Empresas gerenciam cadeia de suprimentos de vacinas

A CSafe Global e a Cloudleaf desenvolveram sensores de Internet das Coisas para gerenciar a temperatura e outras condições de produtos para a saúde em contêineres

Claire Swedberg

A CSafe Global fornece contêineres de carga aérea térmica com temperatura controlada, projetados para entregar medicamentos e vacinas a destinos globais, dentro de faixas de temperatura específicas. Recentemente, a empresa expandiu além da oferta de contêineres para fornecer uma solução de rastreamento com base na Internet das Coisas (IoT) que ajuda os usuários a capturar e gerenciar automaticamente os dados sobre as condições em que produtos sensíveis à temperatura viajam ao redor do mundo, como bem como sua localização a qualquer momento.

A plataforma de visibilidade digital baseada em nuvem é fornecida por meio da parceria da CSafe Global com a empresa de soluções de software Cloudleaf. O sistema de rastreamento e rastreamento baseado em sensores, atualmente sendo testado pela DHL e várias empresas farmacêuticas, tem como objetivo evitar a perda de vacinas ou medicamentos devido a excursões de embarque, como aumento de temperatura. Os dados coletados podem ser visualizados e gerenciados pela CSafe e seus clientes.

A CSafe fornece uma grande porcentagem dos menos de 10.000 contêineres de carga aérea ativos na indústria, que são usados ​​para transportar vacinas e outros produtos de ciências biológicas em todo o mundo em condições controladas. Seus clientes incluem companhias aéreas, agentes de carga e empresas de ciências biológicas. Os contentores são alugados pelo expedidor ou fabricante, e a solução visa fornecer a essas empresas, bem como aos seus clientes em alguns casos, informações sobre as condições a que os produtos foram expostos.

Tela de app da CSafe para cadeia de suprimentos com controle térmico

Os contêineres de carga aérea ativos da CSafe sempre registraram as condições ambientais e de carga útil (interna), mas os dados só ficaram disponíveis após o término do embarque. Com uma nova plataforma baseada em nuvem, as informações do contêiner, incluindo localização GPS, inclinação e choque do contêiner, podem ser visualizadas em tempo real, de acordo com Tom Weir, o COO da empresa.

A Cloudleaf é uma empresa do Vale do Silício com cinco anos. A CSafe escolheu sua plataforma de visibilidade digital personalizada para dar suporte à solução existente de rastreamento e rastreamento e para fornecer uma visão em tempo real dos produtos que viajam pela cadeia de frio. A CSafe começou a trabalhar com a empresa de tecnologia no início deste ano. A visibilidade granular do fluxo e condição do produto, diz Weir, é essencial para os 185 clientes farmacêuticos da CSafe que contam com suas soluções de cadeia de frio para monitorar e proteger o transporte de vacinas e medicamentos de alto valor, “em conformidade com os padrões regulatórios e de segurança”.

Um dos principais motivos pelos quais a CSafe escolheu a solução baseada em nuvem da Cloudleaf, explica Weir, é que o software pode ser integrado ao software existente, bem como ao de seus clientes. Como a plataforma é independente de dispositivo, a CSafe pode aproveitar seus próprios sensores e dados sem ter que substituir qualquer infraestrutura básica. Como resultado, diz ele, este ano a CSafe integrou 20 contêineres com sensores ativos movidos a bateria, que transmitem informações para a plataforma Cloudleaf. A empresa agora está conduzindo testes.

A Cloudleaf oferece sua plataforma de visibilidade digital para soluções de remessa, diz Mahesh Veerina, CEO da empresa. O foco principal da Cloudleaf é a visibilidade e inteligência contínuas, diz ele, acrescentando: “Visibilidade é a base para construir outras soluções.” A empresa oferece uma plataforma horizontal que pode ser aproveitada em vários setores, “mas escolhemos nosso foco principal na cadeia de frio farmacêutico e de ciências biológicas”. De acordo com Veerna, a tecnologia também visa os setores de alimentos e bebidas e de manufatura de alto valor, nos quais o monitoramento das condições é fundamental.

A CSafe possui milhares de containers ativos que atendem ao mercado de ciências biológicas. A empresa compartilha dados da cadeia de suprimentos coletando manualmente informações pós-embarque em pontos de transação e por meio de sua rede de serviços, onde os contêineres são entregues ou recebidos, ou são mantidos e inspecionados. Um desafio que enfrenta é monitorar os níveis de temperatura e outras condições. Se um operador se esquece de fechar a porta do contêiner após carregar um produto, por exemplo, e se a temperatura cai fora dos parâmetros aceitáveis, pode ser difícil detectar quando isso aconteceu e responder rapidamente. Em vez disso, a empresa queria ser capaz de interceptar e proteger os produtos de forma proativa e ver esses problemas antes que aconteçam.

A empresa oferece dois tipos de contêineres: o RKN, medindo 48 polegadas por 50 polegadas por 50 polegadas, e o modelo RAP lançado recentemente, projetado para remessas a granel de vacinas e medindo 125 polegadas por 88 polegadas por 64 polegadas. São contêineres altamente complexos, diz Veerina. O gerenciamento adequado requer uma variedade de sensores para detectar não apenas as temperaturas internas, mas também a umidade, se a escotilha está aberta ou fechada, a temperatura ambiente e os níveis da bateria.

Cada contêiner inclui um sensor de choque e outros sensores para detectar a inclinação e a pressão barométrica. Os dados são coletados em uma única unidade de sensor que vem com dados de localização GPS e encaminha as informações por meio de uma conexão de celular. A unidade pode ser configurada para encaminhar dados a cada 10 ou 15 minutos ou em qualquer outra frequência. Se nenhuma conexão de celular estiver disponível, o sistema armazenará cada medição do sensor. Dessa forma, se um container estiver no ar, por exemplo, os dados podem ser coletados assim que o avião pousar.

Para uma transação típica, um cliente deve primeiro fazer login no site da CSafe com uma solicitação de aluguel, indicando para onde o contêiner irá, e também quando. O usuário também pode indicar qual produto está sendo enviado e seus requisitos de temperatura. O software irá configurar uma rota de geocerca com base em aviões de trânsito, junto com os níveis de temperatura ou outras excursões do sensor que precisariam ser detectadas, e como essas excursões seriam divulgadas para partes autorizadas, como por e-mail ou mensagem de texto. A empresa então pegava o contêiner no aeroporto e ligava a unidade, sendo os dados capturados automaticamente até que o contêiner chegasse ao seu destino.

“Os alertas são configuráveis”, afirma Weir, “para que um cliente possa decidir para onde deseja que os alertas sejam enviados.” A empresa não só fornece dados para seus clientes, mas também usa as informações para análises internas, a fim de melhorar suas próprias operações. A causa mais comum de falha, por exemplo, tende a ser um erro humano, como um operador que esquece de ligar ou desligar uma unidade de resfriamento. Ao coletar dados em tempo real, ele diz: “Isso nos permite reagir a esses desafios de processo.”

A CSafe usa a tecnologia para a gestão e logística de seus próprios ativos. “Levar nossos contêineres ao lugar certo, na hora certa e da maneira mais econômica possível”, é o objetivo, diz Weir, assim como compartilhar um valor agregado com os clientes. A tecnologia permite que a CSafe ou seus clientes intervenham em uma excursão de temperatura e, assim, evitem a perda de produto em tempo real, ele explica, acrescentando: “Somos muito mais do que uma empresa de hardware hoje. Somos hardware e software, e isso é muito importante para nós. Se você não tem capacidade de alavancar inteligência artificial, você não será um player no futuro setor de cadeia de abastecimento a frio”.

Com vacinas agora em desenvolvimento e em testes clínicos para resolver o problema de transmissão de Covid-19, CSafe e Cloudleaf afirmam que estão posicionados para fazer parte da solução na distribuição de vacinas para aqueles que precisam delas. “Fizemos todo o possível para ser um parceiro confiável e robusto nesse processo”, diz Weir. Com relação à necessidade futura de distribuição de vacinas, ele acrescenta: “Resiliência e visibilidade da cadeia de suprimentos são a única maneira de sermos capazes de gerenciar este enorme desafio que temos pela frente”. A empresa estará pronta para ajudar a apoiar a movimentação de vacinas quando chegar a hora, prevê.

O teste inicial – que foi realizado com 20 contêineres adaptados com sensores, integrados à plataforma Cloudleaf – foi bem-sucedido, relata Weir. A tecnologia foi testada com vários embarques em três rotas internacionais e um lançamento comercial é esperado no final de outubro de 2020. A empresa está agora em processo de reforma de todos os seus contêineres neste verão. “Provamos que temos a tecnologia certa no local”, diz Weir.

- PUBLICIDADE -

LEAVE A REPLY

Please enter your comment!
Please enter your name here