de RFID, já que os dados sobre medicamentos, incluindo seu uso, validade ou descarte, eram rastreados manualmente em papel ou com códigos de barras, ou simplesmente não eram não é monitorado. No entanto, ele acrescenta, o rastreamento manual é uma distração para os profissionais de saúde focados no tratamento de pacientes. “Os anestesiologistas não querem virar as costas para o paciente”, diz Krass. “Com o RFID, está de volta à maneira que eles querem praticar. Eles se conectam, abrem gavetas, retiram o que precisam” e mantêm o foco nos pacientes.

Em relação à aplicação de tags da Fresenius Kabi no início da cadeia de suprimentos, Krass diz: “Isso é o que sempre achei ser o ponto de inflexão – o evento que muda a trajetória de crescimento.” Os hospitais veem um benefício em usar RFID, acrescenta, embora a expansão tenha sido impedida pelos custos de mão de obra em hospitais e farmácias. No futuro, as empresas esperam ver distribuidores e provedores de logística usando também as etiquetas RFID, para fins de gerenciamento da cadeia de suprimentos e combate à falsificação. Vários distribuidores já estão usando os gabinetes da IntelliGuard, afirma Krass, acrescentando: “Isso pode fornecer segurança para a cadeia de abastecimento, com mais pontos de leitura de uma etiqueta que não pode ser duplicada.”

O desenvolvimento do sistema de etiquetagem incluiu a construção de software interno, afirma Sirovatka, bem como a personalização de hardware da eAgile. O ambiente de produtos farmacêuticos é, por sua natureza, desafiador para RFID. “A medicação tem diferentes características de sinal de absorção de RFID”, afirma ela. “Em parceria com a eAgile, projetamos as etiquetas de maneira personalizada para garantir que possam ser lidas em bandejas de anestesiologia em várias configurações.” Não há controle sobre como os medicamentos são colocados em uma bandeja ou prateleira, ela observa, afirmando: “Temos que estar em uma posição onde não importa como e onde eles os colocam no armário, eles possam lê-lo.”

Segundo Krass, as tags têm um bom desempenho em ambientes hospitalares, inclusive em relação à presença de líquidos e materiais metálicos. Em última análise, Volpe diz, com a introdução da etiquetagem de medicamentos na sala de cirurgia, “Queremos fornecer os medicamentos de que os clientes precisam. Estamos aprimorando o que está sendo oferecido hoje – e somos os primeiros a incorporar essas informações na etiqueta.”

A Fresenius Kabi tem 24 produtos com etiquetas RFID integradas com lançamento previsto para o final de 2021, relata Sirovatka. A planta inicial para implantar RFID em sua fábrica foi na Suécia, e as três fábricas da empresa nos EUA, localizadas na Carolina do Norte, Nova York e Illinois, também estão instalando equipamentos.

- PUBLICIDADE -

LEAVE A REPLY

Please enter your comment!
Please enter your name here