Disney vai para além das pulseiras inteligentes

Depois de incorporar a identificação por radiofrequência (RFID) em suas pulseiras de acesso ao parque, o Walt Disney World planeja se concentrar em apps de smartphone

Rich Handley

Não muito depois do início da pandemia de Covid-19, o Walt Disney World anunciou que não aceitaria mais pedidos de pulseiras MagicBand com identificação por radiofrequência (RFID), que eram distribuídas aos hóspedes para que pudessem entrar nos parques, estacionar, comprar comida e bebidas, entre outros serviços. Os vários parques da Disney foram fechados em março de 2020 com a meta de reabrir em abril, embora esse plano não tenha se concretizado à medida que o coronavírus se espalhou em números alarmantes, resultando em parques fechados por um período mais longo de tempo, durante o qual as MagicBands ficaram indisponíveis para fãs da Disney.

De acordo com uma reportage do WDW News Today, as MagicBands estão agora de volta às lojas Disney, apresentando personagens mais recentes, junto com Mickey Mouse e amigos de longa data da Disney. A identificação por radiofrequência ainda está embutida nas pulseiras, indicando que a empresa corrigiu problemas que supostamente tinha com RFID que fizeram com que no ano passado retirasse as MagicBands de suas prateleiras. A inovação raramente fica estagnada na Disney, e as pulseiras podem em breve dar lugar a novas tecnologias baseadas no onipresente smartphone.

Aplicativo My Disney Experience para smartphone e as pulseiras RFID coloridas

A Disney lançou as pulseiras em seus parques temáticos na primavera de 2014, quando começou a fornecer MagicBands de dupla frequência (13,56 MHz e 2,4 GHz) para todos os hóspedes do resort que fizessem uma reserva de hotel no Walt Disney World. As pulseiras permitem que os visitantes acessem serviços reservados por meio do sistema My Disney Experience baseado na web. Todos os pontos de entrada do parque, todas as atrações e eventos, e todos os quartos de hotéis e pontos de venda da Disney são equipados com leitores RFID de alta frequência para ler as etiquetas das bandas, tornando a experiência do cliente mais rápida e divertida ao reduzir as filas e a necessidade de carregar dinheiro, ingressos e identificações.

A revelação ocorreu após um artigo de 2013 do New York Times discutindo os planos da Disney para as pulseiras. O artigo atraiu preocupação do congressista Ed Markey, que divulgou um comunicado de imprensa bastante alarmista indicando que ele “levantou questões sobre as implicações de privacidade para crianças que visitam os parques temáticos da Disney, resultantes do plano da empresa de oferecer uma nova pulseira em seus parques que servir como uma fonte de pagamento, chave de quarto e porta de entrada para outros serviços durante visitas a alguns parques da Disney”. Os temores de Markey mostraram-se infundados, é claro, e as MagicBands foram lançadas conforme planejado.

Em pouco tempo, as pulseiras começaram a apresentar uma grande variedade de personagens e se tornaram itens de colecionador populares entre os visitantes frequentes do parque. Os hóspedes podem escolher uma MagicBand de cortesia com uma cor sólida ou podem pagar por um upgrade para uma apresentando Minnie Mouse, Princesas da Disney, personagens de Toy Story ou outros membros do elenco da Disney. Muitos desses designs foram adicionados à mistura. Não surpreendentemente, a empresa adicionou recentemente uma versão “baby Yoda” de Star Wars das pulseiras RFID, capitalizando o sucesso da série The Mandalorian, da Disney e Lucasfilm.

Em junho deste ano, a InsidetheMagic.com relatou que a Disney planeja descontinuar sua prática de oferecer bandas gratuitas – embora os fãs ainda possam comprá-las se desejarem – para que possa lançar um novo sistema envolvendo smartphones como parte do My Disney App de experiência. A Disney divulgou a seguinte declaração explicando sua decisão de fazê-lo:

“À medida que você começa a planejar suas próximas visitas, também estamos explorando maneiras envolventes para os hóspedes usarem sua tecnologia móvel para vivenciar a magia, especialmente agora que o uso de telefones e aplicativos continua a evoluir. Em 2021, planejamos revelar um nova oferta como parte do aplicativo My Disney Experience que trará recursos de MagicBand para seus dispositivos inteligentes, com base no recurso de chave digital existente do aplicativo. Com esta nova oferta no horizonte, vamos aposentar nossa distribuição MagicBand gratuita para Disney Resort hóspedes do hotel para novas reservas com chegadas a partir de 1º de janeiro de 2021. Os hóspedes do hotel Disney Resort continuarão a ter a opção de comprar novas MagicBands com desconto e apresentaremos ainda mais cores e designs com os personagens favoritos da Disney no futuro. Os hóspedes que preferirem não comprar um MagicBand com desconto poderão usar o aplicativo My Disney Experience ou um cartão durante sua visita. Ainda ofereceremos MagicBands em lojas e em shopDisney.com, e os hóspedes poderão continuar usando os wearables em todo o Walt Disney World Resort”.

Além do uso de pulseiras, a Disney há muito tempo viu o valor da tecnologia RFID, desde 2009, quando a gigante do entretenimento começou a investir na atualização de suas lojas, com a RFID melhorando muito a experiência do cliente. Três anos depois, ela começou a usar tags RFID UHF passivas para rastrear US$ 100 milhões em fantasias em seus parques e navios de cruzeiro, tornando a emissão de roupas um processo de autoatendimento. O sistema melhorou a visibilidade das fantasias durante os processos de lavagem e conserto e, também, reduziu o tempo necessário para realizar contagens de estoque. Um aumento na satisfação com o trabalho foi um benefício inesperado, uma vez que o pessoal do parque descobriu que a tecnologia tornava as coisas mais fáceis para eles\.

Em 2016, a rede de laboratórios da empresa, juntamente com cientistas do MIT, da Universidade de Washington e da Carnegie Mellon, desenvolveu sistemas com os quais poderiam permitir que robôs identificassem melhor os indivíduos, bem como rastreassem as interações cotidianas entre pessoas e coisas. A Disney Research publicou artigos acadêmicos descrevendo esses novos usos de RFID, e a empresa também falou no RFID Journal LIVE! Portanto, o uso de MagicBands com RFID foi um desenvolvimento natural, já que a Disney sempre esteve na vanguarda da inovação.

Com as notícias da diminuição do destaque do MagicBands, será interessante ver como a Disney vai empregar identificação por radiofrequência e tecnologias semelhantes no futuro. O fundador Walt Disney disse a famosa frase: “todos os nossos sonhos podem se tornar realidade se tivermos a coragem de persegui-los”, bem como “tenha uma boa ideia e permaneça com ela. Persiga-a e trabalhe até que seja bem feita”. A Disney teve uma boa ideia com suas MagicBands, teve a coragem de perseguir o sonho de acesso automatizado a parques e compras sem dinheiro, e como agora faz a transição de pulseiras para aplicativos de smartphone, ela mostrou sua grande capacidade de trabalhar em algo até que seja feito da maneira certa. Tenho a sensação de que se ele estivesse vivo hoje, o velho Walt aprovaria.

Rich Handley é o editor-executivo do RFID Journal. Foi editor-chefe da revista Advanced Imaging e editor-associado da Printing News. Rich escreveu, editou ou contribuiu para vários livros sobre cultura pop e é editor da coleção de romances Star Trek, da Eaglemoss.

- PUBLICIDADE -

LEAVE A REPLY

Please enter your comment!
Please enter your name here