Blockchain protege laranjas sicilianas

Por meio de um app, as informações do produto, incluindo a origem, data da colheita e métodos de armazenamento, podem ser acessadas pelos usuários

Edson Perin (com AIPIA)

Um sistema de blockchain está sendo usado para garantir a autenticidade das laranjas sicilianas como parte de uma campanha contra as frutas cítricas falsificadas. O projeto ROUGE (Red Orange Upgrading Green Economy) foi iniciado pelo Consórcio de Proteção de Laranjas Vermelhas da Sicília e pela empresa de tecnologia Almaviva.

Um adesivo com um chip NFC (de comunicação de campo próximo) é conectado a um sistema blockchain que é então anexado a caixas de laranjas sicilianas. As informações do produto, incluindo a origem, data da colheita e métodos de armazenamento, podem ser acessadas pelos usuários por meio de um aplicativo.

Laranjas rubras italianas

A Almaviva já havia testado a tecnologia para rastrear produtos ao longo da cadeia de produção de vinho. Agora, a ideia será aplicada à safra 2019/20 de laranja no sangue.

Fulvio Conti, chefe de agricultura e meio ambiente da Almaviva, disse: “Com um adesivo fixado nas caixas de frutas e sensores sofisticados que verificam as condições de transporte, como umidade e temperatura, o aplicativo permite ao usuário monitorar o campo de produção através do sistema de geolocalização. mapas publicamente disponíveis, a data da colheita e os métodos de armazenamento e distribuição usados”.

A Itália produz 1,62 milhão de toneladas de laranjas rubras anualmente, mas a fruta também está sujeita a falsificação, o que causa prejuízos aos produtores sicilianos. Em uma recente apreensão de produtos agrícolas falsificados, constatou-se que laranjas rubras da África do Sul estavam sendo comercializadas como laranjas sicilianas.

Giovanni Selvaggi, presidente do Consórcio de Proteção de Laranjas Vermelhas da Sicília, comentou: “Essas laranjas são uma joia da coroa dos produtos Made in Italy. Mais de 50% da produção nacional total vem da Sicília. Em 2018, o número chegou a aproximadamente 1 milhão de toneladas”.

O consórcio tem mais de 600 membros, produtores e embaladores, usando mais de 6.500 hectares de cultivo certificado. Três variedades de laranja deste tipo são cobertas pelo status de “sob proteção”: Moro, Tarocco e Sanguinello. Além de serem consumidas frescas, são cada vez mais transformadas em sucos, geleias, doces etc. O consórcio afirma que mais e mais empresas de alimentos estão solicitando o uso da denominação do consórcio, tornando a classificação altamente valorizada.

“A falsificação e a fraude são prejudiciais ao consumidor e causam prejuízos aos produtores. A plataforma foi criada para proteger laranjas rubras da Sicília e a exportação global deste produto único, que este ano também atingiu o mercado chinês”, acrescentou Selvaggi. Durante 2019, o primeiro embarque de 46 toneladas de laranjas sicilianas enviado para a China.

- PUBLICIDADE -

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui